BRASIL, MARANHÃO, MA – Barreirinhas: Divino Cafeteria.


IMAGEM DESTACADA: Síntese dos Sabores Oferecidos na Cafeteria.

Uma das novidades que encontramos em Barreirinhas após 8 anos de afastamento foi o paisagismo desta rua e o Café Divino, que faz jus ao nome. Faltava um Café no Centro de Barreirinhas e o Divino veio para suprir essa lacuna. E está matando a pau! em tudo e por tudo.

ATIREI NO QUE VI e ACERTEI NO QUE NÃO VI.
Procurei pela página da cafeteria no Facebook pensando em determinado alvo e encontrei uma informação interessante: a proprietária do Divino aliou-se a uma empresa de paisagismo para iniciar a arborização da cidade, e logo na primeira empreitada plantaram 60 palmeiras na principal avenida.
A idéia agradou e novos parceiros – já passam de 30 – foram se agregando à iniciativa.

E foi por conta desse projeto que O Café acabou ficando em uma localidade que se tornou sedutora e aprazível no Centro de Barreirinhas (endereço no mapa acima).
Passamos algumas vezes pela porta e não conseguimos entrar de tão cheio. O ambiente é pequeno, mas nada impede que você faça seu pedido e vá desfrutá-lo debaixo de um dos guarda-sóis preparados para os clientes e quem mais chegar.

O Divino não serve apenas cafés (incrementados ou não). Serve sanduíches, quiches, pão de queijo, pastéis de forno, quibes, bolos, tortas, sucos, refrigerantes, água e muito mais gostosuras para que o cliente também possa fazer uma refeição ligeira e saborosa.

Decoração leve, aconchegante, refrescante… Ideal para você curtir um bom café e, de preferência, em boa companhia.

Parabéns a todos que se uniram em prol do embelezamento da cidade, bastante necessitada de atrativos, desculpem-me. Que venham outras boas novidades.
Ah! Quase ia me esquecendo: o café servido vem de longe: é proveniente das Minas Gerais!


1º dia na Rota: De Fortaleza a Jericoacoara viajando com Paulo Off-Road Jeri.
2º dia na Rota: Jericoacoara – Lagoa do Paraíso e Lagoa Azul.
3º dia na RotaAndanças Por Jericoacoara.
4º dia na Rota: De Jericoacoara a Luiz Correia, PI.
5º dia na Rota: Carnaubinha Praia Resort em Luiz Correia, PI.
6º dia na Rota: Barreirinhas e Circuito Lagoa Azul.
7º dia na Rota: Santo Amaro do Maranhão
8º dia na Rota: Flutuação no Rio Formigas – Barreirinhas.
9º dia na Rota: De Barreirinhas (MA) a Jericoacoara (CE) – O Caminho de Volta e O Que Não Foi Visto na Ida.

A Ex Bem Cuidada POUSADA D’AREIA.
– Divino Cafeteria no Centro de Barreirinhas – É Divina!
– Hotel Villa Beija-Flor, em Jericoacoara.
– Hotel Villa Terra Viva, em Jericoacoara.

“Numa viagem, um homem deve andar com um companheiro que tenha a mente igual ou superior a sua; é melhor viajar sozinho do que em companhia de um tolo.” (Sakyamuni)

BRASIL, MARANHÃO, MA – Barreirinhas: A Decepcionante e Mal Cuidada Pousada d’Areia.


IMAGEM DESTACADA: Placa da Pousada (para não deixar o item em branco)

Em 2010 tratava-se de uma pousada simples, mas muito boa e confortável para os padrões da época: quartos grandes, bons colchões e travesseiros, varanda com rede, bom café da manhã.
Um prédio estava sendo construído perpendicularmente àquele em que estávamos, mas não incomodava. Ficamos em um quarto no primeiro andar, servido por escadas. Naquela época, não havia necessidade de elevador.
A pousada tinha boa aparência e era limpa; a entrada era pela rua principal, em frente à duna. Melhor ponto, impossível.

Em agosto de 2018
encontramos o panorama totalmente modificado: outro prédio foi construído onde antigamente era a recepção; por ser bem mais alto que os demais, a colocação de um elevador foi necessária.

