Arquivo da categoria: NÃO CAIA NESSA!

Furadas.

FRANÇA . PROVENCE . SAULT . HOTEL LE SIGNORET – O Relato Das Agressões Físicas Sofridas Por Uma Brasileira Pelo Proprietário Deste Hotel . Você Precisa Saber!


IMAGEM DESTACADA – Vista Parcial da Cidade.

Sault está situada no Departamento de Vaucluse,  região administrativa da Provença-Alpes-Costa Azul.
Lá você poderá conhecer o Museu da Lavanda, interessantíssimo, e ainda adquirir produtos derivados da flor mais famosa do Sul da França no Chateau du Bois.

Minha postagem foi publicada em 10/9/2015. Quatro anos após, justo no dia 10/9/2019, uma brasileira foi vítima das agressões de um animal no Hotel Le Signoret.

A imagem tranquila e bela que se vê na IMAGEM DESTACADA nada tem a ver com a estupidez, agressividade, truculência e deboche com que a brasileira Kátia D. foi tratada no hotel em que reservou por intermédio do Booking.com.

ATENÇÃO!
Ao ler o comentário de Kátia fiquei estarrecida. Não sei o que faria em uma situação dessas…
A título de alerta fui autorizada pela própria brasileira a publicar seu relato. Na verdade, um desabafo em que narra com requinte de detalhes a agressão física que sofreu nesta cidade.

O DESABAFO

“Bom dia!
Estive em Sault no início desse mês, especificamente no dia 10 de setembro. Infelizmente não foi possível ver os campos de lavanda floridos pois elas já haviam sido colhidas. Mas mesmo assim a cidade é encantadora! É um vilarejo que parece ter saído dos contos de fadas! Tão pequeno e tão acolhedor! E com uma vista deslumbrante (mesmo sem as florzinhas…). E o dia da feira de produtos típicos!!! É de enlouquecer de tantas cores, frutas, queijos, vinhos e MUITAS coisas feitas com lavanda, inclusive artesanato… uma delícia! Agora em setembro a feira foi na quarta-feira mas não sei se muda ao longo do ano. Adoramos! Mas infelizmente tivemos um problema muito sério e gostaria de registrar aqui para evitar que outros turistas passem pela experiência horrível que passamos.

