Arquivo da tag: San Telmo

ARGENTINA, AR: Restaurante Desnível em Buenos Aires.


IMAGEM DESTACADA: Fachada do Prédio.

Os comentários são ácidos, mas… não pude me furtar: literalmente, o restaurante faz jus ao nome. Sim! Trata-se de um desnível sob diferentes aspectos.

As fotos não mostram a realidade. Assim que entramos não gostei da aparência. O restaurante é enfeitado, colorido, mas, deixa a desejar em limpeza. Estava cheio como se vê na foto – cheio de cadeiras vazias.

Abro e cardápio e vejo o aviso seguinte: aos domingos, de 12.00 h às 20.00 h, o restaurante só aceita dinheiro.
Até que faz sentido e acho que sei o porquê: aos domingos acontece a famosa e imensa feira de Sant Telmo e é nessa ocasião que o Desnível deve faturar.

Dentre as sugestões do cardápio, eu optei pelo peixe com purê de abóbora, outro desnível.
O peixe não tinha gosto nem de maresia! Prá ser sincera, não foi temperado nem com sal – comum na culinária portenha. E o purê de abóbora… acompanhou, literalmente, o peixe: sem “it” nenhum, como se dizia antigamente.

Meu fidelíssimo escudeiro pediu um Ravioli ao Molho Pesto, salvo pelos molho e queijo. Escapou.

O Desnível deveria ter ficado por conta da rampa que lhe deu o nome, mas ousou e foi bem além.

Desnível nas paredes que precisam urgente de uma limpeza…,

… na péssima aparência do bar que fica logo na entrada – o cartão de visitas da casa.

Os talheres da Tramontina e o suco de laranja vão para o trono.

Até nós cometemos um baita desnível: esquecemos do fantástico restaurante italiano Amici Miei, que já conhecemos de longa data, bem em frente à Praça Dorrego. Bastava seguir um pouquinho mais à frente. Se burrice matasse…

Qual o lado positivo desse tropeço? É errando que se aprende. Serviu para ficarmos espertos, e na próxima vez não passarmos nem pela porta!

Ah! E antes que me esqueça: na também indicada Brasserie Pétanque já nos serviram um prato de massa que era pura enganação. Reclamei, o garçom veio com aquela conversa de cerca-lourenço, muito blá, blá, blá, coisa e tal, mas não colou.
Para disfarçar minha radicalidade, aí vai a desculpa: era dia de feira. Tá! Mas cá prá nós, também não ouso voltar.  

ARGENTINA, Buenos Aires: A Casa do Doce de Leite.


FOTO DESTACADA: Fachada de Uma Das Lojas de San Telmo.

Endereços: Há dois endereços na Calle Defensa: uma no número 733, que está no mapa, e outra em frente à Praça Dorrego, no número 1060.
Horário de Funcionamento: De Segunda a Domingo, de 10.00 h às 20.00 h.


Nosso objetivo neste dia era a visita à Zanjón de Granada, alvo de uma próxima postagem, e fotografar a não menos conhecida Casa Mínima, bem pertinho.

Casa Mínima.

CALLE DEFENSA
Aconteceu que chegamos bem antes do horário marcado para a visita, e decidimos tomar um café e rever essa rua notável de Buenos Aires, igualmente foco de postagem futura.
Nessa de andar prá lá e prá cá, um toldo vermelho acabou nos chamando atenção. Quando lemos o nome da casa, atravessamos a rua e fomos bisbilhotar. Niki olhamos prá dentro da loja, cheguei a sentir o gosto dos doces-de-leite.

A DECORAÇÃO
chama atenção pelos móveis antigos que servem de apoio para os diversos tipos de mercadoria: doce-de-leite de diversas marcas e tipos, licores, alfajores, geléias, vinhos, temperos, chocolates, ervas-mate, cuias, açúcares, enfim, só me dei conta de que a charmosa loja trata-se de um pequeno e especializado mercado, ao recrutar as fotos para postar.
As embalagens são tão requintadas quanto algumas peças que compõem a decoração. Requinte descontraído por uma vaquinha que faz plantão na porta e por uma imensa bandeira da Argentina.

Com calma fui apreciando móveis, espelhos e produtos que o recepcionista brasileiro Raphael apresenta com muita simpatia, cordialidade e técnica. Ele se aproxima de mansinho…, assim como quem não quer nada…, cumprimenta educadamente…, pergunta se você já conhece a loja… e daí, môquirido, quando você se dá conta, já tá envolvido com tudo. Senti-me Alice no País das Maravilhas.

No armário antigo pintado de branco da foto abaixo, bules de metal e porcelana, garrafas decorativas de vidro, potes, porta-retratos e miniaturas da Mafalda também estão à venda. Por estarem protegidos na vitrine, em um primeiro momento pensei que fizessem parte de “Móveis e Utensílios”, mas me enganei.

 

 

 

 

 

 

Para cada marca há uma degustação.

Não há escapatória: a loja aceita dólares e reais, e o câmbio não era mau. Portanto, fica o aviso óbvio: você terá que ter uma personalidade muito forte para sair de lá sem comprar alguma coisa.

Granola e doce de leite sem açúcar também fazem parte das tentações.
Nesta loja compramos várias caixas de alfajores de chocolate para presentear os amigos – preciosidades da culinária portenha que não pesam na mala.

Neste armário branco estão: açúcar orgânico, açúcar integral mascavo, mel e geléias.

Erva mate de diversas procedências (com ou sem mirtilo), cuias de tamanhos variados, garrafas térmicas e outros produtos gauchescos estavam separados nessa estante.

Nesta cristaleira sabores diversos de geléias sem açúcar pareciam acenar para nós. Aqui não tive dúvida: trouxemos alguns vidros. Ficamos com um e oferecemos os demais como presente.

A vaquinha símbolo-marca é plantonista na porta da loja, e figura nas bolsas de compras.

Ah! Quase ia me esquecendo: caixinhas de chás e chocolates você também poderá adquirir na La Casa del Dulce de Leche. Bate um bolão.

*****