BRASIL. ROTA DAS EMOÇÕES com PAULO OFF-ROAD JERI.(5º Dia: Piauí e Maranhão. De Luiz Correia, Pi – Carnaubinha Praia Resort – à Barreirinhas, Ma.)


IMAGEM DESTACADA: Por do Sol visto do Carnaubinha Praia Resort em Luis Correia, PI.

Endereço: Rodovia PI 315 Km 03 Luís Correia, Piauí 64220-000 Brasil(86)
9-9997-2958/(86) 3323-4068/ (86) 9-8144-7860.
 reservas@carnaubinhapraiaresort.com

COMO CHEGAR (pela Rota das Emoções) PARTINDO DE JERICOACOARA

NOSSO ROTEIRO

5º DIA na ROTA: De Luiz CorreiaPiCarnaubinha Praia Resort – à Barreirinhas, Ma.

Foi pensando neste trajeto rápido (apenas 3 h 40 m) que Paulo (Off-Road Jeri – contato no topo da página) sugeriu que passássemos antes pelo Lago Grande, em Tatajuba, a fim de nos refrescar, almoçar e depois seguir viagem. Já conhecíamos a região, mas não este resort fantástico.

Devidamente identificados na recepção, tivemos a primeira surpresa: fomos conduzidos até nossos aposentos em um carrinho de golfe, tipo daqueles utilizados nos aeroportos. Este era bem maior, muito mais confortável, limpo, e conservadíssimo.
Os prédios de apartamentos ficam afastados da entrada e por isso empregam esses carros. Conforto é sempre bem-vindo.

A recepção do hotel é muito espaçosa e não é para menos: há uma boutique que oferece roupas confortáveis, artigos de praia (bonés, chapéus, bolsas, calções, maiôs…), e outra que trabalha com objetos de decoração. Um estar ocupa o meio do salão.

Como chegamos no final da tarde, deixamos nossa pequena bagagem no quarto e saímos para dar uma olhada na propriedade.

O hotel de estilo asiático – nada a ver com China e Japão -, faz a linha rústica, mas chique.
Está localizado na beira do mar, longe de comércios ou qualquer tipo de habitação, mas isso não passa de mero detalhe.
O hotel foi construído em área isolada e faz o maior sucesso. Como não fazer?

Quartos espaçosos, colchões confortáveis e travesseiros idem.
Ar condicionado silencioso, funcionando perfeitamente. Tv, frigobar.

Importante: lugar para as duas malas não faltou. Normalmente os hotéis preparam lugar para apenas uma mala, o que nos obriga a usar de criatividade para improvisar outro apoio. Quanto a nós dois (as outras duas malas), lugar não faltou: ajeitamo-nos na confortável cama.

Banheiro espaçoso, chuveiro potente – ah!…, que maravilha!

Todos os quartos contam com ampla varanda e alguns têm vista para o mar. Em cada uma há um sofá rústico de três lugares. Tudo no hotel é farto.

 

O edifício em que nos alojaram era bem próximo à praia. Excelente!
À direita há um ponto de vista de onde se vislumbra bela paisagem.

CRIANÇA!, SEU PARAÍSO É AQUI!

Os proprietários foram inteligentíssimos e lhes digo o porquê: salvo a praia, óbvio, e a piscina com bar para adultos, o que existe em matéria de diversão é inteiramente dedicado às crianças.
Na foto abaixo está o parque aquático infantil. Nesta parte do hotel a ludicidade é exacerbada e não para por aí. No dia seguinte, aí sim, procuramos conhecer melhor esse parque de diversões.

Próximo ao parque aquático, um gazebo convida o hóspede ao relaxamento. Palavras de incentivo citam exemplos bíblicos bem conhecidos.

Cenário pronto para fazer bonito em qualquer foto. Abaixo, os banheiros que atendem ao parque aquático infantil & adjacências.

O parque aquático infantil visto sob outro ângulo.
No portal para o mar a Primavera é constante.
Nos coqueiros, mais ludicidade nos falsos e imensos côcos.

