PORTUGAL – Um Rolê Pelas Ruas de Lisboa.


IMAGEM DESTACADA: Subida da rua da Mãe d’Água.

*****
Saímos do Sana Rex Hotel, em frente ao Parque Eduardo VII e descemos a rua Castilho até a rua do Salitre. Atravessamos a rua Braamcamp, a Alexandre Herculano, a Rosa Araújo e a Barata Salgueiro para a alcançarmos.

2000-1024x668
Parque Eduardo VII visto do quarto do Sana Rex Hotel.
1947-1024x768
Rua Castilho, endereço do Sana Rex Hotel.

1948-1024x768

Na Braamcamp esquina de rua Castilho destaca-se esse prédio. A sensação é a de que uma grande caixa de vidro foi inserida dentro da antiga estrutura. “Ao vivo e em cores” é impactante.

*****

Na Av. da Liberdade dobramos à direita e seguimos pela travessa do Salitre até chegarmos à Praça da Alegria.

1950-1024x997

Pelo caminho encontramos lojas de nomes originais. Aqui abro um parêntesis para dizer que amo de paixão! a criatividade dos portugueses para nomear localidades e estabelecimentos comerciais, sem esquecer rótulos e embalagens de alguns produtos. Exemplo disso são os papéis lindíssimos que embalam sabonetes e o descolado rótulo do licor que me deixou surpresa e quase grudada na vitrine da Casa Manuel Tavares – o Licor de Merda.
1951-1024x756

De lá subimos um pequeno trecho da rua da Alegria e chegamos ao Chafariz do Vinho, no final da rua da Mãe d’Água.

1949-1024x768

Chafariz do Vinho.

*****

O país inteiro faz-nos sentir em casa e isso não se deve apenas à tradicional hospitalidade portuguesa.  Ao caminharmos por qualquer rua de Portugal, principalmente Lisboa, logo nos identificamos com a herança deixada pelos portugueses a partir do início do século XVII no Brasil. Nos centros históricos de São Luiz, Rio de Janeiro e Florianópolis encontramos arquitetura gêmea à que vimos na rua da Alegria e adjacências.
São casas simples ou sobrados azulejados de cima a baixo (ou não) de até quatro pavimentos.
As paredes revestidas de azulejo tinham como objetivos: defendê-las das chuvas torrenciais e refletir os raios solares – maneira de proteger os moradores do calor.

1952-1024x768

Subimos as escadarias e acessamos o bairro de Príncipe Real onde tomamos a esquerda.

1962-1024x768
Acesso da rua da Mãe d’Água ao bairro Príncipe Real.

1957-1024x768 1959-1024x756
Visitamos lojas espetaculares de vestuário, de objetos utilitários de desenhos modernos e de decoração. Uma, em especial, de tapetes manufaturados que me deixou aflita.
Fomos ziguezagueando pelas ruas do bairro Príncipe Real e tivemos uma grata surpresa ao encontrar na rua Dom Pedro V uma loja maravilhosa: a MOY Charcutaria & Garrafeira.

1965-1024x7681969-768x1024 1970-672x1024*****
Boutique finíssima de produtos nacionais e importados de marcas renomadas, tais como Fauchon e Petrossian. Lá você encontra massas e molhos italianos, embutidos, biscoitos, queijos, chocolates, chás.
Salmão defumado, caviar, paté de fígado de ganso, cafés importados – saborizados com chocolate ou baunilha – “from” Brasil, Costa Rica, Angola, além do café especial que leva o nome da própria loja.
Azeites e vinagres expõem em seus rótulos procedências indiscutíveis.
Em uma ampla sala no fundo da loja o cliente se perde entre as diversas marcas e tipos de bebidas.
Ah! E quase ia me esquecendo: macarons e os famosos brigadeiros não poderiam faltar, claro.

1966-1024x768

1963-1024x768
Detalhe da decoração requintada da MOY.

*****

Continuando nosso passeio, bisbilhotamos algumas ruas perpendiculares à Dom Pedro V e ao atravessarmos a rua da Rosa entramos na Pastelaria São Roque (também conhecida como Padaria Italiana) para tomar um café – a padaria fica na esquina das duas ruas.

1981-765x1024
Rua da Rosa. Linda! como todo o país.
1971-1024x768
Início da Rua da Rosa.
1972-1024x853-2
Padaria São Roque, esquina de Dom Pedro V e rua da Rosa.

1973-1024x768 1974-1024x761 A bem da verdade o café foi o motivo para curtirmos o ambiente. A pastelaria foi fundada no início do século XX em estilo Art-Nouveau (valorização das formas). Sua entrada é discreta e por isso não chama atenção. Encontramo-la porque saímos, literalmente, a bisbilhotar o comércio por onde passamos. Pormenores a respeito da decoração do estabelecimento, basta clicar aqui.

1976-1024x768

1978-1024x768

Mais adiante paramos no Miradouro de São Pedro de Alcântara (rua São Pedro de Alcântara) e continuamos pela rua da Misericórdia, outra rua ladeada por edifícios azulejados, obras de arte da arquitetura portuguesa.

1983-1024x768
No alto do morro, o Castelo São Jorge.
1985-1024x835
A Pastelaria Brasil, bem em frente ao miradouro.
1989
A devoção à Santa, bem esclarecida na parede externa de um dos prédios da rua da Misericórdia.
1992-1024x768
O nome da companhia, certamente convenceu.

1988-1024x768

Passamos pela Pça Luiz de Camões, Largo do Chiado, descemos a rua do Alecrim. Seguimos pela Bernardino Costa e chegamos à Praça do Comércio pela rua do Arsenal onde essa escultura nos deu boas-vindas  em frente à Câmara Municipal de Lisboa pela bela caminhada.

1995

Pelos cálculos do Google Maps, foram aproximadamente 3,8 km de percurso. Em frente ao Arco da rua Augusta pegamos um taxi e voltamos ao hotel. Mortos de cansaço.

Mas, como o dia ainda não havia terminado, mais tarde tomamos outro taxi e fomos jantar no Carmo – Restaurante e Bar, no Largo do Carmo.

2006
Camarões fritos aos coentros…
2007-1024x768
… morcilhas e purê de maçã completaram o dia.

*****

img186-copia

Com a palavra, ROSA CRISTAL.

2 comentários em “PORTUGAL – Um Rolê Pelas Ruas de Lisboa.”

Deixe seu palpite!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s