Arquivo da categoria: NÃO CAIA NESSA!

Furadas.

BRASIL. CEARÁ, CE – ROTA DAS EMOÇÕES – 10º DIA: Onde Não Se Hospedar em Fortaleza.


IMAGEM DESTACADA: A FACHADA ENGANADORA – instalações que deviam ser condenadas! pela Saúde Pública.

NOSSO ROTEIRO
10º Dia na Rota: De Jericoacoara a Fortaleza.

Na saída da Vila tivemos a sorte de passar por um ninho de caburés. Como era de se esperar, os filhotes estavam devidamente protegidos pela melhor das sentinelas: a mãe. Cena mais fofa na qual nos demoramos por alguns segundos. Foi uma bela despedida de Jeri.

Em Fortaleza, Paulo (Off-Road Jeri ) nos deixou na porta de um dos piores hotéis (?) por onde já passei na vida.
Nem vou me estender em considerações, porque as fotos mostram fielmente o estado repugnante do quarto bem melhor do que qualquer argumento.
No primeiro apartamento que nos foi designado, a única coisa que se aproveitava era a vista:

A fachada engana. E muito! Recepção e corredores estão em condições habitáveis e é só.

Porém, os quartos…
A primeira surpresa: o quit de banho em cima da cama, com preço!

O primeiro quarto que nos destinaram era um horror! A madeira podre que servia de porta do banheiro estava quebrada e por isso não fechava.
Solicitamos outro quarto e nos ofereceram esse que você vê nas fotos, no primeiro andar. Não soubemos dizer qual o pior.


Neste, a janela tinha a fechadura quebrada, o ar condicionado quebrado e sem o controle! Todas as vezes que a vítima desta pocilga quisesse alterar a temperatura, tinha que chamar alguém da recepção para levar o controle até seu quarto nojento.

Nem a imagem da TV presta!

Paredes imundas, quebradas e com infiltrações.


Lixeira sem tampa… Vaso sanitário com acabamento de plástico flexível, vagabundo demais, estava sem um parafuso de ajuste.

REJUNTES IMUNDOS!
BANHEIRO NOJENTO!


Portas e alisares podres!


Quem pode confiar em uma tomada dessas?


Nada no frigobar, a não ser a água que compramos.


Café da manhã bom – total contraste com o deplorável estado de conservação dos quartos e banheiros. Foi o que escapou além da vista do primeiro quarto que nos destinaram.

Para encerrar o alerta, observem o horário de encerramento da diária: 11.59 horas. Só pode ser piada!!! Passou desse limite, istepô, vai pagar outra diária.

Isto significa, mô-quirido, que antes de você entrar neste quarto repugnante, acerte seu relógio. Caso contrário…, amargará o valor de outra diária.

O acabamento da caixa d’água que chamam de piscina.
Decomposição do que anunciam como “hotel”.
Como o elevador demora séculos para fechar a porta, daí, para o veículo não ser importunado, a solução foi retirar o botão acelerador de fechamento de portas.

NOTA: Os hóspedes sobreviventes a tanta insalubridade é que deveriam ser indenizados pelo Samburá Praia, por terem sido expostos a ambientes excessivamente contaminados por fungos e bactérias.

Onde estão os ÓRGÃOS OFICIAIS do TURISMO, que admitem uma biboca patógena como essa a funcionar como hotel?

*****

 

 

 

 

BRASIL, MARANHÃO, MA – Barreirinhas: A Decepcionante e Mal Cuidada Pousada d’Areia.


IMAGEM DESTACADA: Placa da Pousada (para não deixar o item em branco)

Em 2010 tratava-se de uma pousada simples, mas muito boa e confortável para os padrões da época: quartos grandes, bons colchões e travesseiros, varanda com rede, bom café da manhã.
Um prédio estava sendo construído perpendicularmente àquele em que estávamos, mas não incomodava. Ficamos em um quarto no primeiro andar, servido por escadas. Naquela época, não havia necessidade de elevador.
A pousada tinha boa aparência e era limpa; a entrada era pela rua principal, em frente à duna. Melhor ponto, impossível.

