BRASIL, Rio de Janeiro, RJ: Restaurante Mauá e MAR – Museu de Arte do Rio


IMAGEM DESTACADAParcial da Praça Mauá, vista do Restaurante Mauá.

Começamos pelo terraço do museu, no 6° andar. É lá que está o restaurante super concorrido. Não havia lugar disponível, mas decidimos esperar e valeu à pena. Como valeu!

Interior e varanda do Mauá, vistos pelo espelho.

O CARDÁPIO
é surpreendentemente brasileiro: há sotaques nortistas e nordestinos no menu, bem do jeito que eu e meu escudeiro gostamos: abacaxi, banana, tamarindo, manga, queijo de coalho, patas de caranguejo, castanhas do Pará, nozes, enfim, aquela química…, aquela tropicalidade que põe meu paladar em festa. Dê só uma olhada na última opção das saladas! Divinas combinações e anáguas. Eita nós!
– Peito de pato combina com castanha de caju e manga?
– Combina! E como!

Brasileiro é criativo onde quer que atue e na culinária bate aquele bolão. Essas sugestões abaixo são exemplos.
Mergulhei feliz da vida no Nhoque de Banana da Terra. Em apneia! Ó!… Nem soltei aquele “Hummm…” Só fechei os olhos e me concentrei no sabor. Dos deuses. Vale à pena sair de qualquer lugar para comer no Mauá. Zeus sairia do Olimpo prá conhecer o Mauá!…

A aparência pode não ser chic. Mas o sabor, minha gente…

Meu fiel escudeiro embarcou no Mignon do Sol acompanhado por uma farofinha porreta. Segundo ele, estava estupendo.

A farofinha quase que não entra na postagem. Lá vai:

Porção individual, istepô!

O restaurante também conta com carta de vinhos e drinks. Dispensamos a sobremesa para não perdermos a última impressão – a que fica.

Repare que os chocolates ganharam aquele toque brasileiro: um, foi laureado com um confetinho de castanha de caju, e o outro com o perfume e aroma do “fruto da paixão” – o nosso maracujá.

Como não poderia deixar de ser, as mesas colocadas junto à mureta são as mais concorridas por motivos óbvios.
Foi esta paisagem que nos serviu de sobremesa. Com ela, adoçamos a alma.

O Restaurante Mauá está situado embaixo da grande onda do MAR, que cobre dois prédios ao mesmo tempo. Perfeito!

E para fazer a digestão, descemos os seis andares a pé. Aí sim, começamos a visitar o museu. Na descida, nos surpreendeu a primeira obra de arte: a magnífica escada que muito lembra a forma arquitetônica predileta de Oscar Niemeyer: a curva.

Particularmente, as exposições do museu naquele momento não me chamaram atenção, à exceção da sala de fotografias  – e mesmo assim, com restrições. Vale consultar a agenda do MAR, clicando aqui.

Fotos espetaculares que me deram a impressão de estar em uma janela.
Outras, nem tanto.
A  imagem que mais me impressionou. Para mim, esta foto foi hors concours. Ge-ni-al!

QUANDO PEGAR ESSA ONDA:
Antes de entrar no MAR (não aconselho visitá-lo às terças-feiras devido ao excesso de público) você deverá passar pelo guarda-volumes que, devido ao movimento excessivo, fica deste jeito que você vê na foto. Nos momentos mais tranquilos, que fique claro.

Às terças-feiras há visitas de colegiais tanto no MAR quanto no Museu do Amanhã. O tumulto é grande e por isso aqui vai o aviso: para quem gosta de curtir seu museuzinho ouvindo vez ou outra o sussurro de quem comenta uma obra, ou o ranger do assoalho antigo, não é o dia apropriado.

O acúmulo de pessoas no guarda-volumes deve-se à observância do limite estabelecido pelo museu  quanto ao tamanho de bolsas e sacolas.

Caso seus pertences não caibam em uma bolsa de tamanho idêntico ao que você vê na foto, não entrará no museu. Daí, istepô, o guarda-volumes é a única saída.