O QUARTO
que nos destinaram foi decepcionante: sem colcha, mesas de cabeceira sem um abajur,  iluminação precária, tecido grosseiro ( corta-luz) fazendo as vezes de cortinas, lixeira sem tampa no banheiro e toalheiro despencado que só após 3 reclamações concertaram-no decentemente. E o café da manhã, servido no mesmo lugar e com os mesmos ingredientes de 2010, continuava simples, mas bom.

Cabides de arame de baixíssima qualidade (e tortos) disputavam a péssima qualidade com aqueles antigos (e nojentos) de madeira em um cabideiro na entrada do quarto.

A varanda não foi limpa uma vez sequer em quatro pernoites. Culpa de quem? Da duna localizada do outro lado da rua. Duna porca, essa…

A exceção da regra: enquanto o horário normal de saída dos quartos dos hotéis costuma ser às 12.00 horas, a Pousada d’Areia não admite passar 1 minuto após 11.30 horas! A meu ver, um absurdo sem tamanho, inda mais pela qualidade da pousada.

Na foto, a duna culpada pela sujeiras das varandas dos apartamentos de frente prá rua.

 

Frigobar sem absolutamente nada dentro. Pelo andar da carruagem, entendemos que o controle do refrigerador implicaria em mais trabalho para algum funcionário. As geladeiras ficam na recepção.
O copo de plástico com que municiam os quartos acompanha a falta de qualidade dos cabides, da lixeira do banheiro, da falta de colcha na cama etc. – era o mais ordinário possível.
Para podermos tomar água e o dito cujo não dobrar, chegamos a colocar um dentro do outro, mas não deu certo. Para não corrermos risco de perder a água, optamos por bebê-la na garrafa.

O relaxamento é visível em todo o hoel: os canteiros próximos à recepção, que poderiam ser bem tratados, acumulam sobras de obra.
No prédio novo vimos grossos  furos nas paredes gerados por furadeiras, mas não emassados. Ou seja: prédio novo com elevador, coisa e tal, mas já revelando relaxamento.

Os proprietários continuam simpáticos, amáveis e receptivos, mas não cuidam mais de sua pousada como antes. É lastimável.
O ponto é excelente! Fosse a pousada bem cuidada, bem arrumada (o que não significa luxo, de maneira alguma!) e equipada com roupas de cama e banho de boa qualidade, cortinas e colchas decentes, seus hóspedes estariam acomodados em quartos que fariam jus ao preço da diária cobrado.  Mas… deixa muito a desejar.
Não recomendo. É preferível ficar em hotéis afastados do Centro, e depender de condução.

“É melhor dormir na chuva, que debaixo de um lençol que não nos entenda” – Autor desconhecido.


1º dia na Rota: De Fortaleza a Jericoacoara viajando com Paulo Off-Road Jeri.
2º dia na Rota: Jericoacoara – Lagoa do Paraíso e Lagoa Azul.
3º dia na RotaAndanças Por Jericoacoara.
4º dia na Rota: De Jericoacoara a Luiz Correia, PI.
5º dia na Rota: Carnaubinha Praia Resort em Luiz Correia, PI.
6º dia na Rota: Barreirinhas e Circuito Lagoa Azul.
7º dia na Rota: Santo Amaro do Maranhão
8º dia na Rota: Flutuação no Rio Formigas – Barreirinhas.
9º dia na Rota: De Barreirinhas (MA) a Jericoacoara (CE) – O Caminho de Volta e O Que Não Foi Visto na Ida.

A Ex Bem Cuidada POUSADA D’AREIA.
– Divino Cafeteria no Centro de Barreirinhas – É Divina!
– Hotel Villa Beija-Flor, em Jericoacoara.
– Hotel Villa Terra Viva, em Jericoacoara.



*****

 

 

 

 

 

 

BRASIL, MARANHÃO, MA: ROTA DAS EMOÇÕES COM PAULO OFF ROAD JERI (6º Dia: Barreirinhas e Lagoas)


IMAGEM DESTACADA: Lençóis Maranhenses.

NOSSO ROTEIRO

6º DIA na ROTA: Rolê por Barreirinhas e Circuito Lagoa Azul.

A porta de entrada para os Lençóis Maranhenses chama-se Barreirinhas – uma localidade que deixa a desejar em aparência e onde a falta de respeito dos motoristas pelo pedestre é significativa em determinados pontos da cidade. Continuar lendo BRASIL, MARANHÃO, MA: ROTA DAS EMOÇÕES COM PAULO OFF ROAD JERI (6º Dia: Barreirinhas e Lagoas)

BRASIL. ROTA DAS EMOÇÕES com PAULO OFF-ROAD JERI.(5º Dia: Piauí e Maranhão. De Luiz Correia, Pi – Carnaubinha Praia Resort – à Barreirinhas, Ma.)


