Arquivo da categoria: BUENOS AIRES

ARGENTINA, AR: Pátio Quinquela, em LA BOCA.


IMAGEM em DESTAQUE: Fachada da Galeria.

QUINQUELA
A galeria homenageia um pintor autodidata de nome Benito Juan Martín. Recém nascido, foi abandonado pela mãe e levado a um orfanato por onde permaneceu por 7 anos, até ser adotado pela família Chinchella.
É um dos pintores mais conhecidos da Argentina.

A GALERIA
Trata-se de mais uma opção de compras na Magallanes, a rua do buchincho do Bairro La Boca.
Lugar agradabilíssimo, aconchegante, comércio organizado, tranquilo e com opção para você matar a sede ou tomar um cafezinho enquanto aguarda a patroa aparecer cheia de sacolas e sua carteira vazia.

Detalhe: bancos para os quem preferem ficar distante das compras, aproveitar para bater um bom papo com um amigo ou permanecer em silêncio, descansando.

No final da avenida, na parte coberta, mais opções para passar seu cartão de crédito.
Já havíamos caminhado bastante, visto muito coisa. Daí chega um momento em que o cansaço domina, a paciência acaba e não me deixo atrair mais por qualquer preço convidativo. Foi o caso.

Cunhada e sobrinha encontraram forças para dar uma volta no ambiente, mas não viram nada que lhes chamasse atenção.

O centro de compras é pequeno, o que favorece a busca pelo objeto desejado. É muuuiiito agradável.
Para ser franca, entrei porque o pátio me conquistou pela aparência assim que passei pela porta.
Vale a visita mesmo que você não esteja disposto a comprar nada.

*****

ARGENTINA, AR: Restaurante EL GRAN PARAÍSO, no Bairro La Boca.-


IMAGEM em DESTAQUE: Quintal do Restaurante.


Melhor informando: o Paraíso localiza-se na rua Gal José Garibaldi, entre as ruas Gal Gregório Araóz de Lamadrid e Magallanes.

A entrada do restaurante fica em frente à antiga linha de trem em um conventilho datado de 1890.
Não está no buchincho do bairro La Boca – que em minha opinião nada modesta resume-se à rua Magallanes -, mas atrai muita clientela e por isso fiz reservas aqui do Rio.
Uma respeitável churrasqueira e uma grelha dão as boas vindas e mostram o que poderá estar em seu prato em poucos minutos.
Confesso que achei muito esquisito entrar e ser surpreendida por esse panorama que se vê abaixo – além de um fumacê danado que tivemos que atravessar – até chegarmos ao quintal.
Por outro lado, para chamar atenção, principalmente de quem come com os olhos, a estratégia merece aplausos. E mais: o aroma do churrasco vai longe, além “da-queee-la!” fumaça. Basta seguí-los.

Passado o impacto da entrada – observe o fumacê -, nos deparamos com um salão coberto, à esquerda, muito bem arrumado…

… e aí, sim, vem o quintal – um convite ao bem estar em seu sentido mais amplo.
O atendimento foi muito bom. A jovem senhora que nos atendeu desdobrou-se em sua função, além de revelar-se pessoa apreciadora de humor negro.
O frango que pedi estava cru. Chamei-a, claro, para que o levasse novamente para o braseiro, blá, blá, blá… Ela olhou para o prato e exclamou em bom som: – Nossa! Está vivo!
Nessa de aguardar que o frango voltasse morto e bem passado conforme solicitei, acabei ficando prá trás e saí da harmonia do grupo.

A DECORAÇÃO
Aquelas peças que normalmente são descartadas em uma casa, transformaram-se em originais detalhes da decoração do jardim. Neste canteiro na foto aqui de baixo só faltou o vaso sanitário.

Um pé de máquina de costura foi transformado em mesa e serve como aparador.
Até uma atração turística há no quintal. Idéia genial.

PREPARE-SE!
É preciso estar com a carteira municiada com pesos, reais, dólares ou euros para pagar sua conta.
De acordo com um aviso acanhado que se vê ao pé da primeira página do cardápio, em março de 2018 o restaurante só estava aceitando pagamento em dinheiro.
Gostaria de saber o que acontece com quem sai com pouca grana no bolso, confiante de que pagará sua conta com o cartão de crédito. Neste caso, terá que desistir do programa?
E aquele que abre o cardápio aleatoriamente, sai procurando a página onde está o que pretende comer – carnes, por exemplo -, e fecha o menu sem tomar conhecimento de mais nada?
Convidou amigos e família para almoçar fora…, a turma come e bebe fartamente… E agora?
Lavar louça prá pagar a conta? Pendurar relógio? Deixar celular como garantia? Como fica? Me engana que eu gosto.