Em agosto de 2018
encontramos o panorama totalmente modificado: outro prédio foi construído onde antigamente era a recepção; por ser bem mais alto que os demais, a colocação de um elevador foi necessária.

O QUARTO
que nos destinaram foi decepcionante: sem colcha, mesas de cabeceira sem um abajur,  iluminação precária, tecido grosseiro ( corta-luz) fazendo as vezes de cortinas, lixeira sem tampa no banheiro e toalheiro despencado que só após 3 reclamações concertaram-no decentemente. E o café da manhã, servido no mesmo lugar e com os mesmos ingredientes de 2010, continuava simples, mas bom.

Cabides de arame de baixíssima qualidade (e tortos) disputavam a péssima qualidade com aqueles antigos (e nojentos) de madeira em um cabideiro na entrada do quarto.

A varanda não foi limpa uma vez sequer em quatro pernoites. Culpa de quem? Da duna localizada do outro lado da rua. Duna porca, essa…

A exceção da regra: enquanto o horário normal de saída dos quartos dos hotéis costuma ser às 12.00 horas, a Pousada d’Areia não admite passar 1 minuto após 11.30 horas! A meu ver, um absurdo sem tamanho, inda mais pela qualidade da pousada.

Na foto, a duna culpada pela sujeiras das varandas dos apartamentos de frente prá rua.

 

Frigobar sem absolutamente nada dentro. Pelo andar da carruagem, entendemos que o controle do refrigerador implicaria em mais trabalho para algum funcionário. As geladeiras ficam na recepção.
O copo de plástico com que municiam os quartos acompanha a falta de qualidade dos cabides, da lixeira do banheiro, da falta de colcha na cama etc. – era o mais ordinário possível.
Para podermos tomar água e o dito cujo não dobrar, chegamos a colocar um dentro do outro, mas não deu certo. Para não corrermos risco de perder a água, optamos por bebê-la na garrafa.

O relaxamento é visível em todo o hoel: os canteiros próximos à recepção, que poderiam ser bem tratados, acumulam sobras de obra.
No prédio novo vimos grossos  furos nas paredes gerados por furadeiras, mas não emassados. Ou seja: prédio novo com elevador, coisa e tal, mas já revelando relaxamento.

Os proprietários continuam simpáticos, amáveis e receptivos, mas não cuidam mais de sua pousada como antes. É lastimável.
O ponto é excelente! Fosse a pousada bem cuidada, bem arrumada (o que não significa luxo, de maneira alguma!) e equipada com roupas de cama e banho de boa qualidade, cortinas e colchas decentes, seus hóspedes estariam acomodados em quartos que fariam jus ao preço da diária cobrado.  Mas… deixa muito a desejar.
Não recomendo. É preferível ficar em hotéis afastados do Centro, e depender de condução.

“É melhor dormir na chuva, que debaixo de um lençol que não nos entenda” – Autor desconhecido.


1º dia na Rota: De Fortaleza a Jericoacoara viajando com Paulo Off-Road Jeri.
2º dia na Rota: Jericoacoara – Lagoa do Paraíso e Lagoa Azul.
3º dia na RotaAndanças Por Jericoacoara.
4º dia na Rota: De Jericoacoara a Luiz Correia, PI.
5º dia na Rota: Carnaubinha Praia Resort em Luiz Correia, PI.
6º dia na Rota: Barreirinhas e Circuito Lagoa Azul.
7º dia na Rota: Santo Amaro do Maranhão
8º dia na Rota: Flutuação no Rio Formigas – Barreirinhas.
9º dia na Rota: De Barreirinhas (MA) a Jericoacoara (CE) – O Caminho de Volta e O Que Não Foi Visto na Ida.

– Divino Cafeteria no Centro de Barreirinhas – É Divina!
– Hotel Villa Beija-Flor, em Jericoacoara.
– Hotel Villa Terra Viva, em Jericoacoara.
– Conto de Fadas – Onde Comprar em Jericoacoara.
O Charme do Comércio de Jeri.
– O Quintal Mais Badalado da Vila.
– Onde Almoçar em Barreirinhas. Ou não.