IMAGEM DESTACADA: Por do Sol visto do Carnaubinha Praia Resort em Luis Correia, PI.
Continuar lendo BRASIL. ROTA DAS EMOÇÕES com PAULO OFF-ROAD JERI.(5º Dia: Piauí e Maranhão. De Luiz Correia, Pi – Carnaubinha Praia Resort – à Barreirinhas, Ma.)

BRASIL: Rota das Emoções Com PAULO OFF ROAD JERI (4º Dia: De Jericoacoara a Luiz Correia).


IMAGEM DESTACADA: Por-do-Sol visto da Praia de Carnaubinha, em Luis CorreaPiauí. Continuar lendo BRASIL: Rota das Emoções Com PAULO OFF ROAD JERI (4º Dia: De Jericoacoara a Luiz Correia).

BRASIL: Rota das Emoções Com PAULO OFF ROAD JERI (3º Dia: Jericoacoara).


IMAGEM DESTACADA: rua em Jericoacoara. Continuar lendo BRASIL: Rota das Emoções Com PAULO OFF ROAD JERI (3º Dia: Jericoacoara).

BRASIL: Rota das Emoções Com PAULO OFF ROAD JERI (2º Dia: Jericoacoara – Lagoas do Paraíso e Azul).


IMAGEM DESTACADA: Arredores de Jericoacoara. Continuar lendo BRASIL: Rota das Emoções Com PAULO OFF ROAD JERI (2º Dia: Jericoacoara – Lagoas do Paraíso e Azul).

BRASIL: Rota das Emoções Com PAULO OFF ROAD JERI – (1º Dia: de Fortaleza a Jericoacoara)


IMAGEM DESTACADA: A Hilux de Paulo – versão antagônica daquela que ficou famosa como “Princesinha do Agreste” em certa novela da TV -, pronta para qualquer parada. Continuar lendo BRASIL: Rota das Emoções Com PAULO OFF ROAD JERI – (1º Dia: de Fortaleza a Jericoacoara)

Reynaldo Antunes: ÁFRICA DO SUL – Safári Imperdível no Kruger Park.


Texto de Felipe Antunes
Fotos de Felipe Antunes e Marcos Antunes

Foi em conhecida rede social que reencontrei Reynaldo Antunes, com quem havia trabalhado nos anos 70.
Naquela época, desconhecia as paixões que o antigo colega e atual companheiro de blog confessa na apresentação de seu site de viagens http://www.bigornaviagens.com.br.

ESPORTE está no meu DNA. A FOTOGRAFIA é uma paixão antiga. E VIAJAR é o que mais gosto de fazer.
PLANEJAR uma viagem é otimizar tempo e despesas. E COMPARTILHAR as viagens com os outros é viajar de novo.
Juntando tudo isso, surgiu a ideia do BIGORNA VIAGENS.
Um site de EXPERIÊNCIAS DE VIAGEM procurando atender também a quem gosta de juntar turismo a lazer com esporte. 
Espero que vocês gostem.
Boa Viagem !

Reynaldo Antunes

Ontem à noite, ao visualizar sua última postagem, fiquei maravilhada com sua experiência na África do Sul. Viajei no texto, e por este motivo pedi licença à Reynaldo para compartilhar essa aventura com meu blog. Quem ama viajar sentirá a mesma emoção que senti. Bora prá Áfricaaa!!!

KRUGER é um parque nacional que fica na fronteira da África do Sul com Moçambique. Seu território é um pouco menor do que o do estado de Sergipe. Lá vivem todos os animais que você vê no National Geographic. É o destino mais procurado na África do Sul para quem deseja fazer um safári.

Apenas para facilitar a leitura, quando falarmos em CAMPING estaremos falando no acampamento onde você vai se hospedar. Na verdade não é um camping, como conhecemos no Brasil, onde você ficaria em uma barraca ou trailler. Na verdade são quartos, alguns até bem luxuosos. É como um hotel. Apenas usamos uma terminologia local.

COMO CHEGAR
Existem duas formas de chegar ao Kruger, que fica à cerca de 400 km de Joanesburgo:  de avião ou de carro. Eu escolhi a segunda, mas se você for alguns centavinhos mais corajoso, pode tranquilamente escolher a primeira opção.