Mas as surpresas não param por aí; essa da foto abaixo achei interessante: um aviso que previne que o cliente pode não ser atendido. Cardápio sincero, esse!…

O BOM HUMOR TAMBÉM BROTA NO PÁTIO
A procedência do ar que se respira no quintal foi demonstrada de maneira criativa em um sistema 3D inédito. A-mei!

Vira e mexe o cliente se depara com uma situação risível como esta.

O CARDÁPIO,
para mim, deixou a desejar pelo motivo já exposto. Quem pediu carne bovina ou cordeiro ficou satisfeito.

A fraldinha (chuletão) veio no ponto certo.
O prato de Chouriço também agradou.
Papas Fugazzetas – Batatas fritas servidas com ovos mexidos, queijo e cebola caramelizada. Há outras sugestões bem interessantes.
O frango que por muito pouco não bateu asas e voou do meu prato.

Sugestões para sobremesa não escapam da criatividade: estão pintadas em placas penduradas nas paredes.

A lenha (ou parte dela) que não está armazenada próxima à churrasqueira, acaba sendo destaque na decoração.


O CARDÁPIO
Há opções bem interessantes para abrir os trabalhos – petiscar.
Os pratos de carne vermelha e choriço sugeridos parecem apetitosos e as opções para acompanhamentos também: saladas e batatas podem vir para sua mesa de maneira bem simples ou incrementadas.
As porções de carne são para 1, 2 e até 3 pessoas.
Para quem não aprecia nenhum tipo de carne há provoletas – pratos elaborados com queijo provolone.
Para conhecer a variedade de opções do menu basta clicar aqui.

Sem considerar aquele frango que veio sangrando, agonizante para meu prato, indico o restaurante.

*****

 

ARGENTINA, AR: Calle Magallanes – A Rua Mais Animada Do Bairro La Boca.


IMAGEM DESTACADA: Conventilho visto do Centro Cultural de Los Artistas.

LA BOCA
era sinônimo de Camiñito, sua mais famosa rua.
Nem o estádio de futebol conhecido como La Bombonera, em minha opinião nada modesta,  Continuar lendo ARGENTINA, AR: Calle Magallanes – A Rua Mais Animada Do Bairro La Boca.

ARGENTINA, AR: Caminito – Uma das Ruas Mais Famosas de Buenos Aires.


IMAGEM DESTACADA: Conventilhos do Bairro La Boca.

Ao contrário do que algumas pessoas pensam, Caminito não se trata de um bairro argentino, mas de uma famosa rua do bairro La Boca, contornado pelo rio Matanza.
O bairro abriga ainda o famoso estádio de futebol conhecido como La Bombonera – do Boca Juniors -, o Museu de Belas Artes Benito Quinquela Martín, e, ao lado deste, o Teatro de La Ribera.

CAMINITO
Uma das pontas desta rua fica em um largo chamado La Vuelta de Rocha e a outra na Gal. Gregório Araóz Delamadrid.

Homenagem aos marinheiros na VUELTA de ROCHA.

La Vuelta de Rocha trata-se de um largo que acompanha a curva do Rio Matanza. Neste lugar, em 1936, residia um fazendeiro e comerciante chamado Antonio Rocha – vem daí o nome do lugar.
Neste largo há um mastro muito interessante, bem composto por cesta de gávea e escadas.
Quantas vezes, no cinema, ou mesmo em história em quadrinhos, vimos piratas ou descobridores gritarem “Terra à Vista” de dentro de uma cesta dessas?

Do outro lado da calçada encontrei uma novidade que em outubro de 2011 ainda não estava lá : uma escultura fantástica executada com quadros de bicicleta pelo artista chinês Ai Weiwei produz vários efeitos óticos, dependendo do ângulo em que é observada.
A obra intitulada “Forever Bicycles“ mede 9 m de altura por 16 m de comprimento e conta com 1254 bicicletas de aço. Mais informações a respeito do artista e de suas obras, clicar aqui.
A Fundação Proa do Bairro La Boca inaugurou esta exposição em 25/10/2017 e estava com data de encerramento prevista para 25/02/2018. Imagino que deva ter feito muito sucesso; cliquei a foto em 24/3/2018 e a obra formidável ainda estava lá. Sorte nossa!

