Florianópolis, SC: Praias da Armação e Matadeiro. Ponta das Campanhas.


Imagem Destacada: Ponta das Campanhas, “divisor de águas” entre as Praias da Armação e Matadeiro.

*****

*****

*****

VAI DE QUÊ, ISTEPÔ?

Partindo de ônibus do Centro de Florianópolis, mais precisamente do antigo terminal da Av. Paulo Fontes, pegue o executivo Pântano do Sul, o amarelinho 4120. Mais informações tais como trajeto, horários e tempo de viagem clique aqui.

De carro: pegar a SC-405, passar pelo Rio Tavares e seguir em direção ao Campeche/Armação/Pântano do Sul/Ribeirão da Ilha até encontrar uma bifurcação. Seguindo à direita, você continuará pela SC-405 e chegará ao Ribeirão da Ilha e à Caieira da Barra do Sul pela antiga estrada.

Para a esquerda você irá em direção à Armação (do Pântano do Sul) e ao Pântano do Sul propriamente dito, pela estrada que passa a ser a SC-406 a partir deste ponto.

A PRAIA DA ARMAÇÃO também chamada por alguns de Praia do Morro das Pedras na parte próxima ao Retiro Fátima, é extensa – 2,5 km – , de águas limpas e mornas no Verão e “bonita por natureza”. Neste trecho da praia o mar não deixa dúvida nem quanto à sua personalidade e muito menos a que veio. Um banho não seria recomendável por sua bravura, inda mais que não há serviço de salva-vidas.

No outro extremo, em frente ao Centrinho, a Ponta das Campanhas literalmente quebra o mar, tornando-o tranquilo e possibilitando prazerosos banhos para pessoas de todas as idades.

No Centrinho da Armação, chama atenção a Igreja de Sant’Anna erguida em 1772 por colonizadores portugueses, oriundos das Ilhas dos Açores e Madeira.

Fora isso, você encontra lojas de roupa de praia, um pequeno supermercado e um ou outro local onde poderá tomar um café ou almoçar. O bairro é pequeno e até o momento não conta com nenhum restaurante de destaque.

Março de 2015 procurei no Centro uma loja que me vendesse um guarda-sol e não havia. Nenhuma dispunha desse tipo de artigo para venda. Voltando ao Campeche foi que encontrei na estrada uma loja de artigos variados e lá pude comprar uma barraca de praia que acabei não usando porque logo depois começou a chover, e a seguir tive que retornar ao Rio.

NOTA: O termo “barraca de praia” não é utilizado nas praias do Sul. Usam, corretamente, a denominação “guarda-sol” – óbvio ululante, segundo Nélson Rodrigues.

Mais informações a respeito da História do lugar, clique aqui.

NAS FOTOS EM QUE APARECER A LUVINHA, CLIQUE PARA VISUALIZÁ-LA AUMENTADA

DSCN0668 (1024x763)
Praia da Armação do Pântano do Sul. Extremo próximo ao Centrinho do bairro. Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

DSCN0669 (1024x768)
Intizica é o nome de famosa cachaça em Florianópolis.                          Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

DSCN0671 (1024x768)
Ponta das Campanhas – Bilheteria e cais de onde também partem embarcações para a Ilha do Campeche.                                                                                                                         Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

DSCN0675 (1024x768)
Igreja de Santana, erguida pelos colonizadores portugueses em 1772. Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

DSCN0678 (1024x768)
Pãntano do Sul.

*****

PONTA DAS CAMPANHAS – Muitos manezinhos que se prezam não sabem o nome desta Ponta, “si tu quéis sabê”.  Meu irmão, carioca por nascimento e morador da ilha desde 1984 e que se intitula “O” mané – vive pescando em lancha ao redor da Ilha de Florianópolis -, sequer desconfiava. Mas isso não importa porque todos sabem onde é a bilheteria em que se compra passagem para a Ilha do Campeche e já está de bom tamanho. É lá mesmo onde “tásch” pensando: fica no próprio trapiche de onde partem as embarcações para qualquer lugar.

*****

2015-03-18 12.06.21 (1024x768)
Parte da Ponta das Campanhas, não visível das Praias da Armação e Matadeiro. Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

2015-03-18 12.07.04 (1024x768)
Ponta das Campanhas.                                                                                         Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

2015-03-18 12.07.11 (1024x764)
Ponta das Campanhas.                                                                                         Foto Marilia Boos Gomes.

*****

2015-03-18 12.08.33 (1024x758)
Praia da Armação, vista da Ponta da Campanha.                                Foto Marilia Boos Gomes.