E quando chega o fim da tarde, a natureza oferece um de seus espetáculos mais belos…

Até na praia a administração deu a dica para o respeito pela natureza:  descartes de lixo, por favor, dentro da cesta pendurada na carnaubeira. Lixeiras desse tipo foram distribuídas em toda a propriedade.

Tecnologia e praticidade: um simples toque na maçaneta substitui os lembretes de “Não Perturbe” fabricados em papel.

Quando chega a noite, a iluminação do hotel parece nos avisar de que a qualquer momento uma grande festa irá acontecer.

O RESTAURANTE BALEEIRO
é bem considerado e não é à toa. Está aberto ao público e não apenas aos hóspedes.
O cardápio nacional é rico em culinária típica: inclui entradas, pratos de vários tipos de carnes, sobremesas diversas e bebidas variadas. Preços convidativos chamaram-me a atenção pelo seguinte: a administração poderia ter-se valido da condição de isolamento do hotel para praticar preços altos, mas não é o caso. Há um velho dito popular que diz que “quem não tem competência não se estabelece”; aqui, temos exatamente um exemplo do que é ser um visionário e estar pronto para reger uma orquestra como essa.
Pormenores como esses é que atraem o consumidor e que fazem a grande diferença. Fiquei fã.

O portal acompanha a altura excepcional do pé direito. Impõe respeito e confere certo poderio ao ambiente que, mesmo assim, conserva seu ar descontraído.
Unhas de caranguejo quentinhas e saborosas abriram nossos trabalhos.
Mais caranguejo na farofa caprichada nos temperinhos. Do jeito que gostamos.
Paulo optou pelo prato infantil, igualmente super caprichado.
Eu e meu fiel escudeiro escolhemos camarão acebolado com palmito e champignons, acompanhado por batatas portuguesas gratinadas. E o arroz? Tudo mui-to-bom!

NO DIA SEGUINTE
tivemos tempo suficiente para explorar o hotel.

A passarela que leva à praia.

O parque aquático infantil visto sob a luz do sol da manhã.
Uma pequena parte da praia em frente ao hotel é rica de recifes. A vantagem é que formam piscinas onde podemos nos banhar tranquilamente até na maré baixa.
O resort visto da praia.

À direita, o prédio onde fica o restaurante e um estar bem ventilado e com vista para o mar (abaixo). No centro da foto acima, o guarda-sol protege o bar no centro da piscina.
O estar com vista para o mar.

O DESLUMBRANTE CAFÉ MATINAL que dispensa qualquer comentário.

O bar do restaurante.
Um porta-aviões serve de mesa para algumas das iguarias servidas no café da manhã.
Frios e os iogurtes para as crianças não são colocados no porta-aviões…
…bem como frutas e saladas de frutas.
Em frente a cada jarra está o nome do suco escrito em uma concha.
“Um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar” – palavras proferidas pelo personagem Dr. Teodoro Madureira, interpretado por Mauro Mendonça no filme Dona Flor…

PAISAGEM 360º
O hotel conta com um mirante que visitamos após o café da manhã. Uma visão nada mal para começar o dia.

O hotel dispõe até de uma tirolesa. Não é não muito extensa, mas para quem aprecia a diversão pode repetir a dose quantas vezes quiser.

No mesmo prédio onde fixaram o cabo para a tirolesa ficam essas mesas para quem aprecia esses tipos de passa-tempo.

HOTEL OU PARQUE DE DIVERSÕES PARA AS CRIANÇAS?
O parque aquático infantil havia nos chamado atenção; só não podíamos imaginar que o investimento do hotel em instalações destinadas às atividades infantis fosse tão expressiva.
Confira: em um dos prédios o resort construiu mini passarelas semelhantes às utilizadas no arvorismo (não confundir com arborismo).
Muita sombra e piso de areia são medidas garantidoras de que os pequenos não sofrerão com queimaduras solares e que um pequeno tombo poderá virar brincadeira. Crianças surpreendem.