Em frente ao largo, fica o icônico prédio localizado nas esquinas das ruas Caminito e Magallanes.
Trata-se do edifício cuja parede colorida tem servido de cenário para fotos, filmagens e obras de arte dos artesão que expõem diariamente suas mercadorias na famosa rua.

Um pouco mais adiante o cenário muda radicalmente, mas mesmo assim não é menos interessante: são os conventilhos – tipo de habitação que conhecemos como cortiço, cabeça de porco ou casa de cômodos – em que muitas pessoas habitam o mesmo compartimento de uma casa.
Nesses ambientes as condições de higiene costumavam ser precárias.

Calle Camiñito esquina de Gal. Gregório Araóz Delamadrid.
Personalidades argentinas acenam de um balcão na Gal. Gregório Araóz Delamadrid.

Os conventilhos surgiram por conta do excesso de imigrantes e a falta de lugar onde alojá-los.
Exagerado número de pessoas eram colocadas em cubículos onde não havia nem ar e nem luz. A superlotação foi a origem para muitas enfermidades tais quais tuberculose e cólera. Espaços para 50 pessoas eram ocupados por 200.
Tintas que sobravam de pintura de barcos e navios eram utilizadas para pintar paredes. Este colorido foi conservado até hoje e,  felizmente, com objetivos bem distintos daqueles vividos entre 1895 e 1914.
Banheiros, banhos, como dormiam e cozinhavam, você poderá saber em pormenores  clicando aqui. Triste história.

Abaixo, um exemplo de conventilho na Gal. Gregório Aráoz de Lamadrid,  bem melhorado em aparência. Os conventilhos conservados são aqueles que abrigam comércio. Os demais, utilizados como residência, deixam a desejar em aparência.

Nesta parte do bairro há comércio abundante. Muitas peças originais para decoração e para uso diário estão por toda parte. Deixar-se atrair pelo que se vê de imediato é trair seu próprio bolso – cuidado! Os preços mais altos costumam ser os das lojas mais próximas aos pontos extremos da Camiñito: imediações da Vuelta de Rocha ou da Gal. Gregório Araóz Delamadrid. Pesquise muito antes de comprar qualquer coisa.

Rua General José Garibaldi
Esquina das ruas Gal. José Garibaldi com Gal. Gregório Aráoz Lamadrid.
Gal. Gregório Aráoz Lamadrid.

Nesta galeria mostrada na foto acima encontramos preços bem convidativos logo na primeira loja à direita. Um pouco mais para o meio, à esquerda, os preços eram arredondados pelo vendedor – um jovem senhor muito simpático que discursava a respeito das mercadorias com uma capacidade de convencimento como raramente se vê. O esperto vendia bolsas de modelos muito diferentes que os da vizinhança. Neste caso, se você for consumista assim como eu, pergunte-se imediatamente se o preço valerá o uso que fará da peça. Normalmente, desisto.

O MOVIMENTO
do bairro aumentou muito de 2016 para 2018. Restaurantes ampliaram suas instalações mobiliando ruas com mesas, cadeiras, todos, cercados, vasos de plantas, iluminação especial, cartazes, enfim, tudo a que têm direito para chamar atenção.
Um deles deve atrair sulistas brasileiros pelo nome: Blumenau.

Como somos descendentes de catarinenses, meu irmão, curioso, quis conhecer o proprietário do restaurante. Pura decepção: o boneco que representa um Fritz até bem magrinho, e segurando um caneco de chopp, é apenas para atrair brasileiros – o proprietário é argentino.

1-  Bairro La Boca.



 

*****

 

 

 

ARGENTINA, AR: CALOTE! CUIDADO AO PAGAR SUA CONTA no CYAN RECOLETA HOTEL em BUENOS AIRES.


IMAGEM EM DESTAQUE: Recoleta, vista parcialmente do hall de elevadores do Cyan Recoleta Hotel.

O objetivo desta postagem é alertá-los, sem rodeios, para o fato desagradabilíssimo em que uma funcionária do Cyan Recoleta Hotel me envolveu em março último.