*****

2015-03-18 12.11.16 (1024x764)
Ponta das Campanhas.                                                                                         Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

2015-03-18 12.13.15 (1024x752)
Ponta das Campanhas.                                                                                         Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

2015-03-18 12.14.50 (1024x768)
Praia do Matadeiro vista da Ponta das Campanhas. Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

2015-03-18 12.16.03 (1024x768)
Praia da Armação vista da Ponta das Campanhas.                              Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

2015-03-18 12.17.19 (1024x768)
Praia do Matadeiro vista da Ponta das Campanhas.                     Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

COMO CHEGAR À ILHA DO CAMPECHE?

Segundo informações recentes obtidas na própria bilheteria, na baixa temporada é necessário formar um grupo de seis pessoas, no mínimo, para fazer a travessia e combinar o passeio com algum barqueiro. Esta viagem de emocionantes 20 minutos custa R$60,00 (sessenta reais) por pessoa e as embarcações só partem até o final de abril. Depois disso, só na próxima temporada.

P1110194 (1024x768)
Preço por pessoa até o final de abril 2015 para um mínimo de seis pessoas. Vai?                          Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110192 (850x1024)
Informações utilíssimas para quem se propõe a ir à Ilha do Campeche.           Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110196 (1024x768)
Bilheteria e cais de embarque para quem se destina à Ilha do Campeche – 20 minutos prazerosos ou aflitivos em um barco. Depende de cada um…                Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

Já visitei a Ilha do Campeche três vezes e em todas elas o mar estava muito agitado. Na primeira vez saí da Barra da Lagoa e achei bem mais complicado – foi a pior de todas. Não recomendo. O barco balança muito na saída da Barra e muitos passageiros ficam logo mareados. Nas duas saídas seguintes partimos da Armação. Foi menos pior, mas também não foi fácil. Nesta última vez o mar estava tão revolto, que a embarcação em que estávamos – eu e mais quatro amigos – de vez em quando “sumia” entre uma onda e outra, a ponto de não avistarmos o barco que navegava paralelamente ao nosso.

Uma de minhas amigas estava apavorada. Rezou durante todo o percurso e mais tarde me confessou que durante a trajeto ficou imaginando para onde nadar caso o barco virasse. Chegou à conclusão de que nadaria até à Praia do Campeche  “por ser o lugar mais próximo”.

A situação para os novatos ficou a tal ponto preocupante, que nosso amigo mais otimista dizia a curtos intervalos: – “Tá feia a coisa!…Tá feia a coisa!…”

E não parou por aí. Na ilha, os amigos só pensavam na volta – Deus meu! Vamos ter que passar por tudo aquilo novamente? Felizmente voltamos em um barco pesqueiro grande, que apesar de balançar muito e nausear alguns passageiros, deixou-os menos preocupados. Deitamos no convés, fechamos os olhos e, literalmente, deixamos o barco correr. Turista sofre.

Voltando à Armação: esta foi a primeira vez que resolvi atravessar a passarela para ver o que que a Ponta das Campanhas tem. Apesar de minha dificuldade pra escalar até uma lombada, e das dores nos quadris que senti mais tarde, não me arrependi de ter subido até seu ponto mais elevado, bem íngreme.  Valeu cada “ui” e a falta de meu analgésico.

A paisagem é linda e vale esforços. Há muitas pedras do outro lado da Ponta das Campanhas que não se pode avistar da praia.
O mar bate com força nessas esculturas e explode em espumas como fogos de artifício. Um espetáculo que apreciamos durante algum tempo enquanto tentava clicar uma desses rompantes do mar, mas… não consegui.
Do alto, o panorama das duas praias (Armação e Matadeiro) separadas pelo Rio Quinca Antonio é coisa de cinema e as fotos abaixo não me deixam mentir.

DSCN0663 (1024x768)
O rio Quinca Antonio ainda bem seco permite a travessia a pé com facilidade.                               Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

DSCN0665 (1024x768)
Foto que eu mesma saquei de dentro do rio, na maior moleza.              Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

DSCN0666 (1024x768)
Observe, que mesmo com o nível baixo da água do rio, há partes mais profundas onde qualquer bobeada pode significar um tombo; inda mais que há pedras em determinados trechos, que dificultam mais ainda a travessia.      Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

DSCN0679 (1024x768)
Foz do Rio Quinca Antonio. Foi com o nível de água um pouco mais elevado que fizemos a travessia a pé.                                                                                                                   Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

DSCN0680 (1024x768)
Mesmo escolhendo caminhos mais rasos acabei me atolando e me desequilibrando. Não fosse a ajuda de meu amigo, teria repetido a façanha de Jorge.                     Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110184
Nesta foto, ao fundo, as ondas da Praia do Matadeiro.                            Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110186
Rio Quinca Antonio. Nas pedras, a sombra da proteção da passarela que acessa a Ponta das Campanhas.                                                                                                                      Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110189 (1024x768)
Foto sacada da Ponta das Campanhas.                                                             Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110191 (1024x762)
Praia da Armação vista da Ponta das Campanhas.                                        Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110197 (1024x714)
Embarcadouro para quem se destina à Ilha do Campeche.                     Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110199 (1024x761)
O lado da Ponta das Campanhas que não se vê da praia…

*****

P1110200 (1024x768)
…é bem mais interessante.