Existem alguns pequenos aeroportos, bem pequenos mesmo, ao redor ou até mesmo dentro do Kruger. Existe um em Nelspruit, cidade próxima ao parque, e outro chamado Skukuza, mesmo nome do camping onde ficamos, que fica dentro do parque. Talvez existam outros, mas nem pesquisei muito quando vi o tamanho dos aeroportos e, principalmente, dos aviões que eu teria que pegar.

IMPORTANTE: caso você opte por ir de avião, não se esqueça de pesquisar onde você irá alugar seu carro para fazer os passeios (chamados game drive) dentro do parque . Você poderá fazê-los com os jipes do camping ou do parque. Se você também contratar com o seu camping o transfer do aeroporto e, depois, para o aeroporto, não há necessidade de alugar carro.

Eu aluguei o carro pela Budget, no aeroporto de Joanesburgo, e o devolvi lá mesmo, três dias depois. Como lá é mão inglesa optamos pelo carro automático para não ter que ficar mudando de marcha com a mão esquerda.
Na ida, foram 6 h de viagem até a porta do camping, contando duas paradas para lanche, outra no portão do Kruger pra fazer a entrada e uma leve errada de caminho.
Na volta, já mais espertos, fizemos em 5:30 h. Mas eu dirijo devagar, média de 100km/h. Dá pra fazer em 5 h ou menos.

As estradas são legais. Não é perrengue não. Próximo do Kruger ela piora um pouco, mas nada complicado. O pior que você vai pegar é uma estrada com asfalto honesto, mão dupla, uma faixa pra cada lado, sem canteiro central dividindo as pistas.

QUANDO IR
Optamos por ir no mês de agosto por ser um período onde a vegetação fica com poucas folhas e fica mais fácil ver os animais mais selvagens. Deu muito certo, mas vá preparado para o frio pois, no período noturno, a temperatura cai.
Uma outra vantagem de ir neste período é que a quantidade de mosquitos e insetos é menor.
O site rhinoafrica.com dá boas dicas sobre as diferenças de cada período.

MALÁRIA
O Kruger Park fica em uma zona de risco. Portanto, os cuidados são necessários.
primeira coisa a fazer é consultar o seu médico e seguir as orientações que ele lhe der.
Estando no parque não deixe de passar repelente, usar calça comprida e também camisa de manga comprida.
Em caso de qualquer sintoma procure o médico do seu hotel ou algum médico indicado por eles.
Mas vale registrar que durante os dias em que estivemos lá, em agosto, não vimos qualquer mosquito.

Aproveitando o tema, independentemente de ser região de risco ou não, não viaje sem um seguro saúde.
Imprevistos, como o que aconteceu conosco e relatamos neste post, podem acontecer.
Veja o que diz o site oficial SANPARKS.ORG. Eles fazem algumas considerações sobre o tema.

ONDE FICAR
Existe a opção de ficar dentro ou fora do parque. Ficar com muito conforto e luxo, algum conforto ou nenhum conforto. Enfim, opções para todos os gostos.
Ao redor do parque existem várias reservas particulares, anexas ao Kruger, que também têm animais, e oferecem acomodações de cinema. É tipo piscina, com drink na borda, com vista para os elefantes. Mas não é a minha praia…
Optei por ficar dentro do parque por alguns motivos:
– queria ter a sensação de dormir dentro do parque;
– é mais prático. Pela manhã é só ligar o carro, sair do camping e já começar a ver os animais circulando.
– você pode voltar ao camping a qualquer momento se quiser ir ao banheiro, comer alguma coisa, trocar de roupa…
– e até dar aquela dormida depois do almoço, se é que você gosta.

Escolhermos o SKUKUZA REST CAMP ( Na foto abaixo uma ala de bangalôs ).

Era o mais indicado, segundo as minhas pesquisas. O camping é bem grande. Tem posto de gasolina, bangalôs, centro de convenções, restaurante…

…uma loja que vende souvenires…

…e, o melhor… tem uma vista, na cara do gol, para o rio.

Esta bancada com a vista para o rio fica logo após o restaurante e fica protegida dos animais por uma cerca elétrica. 

É o local onde muitos animais aparecem. Eu vi uma manada de elefantes e duas hienas. E no fim da tarde ouvi alguns rugidos de leão. Bem impressionante!