Dia 29/3/2018 tínhamos intenção de sair do hotel em torno de 10.00 h.
Pagaríamos nossa hospedagem e seguiríamos tranquilamente para o aeroporto. Trâmites de embarque, almoço, compras em free-shop… até a hora do embarque teríamos muito tempo.

O INÍCIO DO CALOTE
Aconteceu que ao pagarmos nossas despesas, a funcionária que trabalha na recepção do hotel, de nome Cele…. errou no cálculo e nos cobrou US$ 69,30 (sessenta e nove  dólares e trinta cents) a mais. Foi aí que começou o rolo!

Seria razoável, no mínimo, que o Sr. Emiliano M., intitulado FO Supervisor de Recepção, tivesse nos devolvido o valor cobrado a maior – em Reais ou Pesos, não nos importaríamos em que moeda fosse – e depois se acertasse com hotel. Mas, não!…
O que fez o  Supervisor? Como estávamos pagando as despesas com Cartão de Débito, e não houve como estornar a operação, o supervisor transferiu a responsabilidade deste pagamento para a operadora do cartãoCobraram a mais, não nos ressarciram do prejuízo, e ainda transferiram a obrigação deste pagamento para terceiros! Fácil, não?

O tempo passava. Já eram 12.35 h quando deixamos o Cyan Recoleta, sem receber um tostão, mas esperançosos de que o impasse fosse resolvido.
Qual o quê! Dias após, recebo do Sr. Emiliano M. mensagem de uma empresa chamada First Data,  afirmando que tratava-se da confirmação do crédito em minha conta-corrente.
Mentira! Na mensagem não havia meu nome como titular do crédito, nome do Banco a ser creditado, número de conta, nada.

FIRST DATA
A empresa é sediada em São Paulo. Liguei para lá, mas fui informada pela recepcionista de que não lidam com pessoas físicas. Orientou-me no sentido de me comunicar com o hotel e passar essa informação para o Sr. Emil….., que me retornou um e.mail alegando que o telefone de que dispõe está incapacitado de ligar para o Brasil…

“Marilia,

Eu tentei comunicar com first data brasil, mas nao e posivel conseguir a ligacao ja que meu numero de comercio somente corresponde a Argentina. Si voce tem um numero de contacto directo eu posso fazer uma ligacao, mas si é uma maquina a que responde nao posso fazer nada. Alem de isso, como eu falei antes o dinheiro do hotel ja saliu.
Saudacoes”
 A importância saiu do hotel, mas deve estar viajando por aí. Em minha conta nada foi creditado até hoje, 12/6/2018.

RESUMO DA ÓPERA: CALOTE!!!
Fomos lesados em US$ 69,30, e, a meu ver, a indiferença com que este único e incapaz funcionário está lidando com a situação seria a mesma, não importando o valor devido.
Até o momento não recebemos um tostão sequer!
O hotel é bem localizado, o café da manhã é bom, mas… cuidado na hora de pagar sua conta. Principalmente se a dupla Emil…. e Cel… estiver na recepção.

NB: Pertences que comprovam nossa presença no hotel.

E como dizia o gênio chamado Paulo de Tarso Carvalho (tive a honra de ser sua aluna), erro de “vai um” é fogo!

NOTA: Após o ressarcimento da importância que me é devida, a postagem será cancelada.

*****

 

ARGENTINA, AR – Bartola, Restaurante em Buenos Aires.


IMAGEM DESTACADA: Pintura Em Uma Das Paredes do Restaurante.

Estávamos hospedados no bairro Recoleta e, diariamente, passávamos pela porta do Bartola. À noite saíamos para jantar com o objetivo de conhecer o restaurante, mas o movimento era intenso e desistíamos de entrar.


Aconteceu que certo dia havíamos acabado de almoçar em um concorrente do Bartola e,  justo neste dia, passamos pela porta e o salão estava vazio – foi nossa oportunidade para conhecê-lo e entramos para tomar apenas um cafezinho.

O QUE SIGNIFICA BARTOLA?
A palavra deriva do espanhol e a tradução que mais combina com o ambiente do restaurante é “despreocupação”, embora haja definições bem diferentes. Caso tenha curiosidade, basta clicar aqui.

