Arquivo da categoria: Amsterdam

HOLANDA. AMSTERDAM. CASA BRASIL PORTUGAL: Tudo Para a Sua Feijoada!


IMAGEM DESTACADA: Fachada do mercado.

COMO CHEGAR:
Como estávamos hospedados em hotel próximo à Centraal Station, o Singel Hotel, quando não usávamos a viação canelinha – nossas pernas -, íamos de bonde até onde fosse mais próximo de nosso alvo e depois continuávamos a pé. E foi assim que fizemos para chegar à Kinkerstraat, onde no número 28 pulsa um coração do Brasil ao lado de outro de Portugal.
Em frente à Centraal é o ponto final de vários trams (bondes) e uma das linhas é a 17, que passa justamente na Kinkerstraat.
As outras linhas são a 5 e a 7, cujos pontos de partidas ficam bem afastados da Centraal.


Poizé. E como nada acontece por acaso…
Estávamos seguindo as dicas da enciclopédia Ducs Amsterdam, quando passamos pela porta da Casa Brasil Portugal.
Entrar, não entrar; por que não entrar? Entramos. E bastou cruzar a porta – mais uma fronteira, melhor dizendo – que essa curiosidade transformou-se logo em festa em seu sentido mais amplo.
Começou com um sonoro e sorridente “Sejam bem-vindos”. Nooosssa! Como é bom ouvir e falar nosso idioma quando estamos longe de nosso país.
Fomos recebidos por duas brasileiras super simpáticas que adotaram Amsterdam para viver. Ambas trabalham com outro brasileiro, nascido no Espírito Santo, que reside nesta cidade há mais de 20 anos: o proprietário do ponto de encontro/loja de festas.
Mas, por que loja de festas? Môquidu, pense bem: você está em Amsterdam, longe prá burro de tudo que você mais ama e, de repente, você encontra brasileiros com quem conversar em seu idioma. Prá completar a felicidade, nesse espaço você se depara com o Brasil espalhado por muitas prateleira e ainda encontra tudo! de que precisa para caprichar “naquela” saudosa feijoada de domingo! Prestenção nisso, istepô!!! E com direito à preparar aquela caipirinha!… É bom demais da conta, sô – já diria o mineirim. Foi de arrepiar. Duvida? Dá uma olhada nas fotos abaixo:


Opções de feijão não faltam. O arroz já está ali ao lado do pretinho básico para compor a famosa dupla.

E como o que dá o gostinho no feijão, é aquela gordurinha das carnes, aí está o toicinho.
Tenho um colesterol de estimação muito bem cuidado, mas confesso que essa história de “feijãozinho light” não cola. E confesso: fica melhor ainda se a gordurinha for da carne-seca. Ah! E o feijão tem que ter muito tempero.

VEJAM A COUVE, CORTADA BEM FININHA.

O azeite Gallo viaja de Portugal sem passaporte, em voo sem escalas, e  vai cantar em mesas portuguesas e brazucas em Amsterdam – sente a força do galináceo!


Pois é… As mais aguardentes mais conhecidas do brasileiro também cruzaram o Atlântico e estão lá, só aguardando o limão cair dentro junto com as pedrinhas de gelo.

Mas, vai que você seja mais chegado a uma moqueca de peixe, de camarão, ou de frutos do mar? Sem problema, porque a variedade de pescados é grande.

E se você preferir as penosas…, também vai encontrá-las lá, fresquíssimas.

Risoles de camarão, frango e carne podem iniciar os trabalhos da comilança. E se bater preguiça de ir pro fogão, há pratos prontos congelados, massas, molhos, temperinhos… Tem até fubá e “pão ralado” – a farinha de rosca.



Guaraná natural e industrializado, produtos da Royal (pudins, gelatinas, bicarbonato – o pó Royal) e da Nestlé (creme de leite e leite condensado), uvas passas. E as balas expectorantes? 

Arrependi-me por não ter trazido o sabonete de lima, o de leite de burra e o sabão especial para lavar roupas de lã, nylon e sedas.
O sabonete de côco promete hidratação na embalagem – faz sentido.
Produtos de higiene e limpeza que costumamos ver nas prateleiras dos supermercados brasileiros também fazem parte do estoque da Casa Brasil Portugal

…bem como novidades como a batata em flocos para fazer purê e o creme de mariscos da Maggi. Desse, trouxe três pacotes.
Segundo comentários de uma das funcionárias, a Maggi exporta produtos brasileiros que não são vendidos aqui no Brasil com S. Vai entender…

FARINHA DE MILHO..,. PÃO RALADO…

Cariocas e gaúchos não sentirão falta do mate, do açaí e nem…

…do bolinho de aipim para acompanhar um cafézinho. Basta prepará-lo com a massa da Renata, outro produto que também nunca vi por aqui.

 

Sacos com temperos e sem gordura facilitam a vida de quem esquenta a barriga no fogão. Mais práticos, só aqueles que já vêm com o frango dentro. Trata-se de outro produto que não ainda não encontrei à venda aqui no Brasil. Os sacos, sim; mas, sem os temperos.

A salsicha para o cachorro-quente também não foi esquecida, bem como o azeite de dendê para a sua moqueca.

Banha de porco, manteiga ou outros tipos de óleos para cozinhar, você os encontrará com a maior facilidade nesse mercado.

Aqui neste nicho, tal qual antigamente aqui no Brasil, o bacalhau seco é cortado em uma guilhotina. Nada de bacalhau molhado e embalado, que pesa bem mais e só serve para enganar o freguês.


Cervejas e água mineral Pedras, super saborosa.

Enfim, tudo muito familiar na Casa Brasil Portugal, lugar onde não há como não se sentir à vontade.
E como algumas pessoas diziam antigamente, “lá tem de um tudo“. De parabéns todos vocês!

E de repente, não mais que de repente, vem o inesperado e nos faz essa grata surpresa…

 

 

HOLANDA. AMSTERDAM. Cobra Café: É Cobra Engolindo Cobra.


IMAGEM DESTACADA: Acesso ao subsolo do Cobra Café.


O MOVIMENTO COBRA
foi criado por artistas vanguardistas europeus procedentes de Copenhague, Bruxelas e Amsterdã.
O manifesto foi redigido e assinado em 05/11/1948 em um Café de Paris, por 30 artistas, dentre os quais havia pintores, escultores, ceramistas, poetas, escritores…
Quem batizou o grupo foi o poeta e pintor belga Christian Dotrement (1922-1979), criando um acrônimo formado pelas iniciais das capitais citadas acima: CoBrA.
Cores vivas, bem como formas indefinidas – e algumas que lembram desenhos infantis –  caracterizaram o movimento inspirado justamente nas crianças e nos débeis mentais.
Não se prendiam à Escolas – o recado era dado com pinceladas espontâneas. Relevos criados pela aplicação excessiva de tintas transmitiam agressividade, mas esse também era o objetivo dos pintores. A liberdade para criar era total; o movimento era um extravaso daqueles que sobreviveram aos horrores da Segunda Grande Guerra.

O CAFÉ COBRA
Mas o que isso tem a ver com esse movimento? Tudo! A começar pelo nome do estabelecimento e pela decoração do interior, que exibe obras de Appel, Brands, Constant, Wolvecamp, Tajiri e Corneille – artistas que participaram do grupo dos 30.
A pintura de Brands, por exemplo, serviu de inspiração para a decoração do piso e das cadeiras. Pinturas e poemas foram reproduzidos nos uniformes dos funcionários e nas pituras das louças, menus e rótulos de vinhos.
Uma divisória super original de autoria de Tajiri divide visualmente os ambientes. O Cobra é frequentado por pessoas de todas as idades. O ambiente é iluminado no sentido mais amplo da palavra. É lugar de gente animada, festiva. Bastante concorrido.

O CARDÁPIO
é muito variado e você pode contar com a ajuda da turma que atende as mesas: são simpáticos, receptivos, conhecem bem o que a casa anuncia, e nos deram ótimas dicas para o almoço.

O cardápio oferece opções frescas, saudáveis e de combinações muito saborosas.

FESTAS
Vários tipos de ambientes estão disponíveis para casamentos, jantares requintados e festas em geral.
Para alguns tipos de recepção a casa oferece até 5 pratos variados ou um buffet de luxo. Jantares também são servidos para o mínimo de 40 e o máximo de 100 pessoas.
Resumindo: o Cobra tem espaço para até 400 pessoas se acomodarem. Bebidas, comidas e decoração poderão ficar por conta do restaurante. Basta combinar.


No sub-solo havia uma exposição que não tivemos a curiosidade de visitar apesar do convite original:

Ao descer as escadas de acesso aos banheiros, nos deparamos com mais obras de arte adornando as paredes.

Mas as atrações não se limitam à exposição informal do CoBrA: o banheiro também está inserido neste contexto.

BOUTIQUE NO BANHEIRO!
Foi a primeira vez que vi uma boutique, mesmo com poucos ítens à venda, “no hall” de um banheiro.
Bonés com o desenho da bandeira holandesa (o X) dentro de um coração, cabides de inox, livros e capas de chuvas, ítens da Heineken, o conhecido I AMsterdam e ingressos para Heineken Experience estavam à venda.

E como todo banheiro – sem contar com o que você usa no hotel e restaurantes -, é pago, instalaram a máquina bilheteira e catracas também neste hall. Mas, a surpresa maior ainda estava por vir.

A abundância de aço inoxidável chamou-me atenção. Como sabemos, a contaminação por bactérias nesse tipo de metal é mínima e não só por isso é adotado em hospitais.
É o metal ideal para ser empregado em banheiros públicos e o banheiro do Cobra mostra que sim.

Não tenho lembrança de ter visto em nenhum banheiro, indicação para que os papéis utilizados nos reservados sejam descartados nos vasos sanitários. Esse foi o primeiro, e a mensagem chega de maneira prá lá de chique: está emoldurada. Concluí, pelo requinte da apresentação do recado, que trata-se de mais uma obra de arte do acervo do Cobra. Vai saber!…

Mas o choque de modernismo e avanço tecnológico estava mesmo era nas portas das “casinhas” – era assim que alguns se referiam aos banheiros no século passado.
Prestenção! Quando os compartimentos estão vazios, os tronos ficam à mostra – até aí…, tudo bem.

Acontece que, na hora em que você gira a chave – só gira a chave! – o vidro fica embaçado e ninguém vê mais ninguém.
Na hora em que você gira novamente a chave para abrir a porta, ela fica transparente de novo. Essa mudança ocorre em fração de segundos!

Os menos atentos deverão ter todo cuidado no momento de abrir a porta. Caso a pessoa ainda não esteja composta e gire a chave… Foi o caso da jovem que não chega a aparecer na foto: foi apressada e acabou mostrando mais do que devia.

Esses BANHEIROS,
localizados no subsolo do café, são públicos e os bilhetes de entrada para esta atração são os mais baratos da praça: $0,50 (cinquenta centavos de euros). Normalmente pagávamos um pouco mais.
E ainda: há um pequeno desconto para quem apresentar a conta do Cobra Café no banheiro, e há outro desconto no Museu Cobra de Amstelveen para quem apresentar o ticket do banheiro (toiletvaucher). É Cobra engolindo Cobra

 

 

PARIS e AMSTERDAM. Muita Água Rola Embaixo Dessas Pontes – Saiba Mais.


IMAGEM DESTACADA: Herengracht. Amsterdam, NL.

Dentre os brasileiros residentes no exterior que optaram por compartilhar suas experiencias e, consequentemente, ajudar o próximo em suas andanças pelo Velho Mundo, destaco quatro poderosas “máquinas” que cito a seguir pela ordem em que as conheci:
1- Conexão Paris – mola propulsora sem a qual não teríamos vivenciado momentos mágicos nos campos perfumados pelas lavandas da Provence.
Experiencias únicas vividas em cenários paradisíacos em companhia de Leonor, nossa guia e motorista, em roteiros elaborados pela brasileira Anaté Merger – que tivemos a satisfação de conhecer por intermédio da Sra. Maria Lina, do Conexão Paris.

2- Outra máquina que mantém suas engrenagens super azeitadas é a do brasileiro Daniel Duclos.
O brasileiro e sua mulher sabem TU-DO! a respeito de Amsterdam e mais alguma coisa.
Seu dente doeu? Ele indica dentista brasileiro. Aquisição de Ingressos em geral (passeios, museus, viagens pelos países vizinhos), Transfer Schiphol/Amsterdam/Schiphol, passagens aéreas, busca por hotéis, sugestões de roteiros, caminhadas pela cidade, transferência de dinheiro, enfim… O trabalho denominado Ducs Amsterdam é muito, muito mais que um blog – trata-se de uma respeitável enciclopédia.

3- Outra brasileira residente na Holanda, mas não em Amsterdam, também contribui para que você amplie seu horizonte nos Países Baixos. Trata-se do Holandesando, escrito pela paulista Roberta Landeweerd. A brasileira também marca belíssimos gols de placa.

4- E, para nos despedirmos de Amsterdam, contratamos o transfer para o aeroporto com Caroline Adiegah, do Andantes na Holanda.
Quem nos apresentou Carol? Isso mesmo: Daniel Duclos, aparecendo muito bem na fita mais uma vez.
Em um carro confortável seguimos até Schiphol batendo um papo prá lá de gostoso a respeito de Amsterdam.
Quis saber a respeito das obras que encontramos em muitos pontos da cidade e, para nossa surpresa, dizem respeito à estrutura das casas que estão tortas. Carol é estudiosa da cidade onde vive há 10 anos. Explicou-nos o porquê de algumas casas terem saído do prumo e o que está sendo feito para reestruturá-las. Com material importado de onde? Do Brasil! Agora, qual material empregam… melhor parar por aqui.
Andantes na Holanda opera excursões pela Holanda e Bélgica, tours pela Cidade Dos Moinhos, Amsterdam a pé, Distrito da Luz Vermelha, Museus Van Gogh e Rijksmuseum guiados, passeios de bicicleta e transfers.

Em Paris sigo as dicas do Conexão Paris.  Em Amsterdam e arredores, seguimos os passos dos Ducs Amsterdam e dicas do Holandesando. Bilhetes para museus, ônibus, trem e passeios foram adquiridos por intermédio dos dois últimos blogues.

Em 20 dias viajando pela Europa, tudo deu certo.
Somos gratos a todos aqueles que nos abriram caminhos…

Uma frase atribuída ao General Cneu Pompeu Magno, no primeiro século antes de Cristo, foi reafirmada por Fernando Pessoa, ao titular em um de seus poemas que “Navegar é Preciso“. Concordo. Compartilhar, também.