*****

P1110198 (1024x760)
Por não conter areia, mas apenas grama, os pescadores estendem aqui suas redes para secar.

*****

QUINCA ANTONIO: TODO CUIDADO É POUCO PARA QUEM NUNCA O ATRAVESSOU.

Aqui fica um aviso para quem nunca atravessou este rio a pé: quando ele está cheio é prudente andar um pouquinho para trás e atravessar uma ponte, principalmente se você estiver com equipamento fotográfico e/ou celular na bolsa, ou algum objeto que não possa ser molhado.

Por experiência própria, certa vez atravessamos o rio voltando de Matadeiro e um amigo, cheio de boa vontade a nos orientar onde pisar e  não pisar, acabou tropeçando em uma pedra e fez uma aterrissagem forçada no fundo do rio com roupa e tudo. Prá completar a cena, um chinelo emprestado lhe escapou dos pés, boiou e começou a ser levado rapidamente pela forte correnteza em direção ao mar. Quando o dono das “legítimas” percebeu que ia perder a sandália, deixou nosso amigo de lado, ao sabor da sorte, e correu rio abaixo atrás da possível perda.

Jorge, o nome da peça que deu essa bobeada, ficou com cara de quem deixou cair o sorvete. Com água acima dos joelhos, não conseguia se mexer por ter-se atolado; e ali ficou, parado no meio do rio aguardando ajuda, enquanto ríamos prá valer da cena, sem desatolar o Jorge. Quem mandou sair da praia arrumadinho como filho de barbeiro? Não escapou nada! Nem a cabeça fora d’água! Mergulhou totalmente no rio em um batismo forçado espetacular. Rimos muito; mas muito mesmo do tombo do Jorge. Portanto, fica esperto! Ah! E o Rio Jordão fica bem mais longe.

*****

P1110220 (1024x768)
Na volta da Praia do Matadeiro decidimos não arriscar e passamos pela ponte…                                Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110218 (800x600)
…que alcançamos passando por este caminho paralelo ao rio.                 Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110219 (1024x768)
Rio Quinca Antonio.                                                                                                      Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

A PRAIA DO MATADEIRO é outro recanto da Ilha de Florianópolis que ainda não obteve a mesma fama de suas irmãs Joaquina, Mole e Jurerê, e talvez por isso mantenha o perfil de praia nativa; trata-se de lugar afastado e  longe de badalações.

A própria geografia do lugar – abraçada pelo Morro do Matadeiro, que parece escondê-la – nos dá a idéia de que a praia nunca foi tocada e de que os raros moradores, quase ocultos pela densa mata, procuraram este pedaço de paraíso para viver por inteiro seu amor pelo lugar.

Atualmente a praia conta com três pontos de apoio onde se pode matar a sede, saborear um peixinho frito acompanhado de uma cerveja gelada ou degustar um bonito prato de moluscos. Sem querer, você se enquadra em uma bela paisagem que, por enquanto, ainda pode chamar de sua.

P1110202 (1024x765)
Praia do Matadeiro – nome associado à matança de baleias que se fazia nesta praia na segunda metade do século XVIII.                                                                                             Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110203 (1024x768)
À direita, a Ponta do Quebra Remo.                                                                       Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110206 (1024x743)
E como ninguém é de ferro…                                                                                     Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110210 (1024x768)
Praia do Matadeiro                                                                                                 Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110213 (1024x760)
Ao fundo, a Ponta das Campanhas que separa as Praias da Armação e Matadeiro.                    Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110214 (1024x768)
Ponta das Campanhas vista da Praia do Matadeiro.                     Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

P1110217 (600x800)
O primeiro acesso íngreme para se alcançar Matadeiro.                          Foto: Marilia Boos Gomes.

*****

img186

 

2 opiniões sobre “Florianópolis, SC: Praias da Armação e Matadeiro. Ponta das Campanhas.”

  1. Como sempre um descrever leve, bem humorado e agradável, mostrando não só as belezas, como indicando caminhos e como chegar lá. A localidade lembra a Região dos Lagos, aqui no Rio, tanto Búzios como São João (onde um rio divide duas praias). Amei.

    Curtir

Deixe seu palpite!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s