O SALÃO
A frente do prédio desperta curiosidade. Daí você entra e constata que o ambiente não decepciona e tem tudo a ver com aquela fachada atraente. Tudo chama atenção no Bartola e por isso pedi licença para bisbilhotar a casa e fotografá-la.
Mas antes aproveitei para dar uma olhada no cardápio e foi aí que entendi o porquê de o restaurante estar sempre lotado. Há comidinhas para todos os gostos e, pelas fotos postadas, a apresentação dos pratos não poderia ser mais bonita.

O salão é grande e a decoração varia à medida em que adentramos e nos aproximamos do jardim a céu aberto, localizado nos fundos.
Colunas de tijolos aparentes servem para marcar as diferenças nas padronagens utilizadas na parede – estamparias que primam por cores marcantes e festivas e que combinam com o colorido dos pratos apresentados no cardápio. Só vendo!..

O mobiliário é composto por peças de diversos estilos e cores, e a reciclagem não escapou deste contexto. Exemplo é o armário acima. Há luminárias de desenho bem simples e outras de modelos mais elaborados. Cada uma expande uma luminosidade diferente, de acordo com a lâmpada que se adéqua ao modelo. O efeito provocado é muito interessante.

Ao longo do restaurante não há um pedaço de parede que não chame atenção.

Nem o quintal perde em originalidade para o interior do Bartola: à noite ganha iluminação de velas em lamparinas e  fios de lâmpadas estrategicamente colocados, super decorativos em sua simplicidade.

Repito: os pratos apresentados no cardápio são bem decorados e me pareceram muito saborosos.
Para mim, vai ficar para a próxima; para vocês, fica a dica.

Ah! O atendimento para nosso humilde cafezinho foi excelente.

O ambiente do térreo é grande e o restaurante ainda conta com o andar superior, aonde ainda não estive.

Na decoração da entrada, o cartão de visitas da casa, de extremo bom gosto, chega a ser um convite ao relaxamento. Observem a beleza da composição! A expressão suave da jovem…, o passarinho…, fazem fundo à palmeira Areca e ao flamingo de cerâmica –  contraponto do agito que acontece à noite. E é justamente

embaixo desse painel que você poderá curtir bons momentos.

E ainda há a opção da calçada!
A isso chamo de múltipla escolha.

Para não se esquecer do nome Bartola, lembre-se de baitola. Trata-se da substituição de uma letrinha só, mas faz grande diferença: associação de idéias é tudo.

*****

 

 

 

ARGENTINA, AR – Bar EL FEDERAL, Decadente “NOTÁVEL” de Buenos Aires.


IMAGEM em DESTAQUE: Balcão do El Federal.

De 18/9/2011 a 27/3/2018 muita coisa mudou – e prá pior – no El Federal, bar incluído na relação dos 50 Notáveis de Buenos Aires.

O QUE SIGNIFICA SER UM “NOTÁVEL”?
Como o próprio nome sugere, são confeitarias, bilhares, bares e restaurantes da cidade, que ganharam destaque por algum motivo: pela arquitetura, pela história que acumulou com o passar dos anos, pela culinária, pelos frequentadores assíduos – personalidades que se destacaram em suas atividades tais como  política, poesia, literatura, música, pintura…
Alguns fazem parte do Patrimônio Cultural da cidade, e para entender esse porquê basta entrar em qualquer um da relação que você encontrará clicando aqui, ó   Notáveis de Buenos Aires.

Porta lateral do El Federal, pelo lado da rua Carlos Calvo.

Acontece que nem todas as casas incluídas neste rol preservam esses preciosos patrimônios. Um deles é o El Federal, localizado no bairro San Telmo.

Em 2011 visitei-o por sua importância histórica e agora, em março de 2018, por conta do blog.
Não acreditei na visão lastimável que tive: a aparência é péssima! O Federal está sujo; está nojento; visivelmente abandonado. O ambiente denota relaxamento. Fui até lá para tomar café, mas desisti.

Casa de mãe Joana, como minha mãe costumava dizer.

O piso: além de gasto, é sujo. E o rodapé do balcão? Cinza de tanta sujeira.

O prédio data de 1824. Tratava-se de uma “pulperia” (comércio de bebidas e comestíveis. Artigos de mercearia. Em certas regiões era lugar de reunião de campesinos que aí se reuniam para beber)

Em condições – e mesmo assim faltando uma boa lustração – está o arco. Em cima do balcão, pães sem qualquer proteção contra insetos e poeira estão à espera de que algum corajoso lhe lance mão.