*****

 

 

 

 

 

 

BRASIL, MARANHÃO, MA: ROTA DAS EMOÇÕES COM PAULO OFF ROAD JERI (6º Dia: Barreirinhas e Lagoas)


IMAGEM DESTACADA: Lençóis Maranhenses.

NOSSO ROTEIRO

6º DIA na ROTA: Rolê por Barreirinhas e Circuito Lagoa Azul.

A porta de entrada para os Lençóis Maranhenses chama-se Barreirinhas – uma localidade que deixa a desejar em aparência e onde a falta de respeito dos motoristas pelo pedestre é significativa em determinados pontos da cidade. Continuar lendo BRASIL, MARANHÃO, MA: ROTA DAS EMOÇÕES COM PAULO OFF ROAD JERI (6º Dia: Barreirinhas e Lagoas)

ARGENTINA, AR: CALOTE! CUIDADO AO PAGAR SUA CONTA no CYAN RECOLETA HOTEL em BUENOS AIRES.


IMAGEM EM DESTAQUE: Recoleta, vista parcialmente do hall de elevadores do Cyan Recoleta Hotel.

O objetivo desta postagem é alertá-los, sem rodeios, para o fato desagradabilíssimo em que uma funcionária do Cyan Recoleta Hotel me envolveu em março último.

Dia 29/3/2018 tínhamos intenção de sair do hotel em torno de 10.00 h.
Pagaríamos nossa hospedagem e seguiríamos tranquilamente para o aeroporto. Trâmites de embarque, almoço, compras em free-shop… até a hora do embarque teríamos muito tempo.

O INÍCIO DO CALOTE
Aconteceu que ao pagarmos nossas despesas, a funcionária que trabalha na recepção do hotel, de nome Cele…. errou no cálculo e nos cobrou US$ 69,30 (sessenta e nove  dólares e trinta cents) a mais. Foi aí que começou o rolo!

Seria razoável, no mínimo, que o Sr. Emiliano M., intitulado FO Supervisor de Recepção, tivesse nos devolvido o valor cobrado a maior – em Reais ou Pesos, não nos importaríamos em que moeda fosse – e depois se acertasse com hotel. Mas, não!…
O que fez o  Supervisor? Como estávamos pagando as despesas com Cartão de Débito, e não houve como estornar a operação, o supervisor transferiu a responsabilidade deste pagamento para a operadora do cartãoCobraram a mais, não nos ressarciram do prejuízo, e ainda transferiram a obrigação deste pagamento para terceiros! Fácil, não?

O tempo passava. Já eram 12.35 h quando deixamos o Cyan Recoleta, sem receber um tostão, mas esperançosos de que o impasse fosse resolvido.
Qual o quê! Dias após, recebo do Sr. Emiliano M. mensagem de uma empresa chamada First Data,  afirmando que tratava-se da confirmação do crédito em minha conta-corrente.
Mentira! Na mensagem não havia meu nome como titular do crédito, nome do Banco a ser creditado, número de conta, nada.

FIRST DATA
A empresa é sediada em São Paulo. Liguei para lá, mas fui informada pela recepcionista de que não lidam com pessoas físicas. Orientou-me no sentido de me comunicar com o hotel e passar essa informação para o Sr. Emil….., que me retornou um e.mail alegando que o telefone de que dispõe está incapacitado de ligar para o Brasil…

“Marilia,

Eu tentei comunicar com first data brasil, mas nao e posivel conseguir a ligacao ja que meu numero de comercio somente corresponde a Argentina. Si voce tem um numero de contacto directo eu posso fazer uma ligacao, mas si é uma maquina a que responde nao posso fazer nada. Alem de isso, como eu falei antes o dinheiro do hotel ja saliu.
Saudacoes”
 A importância saiu do hotel, mas deve estar viajando por aí. Em minha conta nada foi creditado até hoje, 12/6/2018.

RESUMO DA ÓPERA: CALOTE!!!
Fomos lesados em US$ 69,30, e, a meu ver, a indiferença com que este único e incapaz funcionário está lidando com a situação seria a mesma, não importando o valor devido.
Até o momento não recebemos um tostão sequer!
O hotel é bem localizado, o café da manhã é bom, mas… cuidado na hora de pagar sua conta. Principalmente se a dupla Emil…. e Cel… estiver na recepção.

