BRASIL, MARANHÃO, MA – Barreirinhas: A Decepcionante e Mal Cuidada Pousada d’Areia.


IMAGEM DESTACADA: Placa da Pousada (para não deixar o item em branco)

Em 2010 tratava-se de uma pousada simples, mas muito boa e confortável para os padrões da época: quartos grandes, bons colchões e travesseiros, varanda com rede, bom café da manhã.
Um prédio estava sendo construído perpendicularmente àquele em que estávamos, mas não incomodava. Ficamos em um quarto no primeiro andar, servido por escadas. Naquela época, não havia necessidade de elevador.
A pousada tinha boa aparência e era limpa; a entrada era pela rua principal, em frente à duna. Melhor ponto, impossível.

Em agosto de 2018
encontramos o panorama totalmente modificado: outro prédio foi construído onde antigamente era a recepção; por ser bem mais alto que os demais, a colocação de um elevador foi necessária.

O QUARTO
que nos destinaram foi decepcionante: sem colcha, mesas de cabeceira sem um abajur,  iluminação precária, tecido grosseiro ( corta-luz) fazendo as vezes de cortinas, lixeira sem tampa no banheiro e toalheiro despencado que só após 3 reclamações concertaram-no decentemente. E o café da manhã, servido no mesmo lugar e com os mesmos ingredientes de 2010, continuava simples, mas bom.

Cabides de arame de baixíssima qualidade (e tortos) disputavam a péssima qualidade com aqueles antigos (e nojentos) de madeira em um cabideiro na entrada do quarto.

A varanda não foi limpa uma vez sequer em quatro pernoites. Culpa de quem? Da duna localizada do outro lado da rua. Duna porca, essa…

A exceção da regra: enquanto o horário normal de saída dos quartos dos hotéis costuma ser às 12.00 horas, a Pousada d’Areia não admite passar 1 minuto após 11.30 horas! A meu ver, um absurdo sem tamanho, inda mais pela qualidade da pousada.

Na foto, a duna culpada pela sujeiras das varandas dos apartamentos de frente prá rua.

 

Frigobar sem absolutamente nada dentro. Pelo andar da carruagem, entendemos que o controle do refrigerador implicaria em mais trabalho para algum funcionário. As geladeiras ficam na recepção.
O copo de plástico com que municiam os quartos acompanha a falta de qualidade dos cabides, da lixeira do banheiro, da falta de colcha na cama etc. – era o mais ordinário possível.
Para podermos tomar água e o dito cujo não dobrar, chegamos a colocar um dentro do outro, mas não deu certo. Para não corrermos risco de perder a água, optamos por bebê-la na garrafa.

O relaxamento é visível em todo o hoel: os canteiros próximos à recepção, que poderiam ser bem tratados, acumulam sobras de obra.
No prédio novo vimos grossos  furos nas paredes gerados por furadeiras, mas não emassados. Ou seja: prédio novo com elevador, coisa e tal, mas já revelando relaxamento.

Os proprietários continuam simpáticos, amáveis e receptivos, mas não cuidam mais de sua pousada como antes. É lastimável.
O ponto é excelente! Fosse a pousada bem cuidada, bem arrumada (o que não significa luxo, de maneira alguma!) e equipada com roupas de cama e banho de boa qualidade, cortinas e colchas decentes, seus hóspedes estariam acomodados em quartos que fariam jus ao preço da diária cobrado.  Mas… deixa muito a desejar.
Não recomendo. É preferível ficar em hotéis afastados do Centro, e depender de condução.

“É melhor dormir na chuva, que debaixo de um lençol que não nos entenda” – Autor desconhecido.



*****

 

 

 

 

 

 

Deixe seu palpite!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s