BRASIL, RN: Galinhos – Paraíso Que Não Se Define – Sente-se.


IMAGEM DESTACADA: entardecer em Galinhos, sem o recurso do Photoshop!!!

Éramos 5 em viagem (2011) e nosso roteiro começou em Galinhos. Quem nos transportou do aeroporto de Natal até lá foi o Sr. Moisés Sousa, capitão de uma empresa de turismo Continuar lendo BRASIL, RN: Galinhos – Paraíso Que Não Se Define – Sente-se.

BRASIL, SP – Restaurante Terral em Maresias – Comida Farta, Gostosa e Atendimento Gentil e Simpático.


O proprietário da Pousada Refúgio de Maresias havia nos indicado três restaurantes para jantar. Continuar lendo BRASIL, SP – Restaurante Terral em Maresias – Comida Farta, Gostosa e Atendimento Gentil e Simpático.

Em Paris Ou No Rio de Janeiro, Pedalar é Com Fernanda Hinke.


A jovem não para.  Em Paris ou no Rio, Fernanda Hinke gosta de sentir o vento acariciando seu rosto e desalinhando seu cabelo louro enquanto pedala. Continuar lendo Em Paris Ou No Rio de Janeiro, Pedalar é Com Fernanda Hinke.

BRASIL, SP – Pousada Refúgio de Maresias: Você, Entre a Mata Atlântica e o Mar.


Tratar-se de um ninho planejado com muito carinho entre a Mata  Atlântica e o mar, e cercado de jardins por todo os lados. Encontro total com a natureza, onde você adormece ouvindo Continuar lendo BRASIL, SP – Pousada Refúgio de Maresias: Você, Entre a Mata Atlântica e o Mar.

BRASIL, Rio de Janeiro – Mercearia da Praça, em Ipanema. Bom Demais da Conta, Sô!


Fomos em uma sexta-feira e voltamos dois dias depois. Ficamos fãs. A Mercearia foi inaugurada há poucos meses e já faz o maior sucesso na rua Jangadeiros, em frente à Praça General Osório. A Mercearia abre para café da manhã, almoço e jantar. Continuar lendo BRASIL, Rio de Janeiro – Mercearia da Praça, em Ipanema. Bom Demais da Conta, Sô!

BRASIL, SC – Praias de Paulo Lopes, Garopaba e Imbituba.


É inegável que foram os surfistas os responsáveis pela divulgação de Garopaba, Imbituba e arredores. Praias lindíssimas do sul do país que muitos ignoravam, Continuar lendo BRASIL, SC – Praias de Paulo Lopes, Garopaba e Imbituba.

BRASIL, Santa Catarina: Praia da Gamboa. Você a Conhece?


Pois é… Camboriú, Canasvieiras, Jurerê Internacional, Joaquina – a Joaca dos frequentadores assíduos – Rosa… Essas praias você sabe onde fica, né? E a Praia da Gamboa? Pois se nunca ouviu falar, vai saber agora aonde fica.

Saindo de Florianópolis, fácilmente você chega lá seguindo um simples mapa ou um GPS que não o deixe na mão.

Siga pela BR-101 em direção ao Sul, até encontrar a Saída 253 (direção: Paulo Lopes/Gamboa/Retorno). Logo adiante você encontrará uma bifurcação – siga à esquerda em direção à Gamboa. Continue seguindo as setas. Você terá que ter muita personalidade para errar o caminho porque as sinalizações estão ótimas! Mais adiante você encontrará mais uma placa indicando Gamboa e Siriú. Vire à direita para cair na Estrada Ribeirão Grande Gamboinha e daí “du seguereto todavida”.

A estrada é de chão, mas não é daquelas que acaba com seu carro. O desconforto fica por conta da poeira, mas vale à pena o passeio.
A primeira parada que fizemos foi na Igreja de São Pedro que, infelizmente, estava fechada e não pudemos visitá-la.

A essa altura do campeonato a estrada já mudou de nome e agora chama-se Estrada Paulo Lopes. Não me perguntem a quantos minutos do jogo houve essa troca, porque nem desconfio. Nem olhando a súmula Google Earth consegui descobrir. Mas, como isso é um mero detalhe, continue trafegando até avistar o mar.
A estrada mudará de nome mais uma vez – passará a se chamar Estrada Geral da Gamboa -, mas trata-se de um detalhe menor ainda que o primeiro. Agora, você já consegue ver o mar à sua esquerda e é isso o que interessa.

As fotos abaixo foram tomadas de um apêndice dessa estrada geral, e de um ponto onde não há mais como seguir – fim de linha.

Para sentir melhor o clima, clique aqui e assista ao vídeo. É rapidinho.

Essa praia é pouco conhecida e por isso conserva esse ar bucólico. Lembra o Costão do Santinho quando o conheci. A bem da verdade, em termos: quando estive no Santinho pela primeira vez não havia uma casa sequer!