Para fazer reserva basta acessar o site do SANPARKS (www.sanparks.org).
Esse é o site do órgão que administra todos os parques nacionais da África do Sul. Administra o Kruger e também o Parque do Cabo da Boa Esperança. Assim que entrar no site, tem que selecionar o Kruger Park e, aí sim, procurar pelos acampamentos.  Eu fiz e deu tudo certo. A diária num bangalô standard custa cerca de R$ 200.00 por pessoa. Achei honesto.
Ele tem um tamanho bom, chuveiro com água bem quente, ar condicionado, ventilador de teto, tela protetora contra mosquito em todas as janelas e, na varanda, frigobar e churrasqueira… sim, dá pra fazer churrasco. Na lojinha eles vendem tudo, carvão, carne, acendedor de fogo…

Um problema no SKUKUZA (é bom relatar)
Eu e meu irmão acordamos na hora recomendada para os passeios, por volta das 6 horas, e estávamos andando dentro do camping,  pelo deck que fica de frente para o rio, quando meu irmão pisou em cima de uma espécie de bueiro. A tampa estava solta e a perna dele caiu lá dentro. Deu uma machucada boa, mas poderia ter sido muito pior. Ele ficou com um ferimento na canela. O camping possui um médico. Só que o atendimento não é 24 horas. O médico só chegava às 7:30 da manhã, ou seja, mais de uma hora depois. Tivemos que ir ao bangalô para limpar o ferimento enquanto aguardávamos a chegada do médico.

Quando ele chegou havia uma fila de umas cinco pessoas. Pelo que entendi, ele atende e faz tratamento também para os funcionários. Ficamos na sala de espera e cerca de 30 minutos depois ele foi chamado. O médico fez o curativo e aplicou uma antitetânica. O material usado era lacrado, tudo em boas condições. No final de tudo, a surpresa. Tivemos que pagar cerca de 850 rands,  quase R$ 300.00. Mais caro do que uma diária do camping.

Considerando que o machucado do meu irmão foi causado por uma falha de manutenção do camping, fomos à recepção contestar a cobrança, certo de que ouviríamos, inclusive, um pedido de desculpas. Nada disso. O gerente da recepção disse que iria falar com o gerente geral e depois me daria uma posição. Até hoje estou esperando. Uma pena, pois, tirando esse problema, tudo funcionou muito bem.

GAME DRIVE – OS PASSEIOS GUIADOS
Optamos por fazer os passeios por nossa conta. Usamos o carro que já estava alugado. Era um carro normal, um Hyundai parecido com o HB20. Nada especial.
Dentro do Kruger existem estradas asfaltadas e de terra. As principais são de asfalto e as secundárias de terra. A estrada é bem sinalizada. Em todos os cruzamentos que passamos havia placa indicando a direção dos lugares e a distância até eles.
Ah, o Google Maps funcionou lá dentro. Como havia comprado um chip sul-africano no aeroporto, meu 3G funcionou quase que o tempo todo. Foi bem tranquilo nesse sentido.

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS PARQUES e CAMPINGS
O portão do parque e dos campings abre às 6 h e fecha às 18 h. Antes e depois desse horário não pode circular no parque. Se alguém perder a hora, leva uma multa salgada, fora o esporro.

Dentro do Skukuza tem um mapa do parque com as informações dos locais onde as pessoas avistaram cada animal, naquele dia e no anterior. Foi por ali que traçamos nossa rota do dia. Caso você não tenha acesso ao mapa, eu sugiro fazer uma rota perto dos rios ou de qualquer outro lugar que tenha água. Normalmente os animais passam por ali, né ? Deu muito certo conosco.

Veja abaixo os mapas dos nossos roteiros:

Rota feita na parte da manhã, sempre beirando os rios, onde os animais costumam ficar.

Rota feita na parte da tarde. O ponto de saída (ponto A) está coberto pelo ponto E, no mapa. Como vocês podem ver optamos por repetir uma parte do roteiro da manhã.

Nossos passeios foram bem tranquilos. Eu tinha alguns receios, mas correu tudo bem. Obviamente, há potencial para dar problema, mas existem algumas dicas que podem minimizar. Veja no final do post.

Assim que saímos já encontramos um búfalo no meio dos arbustos. E daí pra frente vimos leão, elefante, girafa, javali, veado, antílope, macaco, hipopótamo, leopardo…

Só faltou rinoceronte, dos chamados Big 5 (leão, elefante, leopardo, rinoceronte e búfalo).

 

Efetivamente nós só tivemos um dia inteiro de passeio. No dia da chegada só fomos do portão ao camping e, na saída, do camping ao portão. Mesmo assim nesses pequenos trajetos nós vimos bastante coisa.
Para nós foi o suficiente. Acho que mais um dia iria ficar meio cansativo. Mas aí depende de cada um.     Existem, também, passeios a pé e passeios noturnos com guias do parque. Nós não fizemos. Você pode se informar onde você estiver hospedado.
Para vocês terem uma ideia um pouco melhor do local fizemos dois pequenos vídeos. São esses abaixo.
1- Elefantes Param o Trânsito: https://www.youtube.com/watch?v=m9XFBV2O9u8&feature=youtu.be

2- Girafa na Pista: https://www.youtube.com/watch?time_continue=5&v=Zrt9UwpsaLA


DICAS DE SEGURANÇA PARA OS PASSEIOS

1. As vezes as estradas ficam interrompidas pelos animais. Se um elefante resolver sentar no meio da estrada, não tem o que fazer, a não ser esperar que ele levante e saia do caminho. Ou então dar a volta por outro lugar, o que pode aumentar seu trajeto em algumas horas.

MUITO IMPORTANTE: Evite deixar para voltar ao camping perto do horário de fechamento do portão. Esses imprevistos podem acontecer e o seu estresse vai ser grande.

2. Ande bem devagar. A velocidade máxima dentro do parque é 50km/h. Mas isso é rápido quando você está procurando um bicho no meio da vegetação. Nós achamos vários bichos que estavam bem camuflados justamente porque andamos bem devagar.

3. Fique atento com os elefantes. Em geral eles são muito tranquilos,  mas não queira vê-los irritados. Por isso há algumas atitudes preventivas indicadas pelo próprio parque. Uma delas é manter distância. Se eles se aproximarem, dê ré bem devagar e vá mantendo distância. Sem correr, pois pode assustá-los ou irritá-los. A segunda é sempre tentar ficar longe dos filhotes. Pois se a mãe achar que eles estão em risco, pode se tornar bem agressiva.


3. PASSAR REPELENTE!

4. NÃO ABRIR OS VIDROS.
Essa é uma regra que quase ninguém respeita. Acho isso bem perigoso e explico os motivos. Os animais normalmente andam em grupo, certo ? Por diversas vezes vimos um animal do lado direito do carro e nos viramos para esse lado. Depois, ao olharmos para o lado esquerdo, víamos que a outra parte do grupo estava lá. E quando você abre o seu vidro para fotografar um animal, naturalmente você não estará olhando para o outro lado do carro para saber se tem outro vindo. Se o animal for baixo você não irá vê-lo, já que estará focado na sua “fotografia premiada”. Numa dessas vem um animal pelo outro lado e avança em você. E não esqueça dos macacos que surgem do nada e gostam de “brincar”. A maioria dos acidentes ocorre por causa dessa imprudência. Portanto, não acho uma boa burlar essa regra.

5. TRANQUE AS PORTAS DO CARRO
Dá uma olhada nesse vídeo. Não aconteceu conosco, mas é bem didático.


Tá certo que ter história para contar é legal, mas não precisa exagerar.
Seguimos essas dicas e não tivemos qualquer problema.
No mais, aproveite. É uma experiência indescritível. Estar no habitat dos animais gera uma sensação de respeito sem igual. Em um zoológico você se sente superior, pois o animal está preso, sob controle. Ali, em plena selva, quem manda são eles. É uma inversão total de perspectiva.

Se você quiser mais alguma informação ou quiser tirar alguma dúvida é só usar o e-mail seguinte: reynaldo@bigornaviagens.com.br.

Viajar é fazer História. A sua História.
(Marilia B.G.)

 

BRASIL. CEARÁ, CE. JERICOACOARA – Hotel Villa Beija-Flor


IMAGEM DESTACADA: Parte Frontal das Acomodações. Todos os Quartos Têm Vista Para a Piscina.

O hotel está afastado em aproximadamente 400 m do Centro de Jeri e não em apenas 100 como anuncia o Villa Beija Flor em conhecido site especializado em hospedagem. Continuar lendo BRASIL. CEARÁ, CE. JERICOACOARA – Hotel Villa Beija-Flor

Experiências em Viagens/ Dicas