BRINQUEDOTECA
Em outro compartimento deste prédio, mesinhas, cadeiras, bichinhos de pelúcia, jogos, biblioteca, TV e até um palco com cortina! estão à disposição dos pequenos. Já imaginou, que deste palco poderá sair um grande artista? Tudo é possível.
Entendi que o hotel destacou uma funcionária só para observar as crianças enquanto estão em plena atividade. Essa pessoinha simpática estava grávida quando lá estivemos; encontramo-la ao visitarmos esta sala que por mais que procure um adjetivo para definí-la, não consigo. O ambiente nos surpreendeu e fascinou. É hipnótico!
Foi muito bom esse encontro, porque a jovem, com toda presteza, abriu-nos literalmente todas as porta das demais dependências dedicadas às crianças.

Para os intelectuais em potencial que não dispensam um bom livro, há uma pequena biblioteca pendurada na parede, e ainda um aparelho de TV que me pareceu, ao analisar a foto, estar ligado a uma câmera que transmite a apresentação dos artistas.
Papel e lápis de cor também não faltam, bem como massa para modelar.

O Carnaubinha não fez por menos: pensou desde os recém-nascidos aos mais crescidinhos. Esta cozinha foi montada nos mínimos detalhes para que as mães preparem mamadeiras, papinhas, sopas e outros tipos de refeições para seus filhotes.

Neste canto, longe da alegria da criançada mais “independente”, há uma poltrona para que as mamães possam amamentar seus bebês com tranquilidade. Até nisso os proprietários do resort pensaram. Nunca vi nada igual!

Neste outro cômodo há um fraldário, uma caixa de medicamentos e…

…para a turminha da fralda que ainda necessita de cuidados contínuos, o hotel preparou outro cantinho no fraldário com uma banheirinha, chuveiro e ducha. Que hotel pensa nisso? Que eu saiba, esse é o único.

Do lado de fora da brinquedoteca começa a recreação: a gurizada pode acessar seu Paraíso aos pulos. Para eles, certamente, o Céu não termina após o número 10 da amarelinha, mas está, também, a alguns passos mais à frente: basta passar por uma porta.

ANTES DE DEIXARMOS O HOTEL
tivemos tempo para tomar um banho relaxante nas piscinas naturais formadas pelos corais.
Na areia há uma marcação em relevo para alertar os banhistas para o óbvio: durante a maré cheia essa marca não deverá ser ultrapassada.

Outro detalhe que nos chamou atenção foi o aparelho para descer pessoas com dificuldades de locomoção até a piscina. O respeito é a tônica do Carnaubinha.

Estacionamento extenso. Na foto aparece 1/3 dos abrigos cobertos.

A ÚLTIMA ETAPA DO DIA
Entramos no carro e seguimos rumo à Barreirinhas.
No caminho, Paulo parou o carro ao lado desses rapazes movido por uma curiosidade: quanto custaria a dúzia de caranguejos vivos?
Resposta: módicos R$5,00 (cinco reais). Sem comentários.

Meio dia e quinze deixamos o resort. Às 13.53 h paramos nessa localidade para almoçar: Pousada e Churrascaria Costa’s, na localidade de Cana-Brava, no município de Água Doce do Maranhão (desmembrado de Araioses desde 10/11/1994).
Fica à margem da MA-024, nº 123 – Atendimento 24 horas.

Tanque onde os proprietários criam algumas espécies bem conhecidas de pescados.

Galinhas, patos, marrecos, perus e peixes são criados na propriedade. Camarões também aparecem no cardápio, mas não posso afirmar que sejam cria da casa.

O tambaqui assado na brasa foi acompanhado por uma porção de baião-dois, farofa e molho à campanha. Nem preciso dizer que estava ótimo.