NB: Pertences que comprovam nossa presença no hotel.

E como dizia o gênio chamado Paulo de Tarso Carvalho (tive a honra de ser sua aluna), erro de “vai um” é fogo!

NOTA: Após o ressarcimento da importância que me é devida, a postagem será cancelada.

*****

 

ARGENTINA, AR: El Calafate – Aviso Aos Navegantes. Literalmente!


FOTO em DESTAQUE: Glaciar Spegazzini.

AVISO AOS NAVEGANTES!

1- PARA QUEM PARTE DE EL CALAFATE:
Sabemos que as principais atrações desta cidade incluem navegação  e por isso gostaria de chamar atenção para o que oferecem as empresas de turismo. “Foca em mim!”

Em outubro de 2017 adquirimos 05 (cinco) passagens para um passeio intitulado Glaciares Gourmet, anunciado no site da Brasileiros em Ushuaia e executado pela empresa MarPatag.
Esta navegação marcada para o dia 17/3/2018 foi agendada com muita antecedência – só 5 meses antes.
Brasileiros em Ushuaia encarregou-se apenas de mediar a transação entre nós, passageiros, e a executora do serviço. Mesmo com participação mínima no filme, ambas acabaram se destacando ao fazer bonita caca na fita.

Em 14/3/2017, ao desembarcarmos em El Calafate, ainda na porta do aeroporto recebemos a relação dos programas a serem cumpridos na cidade, e verifiquei que desta lista não constava o Glaciares Gourmet!
Para encurtar a conversa: perdemos mais de duas horas correndo atrás, literalmente, dessa omissão – a primeira caca.
Acertados os ponteiros, concluí que nosso prejuízo foi fruto da falta de atenção de algum funcionário (ou alguns?) da Brasileiros em Ushuaia. O que aconteceu? Digitaram incorretamente o nome da operadora deste passeio. Obviamente, nosso nome não poderia constar da lista que me foi entregue.
Pergunta: a emissão dos vauchers teria passado por conferência? Tudo indica que não.
Tem mais: nessa corrida atrás do prejuízo, fomos parar na operadora cujo nome constava erradamente nos vauchers. Lá, um funcionário brasileiro também falhou na informação que nos prestou! Ou seja: uma sequencia de erros de parte das duas empresas de turismo, que nos trouxe aborrecimentos de sobra e desnecessários. Mais caca! Mais caca!
Gastos com viagem para divertimento é uma coisa; agora…, gastar dinheiro para nos aborrecermos, e ainda herdarmos relaxamento, indiferença, falta de atenção, incompetência etc. de empresa de turismo, no mínimo, é muita falta de respeito!

2- CHEGOU A VEZ DA MARPATAG…
Aconteceu que do glaciar Upsala, incluído no roteiro desta empresa (o que compramos na Brasileiros em Ushuaia…), não tivemos notícia.
A foto de autoria do senhor Rui Barbosa Batista, obtida na internet, não me deixa nenhuma dúvida – não chegamos até lá. Não navegamos nem próximos a alguma paisagem parecida.

Foto de autoria de Rui Barbosa Baptista.

Estou reclamando com a MarPatag para saber o porquê de não termos sidos avisados dessa mudança na programação, mas a explicação é sempre a mesma: argumentam que por questões de segurança e/ou navegabilidade, o capitão tem livre arbítrio para modificar o roteiro.
Hoje, 18/5/2018, filmei página por página do site desta empresa e não vi um aviso sequer a respeito de mudanças de roteiros seja por que motivo for. Não há!
Esta semana recebi mensagem de um funcionário de expressivo departamento público brasileiro em Buenos Aires, informando que a Argentina não conta com serviço forte de proteção ao consumidor. Nem preciso dizer que é justamente esse desamparo que estou sentindo na própria pele, não só com a indiferença, relaxamento, sei lá, da Mar Patag, como com o Cyan Recoleta Hotel, que me deve US$69,30 desde 29/3/2018 por cobrança a maior de hospedagem e até o momento não se dignou em me devolver.