Nas prateleiras mal feitas, que nada têm a ver com a mobília original do El Federal, agonizam garrafas empoeiradas que, visivelmente, há anos não são tocadas – nem para limpeza.

Essas garrafas que deveriam estar escondidas por seu estado deplorável de conservação, estão à mostra como que troféus em meio a grossos canos e fiação elétrica mal instalada – imagens que denigrem ainda mais a imagem do bar e conseguem atropelar a beleza da peça que deveria estar livre, leve e solta, reinando absoluta: o arco que serve de suporte para o relógio.

Diante desse cenário condenável que a administração do El Federal tem a coragem de expor ao público, fiquei imaginando o estado dos banheiros…
Vale a visita – ao Federal, que fique bem claro – para matar a curiosidade; e só.

*****

ARGENTINA, AR: Establo – Onde Comer Bem em Buenos Aires.


IMAGEM DESTACADA: Um dos endereços mais procurados no Centro de Buenos Aires para quem curte uma boa carne.
Fica na esquina de Paraguay com San Martin.

EM 2011
o restaurante era arrumadinho, mas havia uma certa descontração no ar que conferia ao El Establo um clima de taberna.
O movimento indiscreto e intenso de saídas de quentinhas, a singeleza da decoração… acho que era isso que contribuía para o “quê” caseiro do ambiente.
O balcão que se vê na foto, revestido de ladrilhos, era outra peça que reforçava bastante o tal ar de taberna. Agora, a comida… era e continua boa!

Foto de 2011.
Foto de 2011.
Foto de 2011.

EM 2018,
ao adentrarmos o salão pela San Martin, notei certa diferença: não afirmo que o balcão ladrilhado tenha sido reformado porque não prestei atenção e nada tem a ver com a qualidade dos pratos servidos. Mas, que o El Establo ganhou atmosfera mais chique, ah…, isso ganhou.
Prá começar, fomos recebidos por um maître elegantíssimo – bela figura que trajava um smoking super bem passado, daqueles que a gente já viu em comercial de papel sanitário. Sabe qual?
Ninguém com pano de prato pendurado no braço ou no ombro.

O CARDÁPIO
continua oferecendo pratos sem fru-frus, mas muito bem servidos e temperados.
Minha sobrinha abraçou-se com o que você vê acima (ela pediu estrogonofe e trouxeram essa carne de panela. Nada a ver, mas segundo sua opinião, estava divino), e meu irmão e cunhada compartilharam uma porção que era o dobro da que se vê na foto abaixo, acompanhada por ovo frito, legumes (cenoura e petit-pois) acebolados, bacon e batata portuguesa. Duas cervejas bem geladas completaram a festa para meu mano e meu fiel escudeiro.

Pedi um filé de linguado com purê de batatas e um suco de laranja que, para minha surpresa, veio em um balde: o copo era enorme!

El Establo conta com porções que você poderá compartilhar numa boa. Recomendo sem restrições.

*****

ARGENTINA, AR: Restaurante Desnível em Buenos Aires.


IMAGEM DESTACADA: Fachada do Prédio.

Os comentários são ácidos, mas… não pude me furtar: literalmente, o restaurante faz jus ao nome. Sim! Trata-se de um desnível sob diferentes aspectos.

As fotos não mostram a realidade. Assim que entramos não gostei da aparência. O restaurante é enfeitado, colorido, mas, deixa a desejar em limpeza. Estava cheio como se vê na foto – cheio de cadeiras vazias.

Abro e cardápio e vejo o aviso seguinte: aos domingos, de 12.00 h às 20.00 h, o restaurante só aceita dinheiro.
Até que faz sentido e acho que sei o porquê: aos domingos acontece a famosa e imensa feira de Sant Telmo e é nessa ocasião que o Desnível deve faturar.

Dentre as sugestões do cardápio, eu optei pelo peixe com purê de abóbora, outro desnível.
O peixe não tinha gosto nem de maresia! Prá ser sincera, não foi temperado nem com sal – comum na culinária portenha. E o purê de abóbora… acompanhou, literalmente, o peixe: sem “it” nenhum, como se dizia antigamente.

Meu fidelíssimo escudeiro pediu um Ravioli ao Molho Pesto, salvo pelos molho e queijo. Escapou.

O Desnível deveria ter ficado por conta da rampa que lhe deu o nome, mas ousou e foi bem além.

Desnível nas paredes que precisam urgente de uma limpeza…,

… na péssima aparência do bar que fica logo na entrada – o cartão de visitas da casa.

Os talheres da Tramontina e o suco de laranja vão para o trono.

Até nós cometemos um baita desnível: esquecemos do fantástico restaurante italiano Amici Miei, que já conhecemos de longa data, bem em frente à Praça Dorrego. Bastava seguir um pouquinho mais à frente. Se burrice matasse…

Qual o lado positivo desse tropeço? É errando que se aprende. Serviu para ficarmos espertos, e na próxima vez não passarmos nem pela porta!

Ah! E antes que me esqueça: na também indicada Brasserie Pétanque já nos serviram um prato de massa que era pura enganação. Reclamei, o garçom veio com aquela conversa de cerca-lourenço, muito blá, blá, blá, coisa e tal, mas não colou.
Para disfarçar minha radicalidade, aí vai a desculpa: era dia de feira. Tá! Mas cá prá nós, também não ouso voltar.  

ARGENTINA, AR – Galerias Pacífico, em Buenos Aires: Patrimônio Histórico Argentino.


FOTO EM DESTAQUE: Interior da Galarias Pacífico.

Foi declarada Monumento Histórico Nacional e nem poderia ser diferente.
Externamente, o prédio, em si, já é uma obra de arte. Seu interior deslumbra. Sua beleza é impactante; não há quem não o aprecie. A meu ver, é passagem obrigatória para quem vai a Buenos Aires, nem que seja apenas para tomar um café.

COMPRAS e ALIMENTAÇÃO
Em 2011/12 o shopping ainda não havia ampliado o setor que conhecemos como praça de alimentação.

Em 2016 assustei-me com o movimento que encontrei no sub-solo: vários Cafés, lanchonetes e restaurantes do tipo fast-food tomaram conta da área. E não parou por aí: lojas de preço mais acessíveis também se instalaram neste piso. A Morph foi uma delas. Adoro a Morph. Todas as mercadorias chamam atenção pela criatividade e os preços são bem convidativos. É lá que compro lembranças para os amigos e, de quebra, acabo me presenteando com alguma coisa. Acho que mereço.
Voltando à vaca fria: até nos depararmos com esses acréscimos, nossa preferência para almoçar, lanchar ou tomar um simples cafezinho recaía sobre o Francesca. Esse espaço foi totalmente remodelado e nem reparei se ainda conserva o nome. Está bem mais confortável, pareceu-me mais amplo, não sei, e o atendimento continua cortês.

O elegante e antigo Francesca, no sub-solo das Galerias Pacífico.

A agência de câmbio foi remodelada e também continua no mesmo lugar. O câmbio pode não ser o melhor do pedaço, mas quebra um galhão pela comodidade.

O CENTRO CULTURAL BORGES
Nem todo mundo sabe, mas há um Centro Cultural dentro das Galerias, desde outubro de 1995.
Nada mais natural para um edifício inspirado e concebido no estilo arquitetônico Beaux-Arts, para abrigar uma loja que se assemelhasse à Bon Marché parisiense.
Esse foi apenas o começo. Em 1896 o Museu de Belas Artes ocupou parte do edifício…
Centro cultural e Galerias contam histórias desde 1889. Saiba mais a respeito do clicando aqui.
ACESSO: o prédio das Galerias Pacífico ocupa um quarteirão compreendido pelas ruas: Florida, Córdoba, Viamonte e San Martin. A entrada do centro cultural está nesta última esquina.
Ainda não o conheço, mas tenho lido excelentes referências. Há acomodações na platéia e no mezzanino.
No site do CCB você encontra informações a respeito de preços e horários. Clique aqui.

MAS, A SURPRESA MAIOR …
ficou por conta de uma publicação na internet que me deixou de cabelo em pé!
“Em 2007 a jornalista canadense Naomi Klein escreveu um livro intitulado The Shock Doctrine.
Neste livro ela descreve como o edifício foi usado como um centro de tortura pela junta militar que governou a Argentina de 1976 a 1983.”
… “descobriu-se que em seus porões o Primeiro Exército escondeu alguns de seus desaparecidos.”
“… as paredes das masmorras ainda traziam as marcações desesperadas feitas por seus prisioneiros há muito tempo mortos: nomes, datas, pedidos de socorro.”

E como dizia o jornalista Paulo Alceu: “Enquanto isso…, a vida segue.”

*****