Neste trecho em que viajamos no dia 10/9/2018, o que mais me impressionou foi nossa passagem pelo que imaginei serem os Pequenos Lençóis.
Em postagem anterior esclareci que a Rota das Emoções não é novidade para nós, que já a percorremos por inteiro uma vez (esta foi a terceira, porém, parcialmente) trafegando literalmente pela beira do mar sempre que possível.
A novidade é a estrada MA-315, ainda sendo pavimentada, que liga Paulino Neves à Barreirinhas. São 36 km apenas que, apesar dos trechos ainda sem asfalto ou lajotas, facilitam a vida de quem busca recursos em Barreirinhas, principalmente médicos.
Até o início da construção dessa estrada pelo Governo do Maranhão – que obteve parceria da empresa de energia eólica Ômega –, o percurso era coberto em 3 horas; agora, o motorista dispende de 30 a 40 minutos.
A abertura da MA-315, que na verdade vai de Barreirinhas à Tutoia, será o início de muito progresso para todas regiões abrangidas pela rodovia, que corta uma ponta dos Grandes Lençóis e não dos Pequenos conforme citei acima.

Ponte sobre o Rio Novo, em Paulino Neves, inaugurada em 13/10/2017 para felicidade geral dos moradores locais e adjacências.

Repito: esse trecho da estrada passa por uma “beirada” dos Grandes Lençóis. Pela altura das dunas, não imaginei que estivéssemos atravessando aquele que é considerado como um dos cartões postais mais belos do mundo, mas era lá mesmo que estávamos. Desta vez fizemos o percurso em um veículo de passeio e não à borda de um dos buggys (eram 5) utilizados em 2008 – grande e inesquecível emoção. Clique aqui e assista ao curtíssimo vídeo só para você ter uma idéia – ou duas idéias…; ou três…, ou…

Paisagem que margeia a novíssima MA-315.

A cada curva, um clique. Literalmente.

Logo chegamos à Barreirinhas onde nos hospedamos na decepcionante Pousada d’Areia.

BARREIRINHAS
continua cada vez mais movimentada e que me desculpem os barreirinhenses, – cada vez mais feia, mal conservada, com trânsito tumultuado onde ninguém respeita nada e cada um faz sua própria lei. Um horror!
Obtivemos uma informação muito interessante de um comerciante: disse-nos ele que não faz muito tempo houve um prefeito que tentou arrumar a muvuca. Cobrou multas dos motociclistas que trafegassem sem capacete, proibiu isso, multou aquilo, fez o possível e o impossível para aplicar as leis, mas foi considerado um algoz e não obteve apoio. Imagine! Obrigar motoqueiros a usarem capacetes?! Que absurdo! Pois bem. O prefeito cumpriu seu mandato, mas, evidentemente, não foi reeleito. Imaginem se seria!…E como era de se esperar, elegeram para seu lugar uma criatura de deixa tudo rolar solto. Esse é que é o bom! Êita nois!
Atravessar a rua é um caso sério se você estiver no Centro, nas proximidades do cais.
O transeunte fica tonto de tanto balançar a cabeça para um lado e para outro até encontrar uma brecha entre carros, jardineiras, quadriciclos, motos, bicicletas, caminhões e o que mais o capeta mandar.
Sinal de trânsito é apenas um acessório que penduraram em determinados lugares, mas ninguém sabe prá quê.

HOTÉIS e POUSADAS
A cidade dispõe de excelentes hotéis e pousadas, mas esses  estão afastados do Centro.
Alguns desses estrelados foram construídos na margem do rio a fim de tirar partido, evidentemente, das águas tranquilas do Rio Preguiças. Piscinas também não faltam nesses alojamentos.
Algumas dessas hospedagens contam com condução própria e estabelecem horários para buscar seus hóspedes no Centrinho.
Em 2010 duas amigas eram obrigadas a deixar para trás a melhor hora da animação no cais, por conta desse compromisso.
Ambas estavam hospedadas em uma pousada que ficava afastada do pier a aproximadamente 5 minutos de viagem de barco.  Entretanto, se não estivessem no lugar e  hora marcados, ficavam sem condução.
Nestas situações, caso a pessoa queira permanecer por mais tempo no Centro,  dependerá de um táxi ou um barco para retornar ao hotel.
Na muvuca – quero dizer: o Centro fora do cais -, há apenas poucas opções de hospedagem. Uma delas, a Pousada d’Areia, já foi recomendável, mas deixou bastante a desejar e depois explico o porquê.
Paulo nos recomendou a Pousada do Buriti, igualmente no Centro, mas não encontramos disponibilidade para a época desejada.