Acima: o espaço térreo que une os dois prédios e onde você encontra restaurante, loja de souvenirs  e de objetos para uso pessoal e decorativos -, e banheiros.

O banco skate, certamente, será um destaque em sua decoração. 

As cadeira e mesinha LP serão outro. O banquinho que se vê atrás das cadeiras é côncavo e pode acomodar muito bem um tundá. É super confortável.

A floresta exposta em vários tipos de madeira e espécies de árvores, beeem rendilhadas, chama atenção pelo belo trabalho e impacta pela originalidade…

…bem como os modelos de bandeja e vasos em cerâmica.

Nesta loja, destacam-se bancos como jamais vi; do modelo abaixo,  de Chico Fortunato, fazem parte: 1 tábua para cortar carne, 4 rolos para abrir massas, 1 socador de alho e 3 colheres de pau.

Descanso do Chef é o nome da obra.

A mesinha Phosphoro da Desfiacoco é fabricada com outras estampas, incluindo a antiga marca Pinheiro.

A madeira ganha leveza nesses pássaros que poderão voar à vontade sobre um aparador. Lindos!

A meu ver, a boutique do térreo é outra exposição de obras de arte e é interessante esclarecer que todos os trabalhos são assinados.
Lá você encontra roupas, bolsas, móveis, utilidades para casa, objetos de decoração, bijuterias.
Não poderiam faltar os porta-copos coloridos, estampados com desenhos Primitivistas ou Contemporâneos de cenas cariocas, ou com fotos em preto e branco do Rio antigo ou atual.

Um pouco mais de PRAÇA MAUÁ:
Os motivos para a demolição do Elevado da Perimetral, que encobria inteiramente a Avenida Rodrigues Alves, estão muito bem relatados no site que apresenta o Porto Maravilha.

Não encarei o discurso como se fosse uma justificativa, mas uma questão de lógica. O site vale à pena ser lido para que entendamos os novos conceitos de mobilidade urbana e valorização de áreas degradadas durante anos a fio pela construção de elevados.
Essa remodelação que desnudou o Centro do Rio, sob ótica positiva, serviu para mostrá-lo ainda mais belo e ensolarado.

VISITAS GUIADAS
pelas atrações deste novo Rio de Janeiro antigo – Cais do Valongo, Pedra do Sal, Largo do Depósito etc -, clique aqui.

Como carioca, agradeço e espero que dure.

4 comentários em “BRASIL, Rio de Janeiro, RJ: Restaurante Mauá e MAR – Museu de Arte do Rio”

  1. Amiga, mais uma vez encantado com sua experiência! Aumentou ainda mais a minha vontade de conhecer o centro do Rio revitalizado! Parabéns mais uma vez!

    Curtir

    1. Olá, amigo! Boa tarde!

      Eu é que lhe sou grata pelos comentários, Rodrigo.
      Realmente, o Rio de Janeiro está mais bonito no Centro da cidade. Inegavelmente. A revitalização é de tal maneira atraente, que CASA COR está inaugurando amanhã, sua exposição anual em um prédio recém construído na zona portuária.
      O restaurante Mauá é fantástico para quem gosta de culinária exótica e o Museu do Amanhã é indescritível por sua proposta. Confesso que me emocionei ao chegar ao final.
      Agora, o MAR… não está prá peixe. Decepcionou bastante e por isso aconselho o visitante a consultar a programação com antecedência. O MAR é para “dar uma passada lá já que estou aqui”, entende?
      Aguardamos sua visita. Seja bem-vindo!
      Abraço da amiga Marilia.

      Curtir

    1. Deixou a desejar em tudo. De todo o MAR, escaparam essas três fotos, o restaurante e a lojinha.
      Por isso é aconselhável verificar com antecedência a agenda do museu. Caso contrário, poderá dar com os burros n’água como nós.
      Bjks, amiga e muito obrigada.

      Curtir

Deixe seu palpite!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s