O lugar estava  pacato (também…, fora de temporada…) e pareceu-me dispor apenas de recursos necessários para suprir o dia-a-dia dos moradores e veranistas. Estivemos em um restaurante onde tomamos um café e concluímos, pelo número de mesas e cadeiras, que a alta temporada na Gamboa deve ser um pouco movimentada.

Por outro lado, quem se arriscou em voos mais altos teve que fechar as portas – sinal de que não há consumidor para tanta evolução. Aiiinda!

Vê-se boas casas construídas nas proximidades da praia e da via principal, mas em ruas sem pavimentação; ou seja, aquele ar de que o “progresso está chegando” ainda não se revela, o que garante sossego por mais algum tempo. Até quando, não se sabe; por isso é bom aproveitar a natureza pura que a Gamboa ainda oferece: curtir seu mar despoluído que não se afoga em lixo, suas praias de areias finas que assobiam sob seus pés e suas ruas ainda emolduradas por vegetação nativa: uma florzinha amarela aqui… uma vermelhinha mais adiante… que avançam vagarosamente sobre a poeira das ruas e provam que por ali há muito não há quem atrapalhe tanta ousadia.

Gostamos da Praia da Gamboa.  Não nos demoramos e saímos de lá rumo à Garopaba e Imbituba, trafegando ao lado de belos e nutridos pastos.

Para quem desejar fazer esse trajeto toda atenção é pouca. Quem estava na direção do carro era meu irmão, conhecedor do Estado de Santa Catarina como a palma de sua mão.
Meu irmão trabalhou como coordenador de várias pesquisa no IBGE, incluindo as agropecuárias. Coordenava, mas saía, literalmente, em campo, o que lhe proporcionou explorar todo o Estado, por força de seu trabalho.
Em suas andanças passou por lugares inimagináveis, o que lhe rendeu muito assunto para escrever um bom livro, se o desejasse.
Ele não queria voltar para a BR-101 e sabia que poderíamos chegar a Garopaba trafegando por uma estrada de chão. O que fez então? Voltou pela mesma Estrada Paulo Lopes, mas até determinado ponto. Passou novamente em frente à Igreja de São Pedro e seguiu até encontrar a placa indicativa para… isso mesmo: Garopaba (Centro).

Nota: Em frente à igreja também há acesso a essa cidade (escrevi “essa cidade” para não ficar escrevendo “Garopaba” a toda hora, entende?), mas meu irmão preferiu ir um pouquinho mais adiante até encontrar a tal placa.
O cuidado a que me referi é o seguinte: neste trecho que vai da igreja até a placa indicativa da entrada para… Garô, todas estradas acessíveis à Siriú (nome de uma praia de G…..paba) por onde a gente passa, chamam-se Estrada Paulo Lopes e adentram por Garopaba! (agora não teve jeito…). Dê uma olhada na situação:

O bom de tudo isso é que tal qual na Itália – não dizem que todos os caminhos levam a Roma?-, aqui todos o levam à Garopaba. É a mesma coisa.

A lagoa que você vê na foto está assinalada no Google Maps como sendo do Coração. Entretanto, tenho registro de que seu nome é Lagoa do Ribeirão. E agora? Mas isso também não importa. O negócio é você trilhar pelo caminho certo.

Essa lagoa só é acessível a veículos de pequeno porte. Trata-se de um afluente do Rio da Madre, cuja foz está na Guarda do Embaú – aquele mesmo que você tem que atravessar de barco ou a pé para atingir a praia.

Corretores imobiliários não faltam! Por isso é preciso aproveitar a natureza abundante da Praia Gamboa enquanto é tempo, antes que se transforme em uma Guarda do Embaú (ou similares espalhadas pelo Estado), não muito longe dali.

Daí, moquiridu, pesquisa daqui, pesquisa dali, vejam o que acabei encontrando (datado de 04/5/2014):
https://ndonline.com.br/florianopolis/noticias/projeto-de-urbanizacao-em-area-verde-de-paulo-lopes-divide-opinioes-entre-moradores-da-regiao. Que fim teve essa conversa? Alguém sabe dizer?

Nosso próximo destino não fica distante da Praia da Gamboa. A bem da verdade, fica do outro lado do morro de onde cliquei aquela foto do alto; aquela do fim da linha.

Logo, logo chegamos à Praia de Siriú, que vemos em último plano nesta foto.

(Continua na próxima postagem)

ROSA CRISTAL comenta.

 

FRANÇA, Paris – Vagenende Brasserie – Herança Art-Nouveau no 6 ème.


Já havíamos passado pela porta da Brasserie Vagenende algumas vezes, quando me dei conta de que aquele era o restaurante indicado por uma brasileira Continuar lendo FRANÇA, Paris – Vagenende Brasserie – Herança Art-Nouveau no 6 ème.

Experiências em Viagens/ Dicas