3- NESTE CASO DO DESCUMPRIMENTO DO ROTEIRO,
convenhamos: o passageiro dispende suadas economias  para visitar determinada atração, mas pode não conseguir seu objetivo por conta de uma decisão do capitão, que você não sabe se é verdadeira ou não!..
Que passageiro vai discutir uma alegação do tipo “tem muito gelo na pista e podemos derrapar; é impossível navegar até ao Upsala?” E fica por isso mesmo!…
Mas o pior nem foi isso! É que não anunciaram as mudanças do roteiro!… Informam pelo alto falante as características dos principais pontos visitados (dos principais!…) e fica por isso mesmo.

4- SENSÍVEIS, MAS GRANDES DIFERENÇAS.
Há empresas que têm consideração e delicadeza para com seus passageiros e informam essa possibilidade nas páginas de seus sites. A bem da verdade, os passageiros nunca saberão se essas modificações procedem, mas…, pelo menos, foram avisados. Ou enganados?
De qualquer forma, esses avisos prévios funcionam.  Nem que seja psicologicamente, mas funcionam.  Mas, por que será? Porque acabamos achando que o capitão jamais faltará com a verdade? Nessas situações, não tem ‘Ai, ai, meu Deus” e nem “tudo bem, minha fia”. Suas decisões, mesmo a contra gosto,  sempre terão que ser acatadas (e como ser diferente?) pelos inocentes passageiros.  Como saber a verdade?

5- BONS EXEMPLOS:
1- O site https://www.visitecalafate.com, explica essa situação:
“… el catamarán se aproximara al Glaciar Upsala para tener una vista panorámica del mismo (la aproximación será la permitida por Parques Nacionales por seguridad), luego navegaremos el Canal Spegazzini, donde…”
“…El recorrido puede ser modificado en función de las condiciones climáticas y de seguridad por decisión del capitán de la embarcación, Prefectura Naval Argentina o Parques Nacionales.”

2- Outro site, o https://es.viator.com, também inclui uma nota no site: “Nota importante: el itinerario puede variar en función de las condiciones del clima y por motivos de seguridad.”

3- Outra empresa, a https://www.getyourguide.com.br, também anuncia essa possibilidade:
Bom Saber Antes: A excursão pode sofrer alterações em virtude das condições climáticas e, também, com base na decisão do capitão da embarcação em nome da segurança.”

É aceitável modificar, ou até mesmo cancelar uma navegação deste tipo, por conta de um temporal inesperado, uma nevasca… Agora, em dia claro, sem chuva, sem ventania, e de águas calmas!… Façamiofavô! O não cumprimento de um roteiro em um dia desses fica muito estranho! É até ofensivo!, é menosprezar a inteligência dos pagantes!

6- RESUMO DO CAPÍTULO
Daí, amigo, concluo que você joga com a sorte caso não encontre uma empresa que garanta que você chegará a seu destino. Agora, que elas existem, existem. Tenho uma amiga que saiu de Puerto Bandera para visitar o Glaciar Upsala e chegou lá. Já estou providenciando nome e endereço. Vai que, na próxima, não consiga visitá-lo?
E para que não haja dúvidas, basta clicar neste link para você ver que passeio lindo ela fez ao glaciares Spegazzini e Upsala.

CONFIRA TUDO. ATÉ O ÓBVIO!

 

ARGENTINA, AR: Restaurante Desnível em Buenos Aires.


IMAGEM DESTACADA: Fachada do Prédio.

Os comentários são ácidos, mas… não pude me furtar: literalmente, o restaurante faz jus ao nome. Sim! Trata-se de um desnível sob diferentes aspectos.

As fotos não mostram a realidade. Assim que entramos não gostei da aparência. O restaurante é enfeitado, colorido, mas, deixa a desejar em limpeza. Estava cheio como se vê na foto – cheio de cadeiras vazias.

Abro e cardápio e vejo o aviso seguinte: aos domingos, de 12.00 h às 20.00 h, o restaurante só aceita dinheiro.
Até que faz sentido e acho que sei o porquê: aos domingos acontece a famosa e imensa feira de Sant Telmo e é nessa ocasião que o Desnível deve faturar.