AS NOVIDADES
De novidade, em 5 anos, encontramos um Café muito bem montado, o Divino, onde estivemos algumas vezes nos quatro dias em que permanecemos naquela atarantação, mais três lojas na Avenida Beira-Rio, um restaurante chamado A Canoa, e mais outro ao lado do Barlavento (nosso preferido), o Bambu, que oferece excelentes opções no cardápio.
Modificações mínimas, mesmo sem compararmos com a evolução assustadora de Jericoacoara neste mesmo espaço de tempo.
Esse prédio da foto abaixo é uma das novidades.


O Divino faz jus ao nome: não serve apenas um excelente café – oferecem refeições rápidas, sucos, água mineral, refrigerantes, chocolate quente, sanduíches e mais alguma coisa.
O atendimento é muito simpático e atencioso e não apenas por isso vive cheio. Recomendo.

No Barlavento, nosso restaurante predileto, fomos algumas vezes para jantar e almoçar.
Em uma noite apenas o traímos e fomos bisbilhotar o cardápio do Bambu. Convidativo. Ficamos para jantar e gostamos muito. Também recomendamos. É vizinho do nosso querido Barlavento.

Badejo com molho de maracujá, arroz e batatas – dizer que estavam apetitosos é pouco.

Dia seguinte fomos rever, na parte da tarde, as Lagoas do Paraíso e Azul.
Nós dois e mais duas senhoras optamos por ficar na primeira enquanto os demais visitavam a segunda; mas, houve outra senhora que não aguentou caminhar, voltou e juntou-se à nós. Batemos longos papos dentro da lagoa e rimos muito. Valeu termos ficado relaxando e nos divertindo naquela maravilha que só a chuva é capaz de proporcionar.

AVISO AOS NAVEGANTES!
Algumas empresas de turismo ao anunciarem os passeios para as lagoas, omitem um grande detalhe que pode frustrar o turista de primeira viagem que pensa, coitado, que vai assistir ao Por-do-Sol de uma das dunas. Não vai.
Acontece que só uma balsa! costuma fazer a travessia do Rio Preguiças tanto na ida quanto na volta.
Como o número de Toyotas (jardineiras) é muito grande, quem não sair da área das lagoas rapidinho vai mofar com as pombas na balaia por horas!!! na fila da balsa. Isto significa que o turista não tem condições de calcular a que horas estará de volta a seu hotel.
Acho que você já entendeu onde pretendo chegar: isso mesmo! Beeemmm antes do término do programa anunciado, o por-do-sol, alguns guias são orientados para convidar seus passageiros a se retirarem do cartão-postal bem antes do tão aguardado espetáculo.
Nessa hora todos aceleram o passo e descem as dunas que é u’a maravilha. Conseguimos concretizar a façanha, mas mesmo assim ocupamos o terceiro lugar na fila de jardineiras que aguardava a travessia. E mais: já era noite quando chegamos à beira do rio.
Eram aproximadamente 20.00 horas quando entramos no Centro de Barreirinhas. Portanto, istepô, seja esperto e não caia nessa.
Há horário para esse passeio pela manhã, mas à tarde faz menos calor; a escolha é sua.
Agora… quer saber? Mesmo caindo nessa esparrela, terá valido à pena. Podes crer, amizade.

RESUMO: Barreirinhas é apenas a porta de entrada para os belíssimos e emocionantes Lençóis Maranhenses. Nada mais.

1º DIA na ROTA: De Fortaleza à Jericoacoara.
2º DIA na ROTA: Lagoas do Paraíso e Azul.
3º DIA na ROTA: Andanças Por Jericoacoara.
4º DIA na ROTA: Carnaubinha Praia Resort em Luiz Correia, PI.
6º DIA na ROTA: Barreirinhas e Circuito Lagoa Azul.

“Já estive aqui antes e voltarei outra vez, mas não terminarei esta viagem.” – Ziggy Marley.

 

*****

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe seu palpite!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Experiências em Viagens/ Dicas

%d blogueiros gostam disto: