Florianópolis, SC: Praias da Armação e Matadeiro. Ponta das Campanhas.


Imagem Destacada: Ponta das Campanhas, “divisor de águas” entre as Praias da Armação e Matadeiro.

*****

*****

*****

VAI DE QUÊ, ISTEPÔ? Continuar lendo Florianópolis, SC: Praias da Armação e Matadeiro. Ponta das Campanhas.

O Que Não Pode Faltar na Bagagem? Identifique Sua Mala por Dentro e Por Fora! Onde Você Pendura a Roupa que Lavou no Banheiro de Seu Quarto de Hotel?


Imagem Destacada: Isabella P.B.A, Samira Red Degremond e a joaninha que identifica minha mala por dentro.

*****
Obs: clique duas vezes na luvinha para ver a imagem aumentada.
*****

Bilhetes comprados para a próxima viagem, começo a pensar na arrumação da mala. Listo o que levar e deixo a ajeitação para mais tarde, ou então, aos poucos, já vou arrumando a bagagem. Sempre fui assim e não será agora, aos 68 anos de idade, que vou mudar.

Invejo pessoas que ajeitam malas quase na hora de sair para o aeroporto. Há quem as arrume com antecedência obedecendo uma lista e há quem vá arrumando suas malas aos poucos, sem lista. Há quem não saiba arrumar sua própria mala e há quem seja a própria – mala também viaja e ser istepô também é isso. Cada um de nós cumpre essa tarefa em seu tempo e, habitualmente, anota e/ou já separa “o que não pode faltar”.

Nas vésperas da viagem agendo o que chamo de “faxina corporal”: tratamento de pés, pintura e corte de cabelo, acerto nas sobrancelhas…
Acontece que durante a viagem a gente lava uma pecinha de roupa aqui, outra ali e o esmalte das unhas das mãos (logo o das mãos!) quando você percebe já está descascado e fica horrível, parecendo que areou panelas por uma semana. Daí, entram em cena dois produtos que adquiri na Europa – sem esnobismo, por favor. Aliás, um deles, já vi à venda em um Shopping aqui no Rio por um preço as-sus-ta-dor: as lixas de unhas que verão daqui a pouco na postagem.

REMOVEDOR DE ESMALTES DE UNHAS SEM ACETONA:

O primeiro  descobri por acaso no ano passado em Aix-en-Provence. Trata-se de um produto sensacional que podemos levar na bagagem sem a menor preocupação: um removedor de esmaltes sem acetona, oleoso (o odor não é muito agradável, mas aceitável), contido em pequenos pads que vêm acondicionados em uma caixinha. São excelentes!

Há quem não se incomode com esse tipo de vaidade enquanto viaja, mas há quem não dispense uma boa aparência nas mãos. Não sei porque, mas acho que as benditas unhas chamam muita atenção e acabam aparecendo muito mais quando estão sem um esmaltezinho do que quando estão pintadas de vermelho.

Tenho notícias de que esse tipo de serviço custa muito caro fora do Brasil e é bem diferente daquele a que estamos acostumados. Portanto, fica a sugestão.

Tentei manicurar minhas unhas em Lima no final do ano passado, mas ficou um fiasco: o esmalte de lá não é como o nosso, de secagem rápida. Nada disso.

Como precisei lavar as mãos em um restaurante uns 20 minutos depois, na hora em que olhei para os dedos, cada unha parecia uma persiana recolhida. Um tecido plissado! Que tristeza. E mais: o alicate não foi retirado de nenhum forno. Na hora de usá-lo a manicure passou um spray que não sei de que era e foi à luta. Fia… rezei tanto, suei tanto… Sofri e o resultado foi dos piores.

Mais tarde, ao conversar com a brasileira da recepção do hotel, ela me disse que está em Lima há mais de dois anos e nunca foi à manicure por conta disso. Ói… arrepiei.

*****

P1110138
Removedor de Esmaltes sem acetona adquirido em Aix-en-Provence.

*****

UM ATAQUE QUE DEU CERTO:

Como não me acostumei a esmaltar as unhas sem retirar a cutícula, passei a levar na mala duas peças levíssimas que quebram um galhão e deixam as mãos em perfeito estado por uma semana ou mais.
Já ouviu falar nos cosméticos do Mar Morto que são vendidos em Shoppings Centers? Pois é; são esses mesmos cujos representantes nos cercam e quase nos agarram à força pelos corredores.
Todos que já passaram por perto de um quiosque desses já conhecem as abordagens dos vendedores. Particularmente, considero-as até ousadas demais pra meu gosto.

Desta vez a aproximação veio de uma brasileira que representava o citado produto no Shopping Colombo, em Lisboa. Parei e lhe dei atenção, achando que logo depois agradeceria, pediria desculpas e sairia pela tangente. Nem preciso dizer que ela foi logo segurando minha mão, aplicando a série do quite e fazendo seu comercial. Mo quirido…, quando vi o resultado…, não me contive. E como minha personalidade enfraquece muito quando o assunto é consumo, tratei logo de comprar duas caixas pensando nas futuras viagens. Sensacional! E mais: a este quite incluo o milagroso Andriodermol, um antimicótico brasileiro, líquido, e que também se aplica ao redor das unhas (principalmente nas dos pés) para retirar cutículas e excessos de peles. Um simples pauzinho de laranjeira completa a operação e deu. Tudo muito simples e fácil de executar. O Andriodermol amolece tanto essas peles, que acabam saindo com um sopro.
A embalagem do quite do Mar Morto surpreende pelo requinte e ainda contém um creme de mão de muito boa qualidade.

*****

P1110439
Caixinha da esquerda: amolecedor de cutículas adquirido na Citypharma em Paris. Sobre embalagem prateada do quite: caneta de carga oleosa para lustrar unhas e tablete de lixa – produtos do Mar Morto.

*****

P1110444
Os três tipos de lixa marcados na própria peça pela ordem de aplicação.

*****

MODUS OPERANDI e OUTRAS MUMUNHAS:

O tal quite do Mar Morto que citei acima compõem-se de uma barrinha com lixas de três granas diferentes, uma caneta tipo pilot de carga oleosa e um creme de mão.

A sequencia das lixas 1 e 2 servirá para nivelar a superfície das unhas. Logo a seguir, espalha-se sobre elas o óleo contido na caneta, bem rente às cutículas, massageando unhas e cutículas com o auxílio dos dedos. Em seguida, usa-se a lixa número 3, acamurçada. Este procedimento fará com que a unha brilhe como se estivesse pintada com esmalte incolor. A própria vendedora escreveu na lixa a sequencia da aplicação, o que achei ótimo. Este quite substitui perfeitamente o uso do esmalte e dispensa, obviamente, qualquer tipo de removedor.

Apesar de ter descoberto um amolecedor de cutículas de resultado satisfatório – o Eau Emolliente da Mavala – que obtive na farmácia indicada pela Sra. Maria Lina do Conexao Paris – a Citypharma (26 rue du Four, Paris, França – +33 1 46 33 20 81), – ainda prefiro o nosso Andriodermol líquido (observar a embalagem porque há o mesmo antimicótico em pó).
Portanto, para quem não dispensa um verniz nas unhas, esses produtos são ideais para manter suas mãos em ordem, não pesam e não ocupam lugar na mala.

*****

OUVIDOS:

Chega de falar em mãos e passemos às orelhas. Mais precisamente, aos ouvidos.

Além desta caixinha uma outra não pode faltar na bolsa de mão: a das bolinhas de algodão e cera: Boules QUIES para colocar nos ouvidos e bloquear ruídos. Não posso me esquecer dessas preciosidades de jeito algum.

P1110140
A primeira caixinha (amarelada) foi adquirida em setembro de 1985. A segunda, no ano 2000. A terceira, em 2014.

*****

Não é só o barulho do avião que me incomoda, mas também o ronco de meu companheirão de viagens, uma turbina e tanto. É impressionante: mal ele fecha os olhos já começa a roncar. Morro de inveja. Não do ronco, claro, mas da facilidade que esta criatura tem para dormir. E não adianta fechar as portas dos quartos, dormir a léguas de distância um do outro porque escuto o rufar de seus tambores de onde estiver. É um barulho que parece me perseguir. A impressão que tenho é a de que há um antigo Constelation da Varig dentro do apartamento; um horror!

E para acabar com este sofrimento, só Boules QUIES salva.
Há muitos anos uma colega de trabalho ofereceu-me duas bolinhas dessas em uma ocasião em que me queixava dos roncos de meu pai. Anos depois amigos viajaram para a França e pedi que me trouxessem uma caixa. Logo após, em 1985, eu mesma viajei para Paris e uma das primeiras investidas no comércio foi entrar em uma farmácia e comprar várias caixinhas de Boules QUIES. Clique aqui para saber mais. No Conexão Paris há uma matéria a respeito desses fantásticos protetores que só quem sofre com barulhos e conhece os boules sabe do que estou(amos) falando. Abençoado é o inventor dessas bolinhas.

*****

LAVAR ROUPAS NO BANHEIRO DO HOTEL – ONDE PENDURÁ-LAS?

Não há quem não encontre um jeito para pendurar e secar as roupas lavadas no banheiro do quarto do hotel. Não há! Quem nunca secou uma meia na cúpula de um abat-jour que atire a primeira pedra. E ainda: quem não secou ou “adiantou” a secagem de uma peça de roupa com o secador de cabelo?

Meu fiel escudeiro certa vez esqueceu um par de meias nas cúpulas dos abajures do quarto. Rimos muito dias depois quando ele deu pela falta das meias e concluiu onde tinham ficado. E o mais interessante foi sua preocupação com a surpresa que as arrumadeiras teriam. – Que vexame! Tratei de convencê-lo de que não foi o primeiro e nem seria o último.

Ainda hoje ao comentar com ele esta postagem, imediatamente lembrou-se das meias. Vai ter memória assim lá longe.

Pois é… Mas como fazer para facilitar a secagem de roupas sem que tenhamos que transformar o quarto em um fundo de quintal? Nada melhor que os cabides infláveis que poderão ser adquiridos em uma loja do Louvre chamada PERIGOT, bem próxima à Praça de Alimentação. Quem tiver essa oportunidade, aproveite porque vale muito à pena ou consulte a possibilidade de obtê-los pelo site, caso interesse. Costumo usá-los em casa, na verdade. Acontece que não ocupam lugar na mala quando vazios e por isso fazem parte de minha bagagem.

Esta loja vende coisas interessantíssimas para facilitar afazeres domésticos, incluindo estes cabides que podemos pendurar até nos toalheiros, sem prejuízo para o hotel – o que não seria ético.

Estes cabides, antigamente, eram fabricados pela Vulcan aqui no Rio. Eu mesma cheguei a comprá-los na Casa da Borracha, uma loja ainda existente na cidade. Aconteceu que a fábrica mudou totalmente seu rumo – fabricava os tais cabides infláveis, cortinas para box, toalhas de mesa, bóias para crianças, plásticos a metro… Era uma infinidade de produtos, todos com qualidade – e agora fabrica painéis automotivos. Perdemos nós, porque a Vulcan fabricava muita coisa útil.

As outras peças (grampos de roupa de rabicho) foram adquiridas na Tok Stok (aqui no Rio e em Florianópolis). São versáteis e adaptáveis ao varão do guarda-roupas quando o hotel não oferece quantidade de cabides que seja satisfatória e servem para pendurar roupas molhadas no vidro do box (sem danificar nada). Melhor ainda, quando adaptados aos cabides infláveis cujos ganchos nem sempre aguentam o peso da roupa.

Tanto o produto da Perigot quanto os prendedores de rabicho, compro-os em quantidade. Em dias frios, e principalmente sem Sol, nada melhor para secar agasalhos do que os cabides infláveis.

P1110445
Cabides infláveis da Perigot (Paris) e grampos de roupa da Tok & Stok (Rio e Florianópolis).

*****

P1110447
O grampo passa pela abertura existente na ponta do rabicho. Observe a foto.

*****

P1110455
Inflado, o cabide adquire forma de ombros. Secam camisas e blusas (principalmente as de malhas) sem deformá-las. São excelentes.

*****

P1110457
Cabides infláveis da Périgot.

*****

P1110459
Cabide da Perigot e grampo de roupa com rabicho da Tok & Stok.

*****

IDENTIFICAÇÃO DE MALAS:

Aprendi com um agente de viagens que devemos colocar uma identificação dentro da mala, bem diferente do que as habituais etiquetas com nome e endereço.
Adotei a idéia e por este motivo minha companheirinha de viagens é uma joaninha de feltro, além do Salmo 58 – Proteção contra ladrões, assassinos, bandidos e qualquer tipo de opressão.

Por fora, anexei em uma das alças o desenho número 01 do Reiki, o Cho-Ku-Rei, do qual sou terapeuta.

Há infinitas malas idênticas desfilando nas esteiras dos aeroportos e identificá-las por dentro e por fora parece uma bobagem, mas não é. Nem as malas do Gilson Martins escapam dessa possível troca.

P1110452
A joaninha que vai dentro da mala, o desenho Cho-Ku-Rei do Reiki e meu nome e domicílio do Rio de Janeiro.

*****

Ano retrasado uma amiga escolheu Paris como primeira escala de sua primeira viagem à Europa.

Na devolução de bagagens, ela pegou na esteira uma mala que não era a sua. Não preciso dizer que foi uma “naba” (dicionário manezês) desenrolar o equívoco.

Além do stress pelo qual passou, perdeu preciosas oito horas de seu primeiro dia de viagem até que tudo estivesse resolvido, além de ter deixado o outro passageiro como só Deus sabe.

Como em ambas as malas não havia identificação por fora, aconteceu o esperado! Minha amiga Suely só se deu conta de que a mala não era sua porque não conseguiu abrí-la ao chegar ao quarto do hotel.
Nessa brincadeira, só entre pegar a mala errada na esteira, ir para o hotel e voltar ao aeroporto para recuperar sua bagagem, passaram-se três horas.

Por sorte, Suely telefonou para uma amiga brasileira que fala fluentemente francês e que também estava em Paris, e esta senhora acabou resolvendo o assunto no Charles de Gaule, após terem caminhado quilômetros no aeroporto porque ninguém sabia informar ao certo onde recuperar bagagens.
Sem falar qualquer idioma e nervosa pela situação, seu primeiro impulso foi abandonar sua mala, deixar a do outro passageiro aos cuidados da Air France e comprar um pequeno enxoval para usar no restante da viagem.

Finalmente, ao encontrarem o balcão de serviço apropriado, a própria Air France já havia se comunicado com a empresa seguradora do outro passageiro, um senhor também brasileiro. Apesar da iniciativa da companhia aérea, houve longo período de espera até que tudo fosse definitivamente resolvido.

Passado o susto foi que minha amiga se deu conta não só da aflição pela qual passara, bem como do precioso tempo perdido – logo em Paris! – por conta deste simples, mas importantíssimo detalhe.

O lado positivo da história foi que no ano passado ela viajou para a Itália e acabou marcando tanto sua mala, que mais ficou parecendo maquete de carro alegórico. Melhor assim.

Outra coisa que não dispenso, principalmente em voos longos, é o serviço de proteção de bagagens. Embalam as malas como se fossem múmias, mas vale à pena só para a gente pensar que  ficarão intocáveis e mais bem protegidas.

Muito pelo contrário, quando os funcionários que movimentam bagagens nos bastidores do aeroporto as vêem embaladas, aí mesmo é que não há cuidado de espécie alguma. Nem a etiqueta de “FRÁGIL” funciona!

15/4/2015 – 20.46h – Dêem uma olhada nesta filmagem captada do Facebook e sintam o que fazem com nossas bagagens.

Sabemos que não colocarão nossas malas cuidadosamente nas esteiras. Mas, desse jeito?…

Estes e outros fatos nos servem de aprendizado e só acontecem com quem viaja.
E para os viajantes inveterados, não passam de simples detalhes.

img186 (2)

Praça Garibaldi, Uma Atração à Parte. Nice, França.


Roteiro: Rio de Janeiro / Lisboa / Nice (Menton; Saint Raphael; Biot; Saint-Paul-de-Vence; Villefranche-Sur-Mer) / Marseille (Calanques; Cassis) / Aix-en-Provence (Ménerbes; Cucuron; Carpentras; Fontaine du Vaucluse; Uzés; Saint-Paul de Mausole; L’Isle-Sur-La-Sorgue; Saint-Saturnin; Saignon; Sault; Valensole; Lac de Sainte-Croix) / Paris (Estrasbourg) / Lisboa (Lagos; Tavira ) / Rio de Janeiro.

Obs: clique duas vezes na luvinha para ver a imagem aumentada. 

MEU PRIMEIRO CONTATO COM A PRAÇA:

Quando saltei do tramway (Rio de Janeiro está ganhando tramway) e me vi em meio à Praça Garibaldi, imaginei como deve ser um mineirinho que pela primeira vez vê o mar.

A impressão que tive é a de que a praça, que já se destaca por suas dimensões e luminosidade, mais ensolarada ficou com a cor amarela emprestada pelos prédios que a cercam.
Outro pormenor: à certa distância, não me dei conta de que frontões, frisos e balaústres que adornam janelas e varandas eram pinturas executadas com a técnica “Trompe l’Oleil” , tamanha a perfeição do trabalho.
À medida que fui me aproximando de uma das paredes daqueles prédios é que percebi que estava cercada por um painel artístico imenso e mais maravilhada fiquei.
Tive a sorte de encontrar um Café localizado em um dos cantos da praça e ali me aboletei com o único intuito de observar longamente aquela obra prima. Não parava de olhar para cima. Deixei meu café esfriar, tomei-o em poucos goles como quem bebe um trago de cachaça, pedi licença a M. Morlaix, levantei-me e fui me colar nas paredes.
A denúncia da técnica deveu-se à pintura dos balaústres, mas mesmo assim continuei colocando em dúvida se os frontões, molduras das janelas e balcões continham relevos ou não.
Saí de lá pensativa e me perguntando: quem teria feito esse projeto? Quando fizeram a reforma e quanto tempo foi necessário para concluí-la? E a pintura, ficou a cargo de quem?
Embora cutucasse muito a internet, não encontrei qualquer comentário alusivo à obra. Foi aí que me veio à lembrança um site específico de viagens. Comecei pesquisando pelo nome de Garibaldi e acabei descobrindo em uma página, uma caixa de diálogo em que poderia perguntar a respeito de qualquer assunto (referente a turismo, obviamente), e lancei a pergunta. Horas depois fui presenteada por brasileiro morador de Nice, super gentil. Um jovem que se identificou como RTHIAGO, a quem agradeço penhoradamente pelas preciosas informações.

Assim ele escreveu:

“Olá Marilia G.

Você acabou me deixando curioso, a praça é linda porém eu também não sabia quando foi pintada e por quem etc…
Acabei encontrando um artigo SUPER interessante, entretanto está em frances. Eu não sei se você têm o domínio da lingua, se tiver está perfeito, se não tiver me avise que eu traduzo pra vc.
Espero ter ajudado !”

E como ajudou, Thiago! Como ajudou!

Como não aprecio as traduções dos programas encontrados na internet – sempre muito literais e por isso confusas -, traduzi o texto eu mesma, adaptando uma palavra aqui e outra ali para nosso idioma.

“Esta reforma compreende:

– a restauração das fachadas com a restituição das pinturas decorativas;
– a restauração das galerias;
– o retorno das ruas que fazem parte da praça, que estão englobados no projeto;
– a Capela do Santo-Sepulcro, classificada com Monumento Histórico;
– as persianas e janelas.
Os rebocos foram inteiramente retirados com picaretas até aparecer o fundo (a estrutura do prédio), para então serem refeitos com areia e cal.
As janelas, que haviam sido trocadas recentemente e que não eram mais no modelo em madeira dos séculos XVIII e XIX, foram trocadas para o padrão atual, indicados pelo Departamento de Construções Civis da França.
Certos condomínios aproveitaram-se da obra para instalar esse tipo de janela em todos os vãos (números 1 e 2 por exemplo).
As canaletas e calhas foram refeitas em cobre. Sete balcões (varandas), que haviam sido acrescentados em torno de 1900, foram retirados.

“A restauração das fachadas da Praça Garibaldi permitiu, assim, devolver à este lugar real toda sua característica, sua personalidade. A única praça na Europa decorada em Trompe l’Oeil em suas quatro fachadas é a Praça Garibaldi.
Graças ao projeto desenhado pelo Departamento de Arquitetura da Cidade, baseando-se em desenhos originais conservados pelos arquivos de Turim e fotografias tiradas de 1860 à 1910, a Praça Garibaldi reencontrou então sua aparência histórica (formas, decorações históricas).

CALENDÁRIO:

Início dos trabalhos: Verão de 2010.
Final dos trabalhos: Fevereiro de 2012.
Inauguração: Sábado, 24 de março de 2012.
Os trabalhos foram realizados por partes (“fatias”), em comum acordo com cada condomínio.
“Tratando-se de obras privadas, a cidade não tem a faculdade de impor ordem nas obras”

“Em se tratando de obra privada, a Prefeitura não tem como se impor nessas reformas”.

N.B.: 60% de um total de 1.400.000 Euros empregados na restauração da praça, foram financiados pela Prefeitura da cidade. Vinte pintores trabalharam ao ar livre em 6.500m² de fachada.

Mais informações a respeito da praça, clique aqui.

Talvez por sua imensa área descoberta, a Praça Garibaldi me lembra liberdade, nudez, acolhimento.
Sinto a praça como um lugar sem preconceitos. Como se abrisse longos braços – se os tivesse – e nos envolvesse num grande e caloroso abraço.
Para saber quem foi Garibaldi, bravo guerreiro que desposou uma brasileira de nome Anita, clique aqui.

E as informações que me foram passadas por RTHIAGO você poderá encontrar pesquisando no Google por: Inauguration des façades de la place Garibaldi à Nice, meu “Abre-te Césamo”.

Valeu, THIAGO!

Imagem_GoogleEarth
Praça Garibaldi em processo de restauração. Foi construída entre 1782 e 1792.

*****

P1080925 (1024x1003)
Praça Garibaldi.

*****

P1040471 (768x1024)
Alguém é capaz de dizer que estes frontões e balaustres não passam de pintura?

*****

P1040470 (1024x762)
Praça Garibaldi – a única da Europa cujos prédios foram trabalhados em Trompe l’Oeil em sua totalidade.

*****

P1040469 (1024x1019)
Vista parcial da praça.

*****

P1040468 (757x1024)
Até a sombra parece verdadeira.

*****

P1040466 (800x600)
Dúvida Cruel: há ou não há relevo ao redor das janelas?

*****

P1040465 (600x800)
O canto da praça onde dei vazão à minha curiosidade.

*****

img186 (2)

 

Nice, França – Um dia Inteiro na cidade, “sem lenço e sem documento”


Roteiro: Rio de Janeiro / Lisboa / Nice (Menton; Saint Raphael; Biot; Saint-Paul-de-Vence; Villefranche-Sur-Mer) / Marseille (Calanques; Cassis) / Aix-en-Provence (Ménerbes; Cucuron; Carpentras; Fontaine du Vaucluse; Uzés; Saint-Paul de Mausole; L’Isle-Sur-La-Sorgue; Saint-Saturnin; Saignon; Sault; Valensole; Lac de Sainte-Croix) / Paris (Estrasbourg) / Lisboa (Lagos; Tavira ) / Rio de Janeiro.

Obs: clique duas vezes na luva para ver a imagem aumentada.

*****

Dia 02 de julho, véspera de irmos para Saint Paul, decidimos bater perna em Nice.

Pegamos o train-way na Praça Massena e saltamos na bela Praça Garibaldi. Mais bela, isto sim, após a reforma da fachada dos prédios que a emolduram.

Por mais que cutucasse na internet, não consegui descobri em que época este espaço tornou-se uma obra fantástica de “trompe l’oeil”. A perfeição é tamanha, que para os menos avisados as janelas possuem frontões, balaústres e molduras em relevo. O trabalho é grandioso. Não só pela dimensão das paredes – 6.500m² foram pintados por vinte profissionais que trabalharam ao relento -, como também pela perfeição da técnica empregada.

Continuar lendo Nice, França – Um dia Inteiro na cidade, “sem lenço e sem documento”

Biot, França – Arte em Vidros. Produtos Provençais.


Imagem Destacada: planta baixa da cidade em mosaicos e ladrilhos fixada à esquerda de quem entra da rue Saint Sebastien. Ao lado, nos pequenos retângulos, endereços das lojinhas da cidade.

Obs: clique duas vezes na luvinha para ver a imagem aumentada.

Roteiro: Rio de Janeiro / Lisboa / Nice (Menton; Saint Raphael; Biot; Saint-Paul-de-Vence; Villefranche-Sur-Mer) / Marseille (Calanques; Cassis) / Aix-en-Provence (Ménerbes; Cucuron; Carpentras; Fontaine du Vaucluse; Uzés; Saint-Paul de Mausole; L’Isle-Sur-La-Sorgue; Saint-Saturnin; Saignon; Sault; Valensole; Lac de Sainte-Croix) /

A fim de você saber direitinho onde pegar uma das linhas de ônibus que sai de Nice e lhe permite chegar a Biot, dê um clique aqui e depois uma olhada na foto abaixo. Continuar lendo Biot, França – Arte em Vidros. Produtos Provençais.

Saint Raphael, Côte D’Azur – Como Chegar Saindo de Nice.


Imagem Destacada: Praia de Malibu.

*****

*****

Roteiro: Rio de Janeiro / Lisboa / Nice (Menton; Saint Raphael; Biot; Saint-Paul-de-Vence; Villefranche-Sur-Mer) / Marseille (Calanques; Cassis) / Aix-en-Provence (Ménerbes; Cucuron; Carpentras; Fontaine du Vaucluse; Uzés; Saint-Paul de Mausole; L’Isle-Sur-La-Sorgue; Saint-Saturnin; Saignon; Sault; Valensole; Lac de Sainte-Croix) / Paris (Estrasbourg) / Lisboa (Lagos; Tavira ) / Rio de Janeiro.

Obs: clique duas vezes na luva para ver as imagens aumentadas.

Saint Raphael, na Côte d’Azur, não é um balneário badalado como Cannes, Nice, Saint Tropez, Antibes ou Saint-Jean-de-Cap- Ferrat e, pelo que me consta, nunca foi lugar que tenha virado moda por conta de algum famoso que tenha passado por lá.

E por estar assim quietinho, quando se fala em seu nome quase ninguém sabe aonde fica; até amigos que já estão cansados de viajar pelo mundo nunca ouviram falar em Saint Raphael – não sabem o que estão perdendo.

Continuar lendo Saint Raphael, Côte D’Azur – Como Chegar Saindo de Nice.

Cristalinos Coloridos e Terapias Cromáticas.


 ou Rosa Silva (CRT 36.389) é formada em Ciências Sociais pela UERJ e pós-graduada em Psicopedagogia pela Universidade Cândido Mendes.

É a criadora do método de leitura cromográfica para Terapia Cromática – terapêuta multidiciplinar de cores, cristais, florais e imagens simbólicas.

Taróloga de leitura terapêutica …

Para saber mais a respeito da eminente profissional, clique aqui.

*************************

IMAGEM DESTACADA: foto do amanhecer clicada de dentro de um avião da TAP, alguns minutos antes do pouso em Lisboa.

img186

Sagrados – A Aliança de Maria Madalena e Amor em Jogo.


Duas obras instigantes escritas pela jornalista Ana Teresa Antunes de Araújo Merger, à disposição do leitor no sites citados abaixo e na Amazon.

Perfil de Anaté: Formada em jornalismo e com um mestrado em comunicação internacional no Institut d’Études Politiques em Aix-en-Provence, Anaté Merger trabalhou por 17 anos como jornalista em várias emissoras de TV e jornais brasileiros até se mudar para a Provence em 2004.

Franco-brasileira, casada, dois filhos, Anaté Merger é empresária no ramo do turismo, além de contista das antologias Amores Impossíveis e Segredos de Família, organizadas por Lycia Barros e autora de “A Aliança  de  Maria Madalena” – primeiro volume da série SagradoS e de “Amor em Jogo”, lançados pelo selo Ases da Literatura.

Contato e Redes Sociais:

1- anatemerger@naprovence.com

2- https://www.facebook.com/anatemergerescritora

3- http://www.skoob.com.br/autor/9425

4- http://www.skoob.com.br/livro/419974-amor-em-jogo

5- https://twitter.com/anatemerger

6- http://www.anatemerger.com

7- http://www.naprovence.com

 

 

Amor em Jogo

“Às vezes, a verdade tem muitos disfarces e, para descobri-la, você precisa ter coragem para tirar as máscaras, inclusive a sua”.

Saint-Tropez, Lacoste e outras cidades da Provence fazem parte dos cenários escolhidos para o novo romance da autora franco-brasileira Anaté Merger.

Continuar lendo Sagrados – A Aliança de Maria Madalena e Amor em Jogo.

Nice, Côte D’Azur : Pontos dos ônibus números 94, 200, 400, 500 e ainda: o 10 para Biot e o 100 para Menton e Villefranche-sur-Mer.


Imagem Destacada: Ponto de Ônibus da Praça Alberto I

Roteiro: Rio de Janeiro / Lisboa / Nice (Menton; Saint Raphael; Biot; Saint-Paul-de-Vence; Villefranche-Sur-Mer) / Marseille (Calanques; Cassis) / Aix-en-Provence (Ménerbes; Cucuron; Carpentras; Fontaine du Vaucluse; Uzés; Saint-Paul de Mausole; L’Isle-Sur-La-Sorgue; Saint-Saturnin; Saignon; Sault; Valensole; Lac de Sainte-Croix) / Paris (Estrasbourg) / Lisboa (Lagos; Tavira ) / Rio de Janeiro.

Diante da dificuldade em encontrar o ponto do ônibus nº 100 – NICE/MENTON -, citada em outro post, pensei: – Por que não informar onde param os ônibus que partem para Cannes, Biot, Vence (St. Paul de Vence) e outras localidades próximas? Viajei em quase todos (menos o 94) e por isso procurei repassar os pormenores.

Um site português interessantíssimo que descobri recentemente e que resume tudo é este aqui. É prá ninguém botar defeito e pode ser acrescentado aos favoritos: trajetos por barco, automóvel, avião, trem e ônibus são mostrados sem complicação alguma. Continuar lendo Nice, Côte D’Azur : Pontos dos ônibus números 94, 200, 400, 500 e ainda: o 10 para Biot e o 100 para Menton e Villefranche-sur-Mer.

Nice/Menton. A dificuldade até encontrar o ponto do ônibus número 100.


Foto Destacada: Limão – O produto agrícola mais abundante da região.

Obs: clique duas vezes na luva para ver a imagem aumentada.

Roteiro: Rio de Janeiro / Lisboa / Nice (Menton; Saint Raphael; Biot; Saint-Paul-de-Vence; Villefranche-Sur-Mer) / Marseille (Calanques; Cassis) / Aix-en-Provence (Ménerbes; Cucuron; Carpentras; Fontaine du Vaucluse; Uzés; Saint-Paul de Mausole; L’Isle-Sur-La-Sorgue; Saint-Saturnin; Saignon; Sault; Valensole; Lac de Sainte-Croix) / Paris (Estrasbourg) / Lisboa (Lagos; Tavira ) / Rio de Janeiro.

*****

*****

INFORMAÇÕES MAL DADAS É FOGO!

Oh, se me lembro!… Saímos do hotel em torno de 9.30 h com destino a Menton e rumamos em busca da Gare Routière (Rodoviária) que, segundo indicações obtidas na internet, localizava-se entre a Praça Massena e o Centro de Convenções Acrópolis (1 Esplanade Kennedy, 06300).
Estranhei, porque a praça fica muito distante do Centro de Convenções e não seria possível uma rodoviária com tamanha extensão.
Outra indicação era de que a estação central de ônibus de Nice estava localizada na Av. Jean Jaurès; e uma terceira, no Jardin Albert 1ère, na Av. Verdun, na direção do Mac Donald que fica no prédio do Hotel Méridien. E agora? Bom, de cara, vimos que não havia rodoviária alguma neste local, porque já havíamos passado nesta praça algumas vezes e vimos apenas um ponto de ônibus. Então, pensamos no seguinte: que morador não saberia informar o endereço da Rodoviária de sua cidade? E baseados nessa hipótese, saímos lépidos e fagueiros a procura da gare, achando que seria fácil encontrá-la. Mas, não foi.  Continuar lendo Nice/Menton. A dificuldade até encontrar o ponto do ônibus número 100.

Experiências em Viagens/ Dicas