Dentre as sugestões do cardápio, eu optei pelo peixe com purê de abóbora, outro desnível.
O peixe não tinha gosto nem de maresia! Prá ser sincera, não foi temperado nem com sal – comum na culinária portenha. E o purê de abóbora… acompanhou, literalmente, o peixe: sem “it” nenhum, como se dizia antigamente.

Meu fidelíssimo escudeiro pediu um Ravioli ao Molho Pesto, salvo pelos molho e queijo. Escapou.

O Desnível deveria ter ficado por conta da rampa que lhe deu o nome, mas ousou e foi bem além.

Desnível nas paredes que precisam urgente de uma limpeza…,

… na péssima aparência do bar que fica logo na entrada – o cartão de visitas da casa.

Os talheres da Tramontina e o suco de laranja vão para o trono.

Até nós cometemos um baita desnível: esquecemos do fantástico restaurante italiano Amici Miei, que já conhecemos de longa data, bem em frente à Praça Dorrego. Bastava seguir um pouquinho mais à frente. Se burrice matasse…

Qual o lado positivo desse tropeço? É errando que se aprende. Serviu para ficarmos espertos, e na próxima vez não passarmos nem pela porta!

Ah! E antes que me esqueça: na também indicada Brasserie Pétanque já nos serviram um prato de massa que era pura enganação. Reclamei, o garçom veio com aquela conversa de cerca-lourenço, muito blá, blá, blá, coisa e tal, mas não colou.
Para disfarçar minha radicalidade, aí vai a desculpa: era dia de feira. Tá! Mas cá prá nós, também não ouso voltar.  

BRASIL, Rio Grande do Norte: Parrachos de Maracajau. Cuidado Para Não Dar Com os Burros N’Água!


IMAGEM DESTACADA: Ponta dos Anéis, Maracajaú, RN.

O objetivo desta postagem é alertá-lo para o que considero turismo ganancioso e fraudulento. Atenção! Continuar lendo BRASIL, Rio Grande do Norte: Parrachos de Maracajau. Cuidado Para Não Dar Com os Burros N’Água!

BRASIL, RN – Maracajaú. Parrachos, Pousada Ponta dos Anéis, Manoa Park e Tereza Pança.


IMAGEM EM DESTAQUE: Ponta dos Anéis, Maracajaú.

MARACAJAÚ
é uma comunidade do litoral de Maxaranguape (aproximadamente 2.000 habitantes), município do Rio Grande do Norte. Continuar lendo BRASIL, RN – Maracajaú. Parrachos, Pousada Ponta dos Anéis, Manoa Park e Tereza Pança.

ARGENTINA, AR. El Calafate: Estância Cristina, OK. PONTO DE VISTA DO GLACIAR UPSALA: Tremenda Furada!


IMAGEM DESTACADA: antiga roda d’água da estância.
Roda de água sub axial – como o próprio nome indica, neste tipo de roda a água passa por baixo de seu eixo.

Continuar lendo ARGENTINA, AR. El Calafate: Estância Cristina, OK. PONTO DE VISTA DO GLACIAR UPSALA: Tremenda Furada!

ARGENTINA, AR: El Calafate – Ponto de Partida Para Diversas Atrações da Patagônia (parte I)


FOTO em DESTAQUE: Aterrissando em EL CALAFATE.
Na foto vemos o Rio Santa Cruz.

Abaixo: Lago Argentino, um dos berços do Rio Santa Cruz. Sua nascente, na verdade, é no Lago Viedma.

NÃO CAIA NESSA! O MAU SERVIÇO do receptivo Huellas del Sur.
(No início, meio e fim)

A responsabilidade do transfer aeroporto-hotel ficou a cargo de uma empresa de turismo que deixou a desejar em seus serviços – a Huellas del Sur  (7 de diciembre, 29, local nº 2), quase ao lado do hotel em que nos hospedamos. Continuar lendo ARGENTINA, AR: El Calafate – Ponto de Partida Para Diversas Atrações da Patagônia (parte I)