Já havíamos passado por Sault em uma viagem anterior, mas esse ano queríamos passar pelo menos uma noite lá para aproveitar ainda mais.
Como é uma cidade muito pequena mesmo havia pouquíssimas opções de hotel e sabíamos que não haveria nada muito luxuoso. Acabamos optando pelo hotel Le Signoret pois era em cima de um restaurante onde já tínhamos almoçado e sabíamos que era bem no centro da cidade.
A diária do hotel já foi cobrada do cartão no ato da reserva 3 meses antes da viagem, mas tudo bem pois isso estava descrito no Booking. Achei estranho pois logo depois recebi uma mensagem do hotel dizendo que eles já precisavam saber meu horário de chegada, de saída, se ia tomar café da manhã no hotel e se ia usar estacionamento.
Informaram que a Recepção do hotel funcionava das 16:00 às 19:00. Valores descritos: Chegada antes das 16:00 – 20 Euros, Check out após às 11:00 – 40:00 Euros, Estacionamento – 40,00 Euros por dia e café da manhã – 20,00 Euros por pessoa. Gente!! Era um hotel super simples e a diária custava 50 Euros! E como eu já havia passado por lá eu já sabia que a cidade possui uns bolsões de estacionamento onde você pode estacionar GRATUITAMENTE, sem risco nenhum pois a cidade é muito segura! Enfim, chegamos no hotel na data marcada, um pouco antes para aproveitar a cidade. Às 16:00 fomos para o hotel fazer o check in, esperamos até 16:30, ninguém chegou, porta trancada e luzes apagadas. Ligamos diversas vezes para os telefones de emergência que constavam num cartaz na porta mas ninguém atendeu.
Fui até o Office de Turisme e perguntei se ela podia me ajudar mas ela disse que com esse hotel ela não tinha nenhum contato pois eles davam muito problema. E me deu um panfleto contendo os outros hotéis da cidade caso tivesse problema com esse. Preciso dizer que saí de lá bem preocupada…
Passou um carro de polícia e eu chamei, perguntei se eles podiam me ajudar pois tinha uma reserva para aquela noite já paga, já era por volta das 17:00 e o hotel estava fechado.
O policial foi comigo lá e ligou para o telefone de emergência. A pessoa atendeu, disse a ele que já tinha me passado um e-mail com a senha da porta e dizendo onde estava a chave do meu quarto, o que era mentira, esse e-mail chegou bem depois que o policial foi embora.
Entramos, fomos para o quarto, que era HORRÍVEL! Precário!! Só faltava ter beliches, o resto era um terror, tinha até cheiro de mofo! Quando escutei que alguém chegou na Recepção, que já era por volta das 17:30, fui até lá.
Fui tratada com deboche, ironia e desrespeito. Falei que queria meu dinheiro de volta e que não ficaria naquele lugar. Ela se recusou a me devolver meus 50 euros já pagos e eu perguntei: e os 20 euros que você deve me pagar? porque se eu chegasse antecipada ou atrasada eu teria que pagar, você chegou quase duas horas atrasada. Ela gargalhou e disse que isso só valia para turistas e não para o hotel. Enfim, pegamos nossas malas e fomos embora de lá.
O gerente ficou na porta GRITANDO para irmos embora logo pois não éramos bem vindos lá. Acredito que essa reação tenha sido porque pedi ajuda para a polícia.
Fui para o hotel Le Relais, indicado pelo Office de Turisme. Uma gracinha de hotel! Fui muito bem recebida! O quarto era simples mas muito aconchegante, espaçoso e o chuveiro delicioso! Finalmente pudemos descansar e passamos muito bem a noite. E no dia seguinte era a feira! Sensacional, passeamos por tudo e paramos em cada barraca. Quando nos demos conta estávamos em frente ao restaurante do hotel Le Signoret, aquele que praticamente nos expulsou.
O dono estava colocando as mesas na calçada para o almoço. Fui até ele e perguntei se era ele que tinha gritado conosco no dia anterior, pois não me lembrava da fisionomia dele e ele disse que era ele mesmo.
Então eu disse que ele jamais poderia tratar um turista como havia nos tratado pois quando um turista reserva um hotel não espera somente uma cama, mas ser recebido com gentileza, receber informações da cidade, enfim, ser acolhido, afinal estava pagando por isso.
Ele disse que o hotel era dele e ele agia como queria. Eu o chamei de desonesto. ELE ME PEGOU PELO BRAÇO, BEM FORTE, ME ARRASTOU PELA CALÇADA E ME JOGOU NA RUA!! O feirante veio me ajudar a levantar. QUANDO OLHEI PARA TRÁS ELE TINHA ENTRADO NO RESTAURANTE, SAIU SEGURANDO UM BALDE E ME DEU UM BANHO DE ÁGUA SUJA!!!! ME ENSOPOU DA CABEÇA AOS PÉS! Meu cabelo ficou ensopado pingando água suja! Posso garantir que foi uma das piores experiências que passei na vida durante alguma viagem!
Reclamei no Office de Turisme, que tentou chamar a polícia, que fica numa cidade próxima mas a viatura tinha saído e voltaria só mais tarde.
Infelizmente não pude esperar para registrar queixa pois tinha reserva de hotel em outra cidade que também tinha horário apertado para o check in e precisei ir embora,
De qualquer forma a atendente do Office foi muito atenciosa, lamentou muito o ocorrido, pediu desculpas em nome da cidade e me pediu para mandar um e-mail bem detalhado pois ela ia encaminhar ao Prefeito pois todos os dias ela recebia reclamações de agressões verbais daquele hotel, mas aquela foi a primeira agressão física e isso passava todos os limites.
Continuei minha viagem, passei por Valensole, Moustier St, Marrie, Cassis e Nice. Mas preciso dizer que a exaustão emocional que essa agressão me causou estragou todo o restante da viagem, cada vez que me lembrava daquele homem enorme me arrastando sem saber o que ia acontecer comigo eu começava a chorar. Foi realmente assustador. Enviei meu relato como avaliação do hotel pelo Booking.com mas eles me retornaram dizendo que não podiam publicar pois não estava de acordo com a regras deles, as quais jamais me passaram quais eram.
O TripAdvisor publicou. Outra dica: não confie nas avaliações do Booking.com pois eles não publicam as negativas.
De agora em diante sempre vou verificar as avaliações de um hotel pelo Trip Advisor, jamais pelo Booking.com.

Peço desculpas pelo tamanho do relato mas realmente não desejo que ninguém passe pelo que passei, e num lugar tão lindo, mas onde jamais voltarei…”

Ao ler a respeito da lastimável passagem de Kátia por Sault, imediatamente lhe enviei mensagem a fim de me solidarizar com sua decepção, tristeza, mágoa… enfim, com esse misto de sentimentos dolorosos que, inevitavelmente, lhe deixaram marcas.

Em recente mensagem de 11/10/19, Kátia escreveu-me o seguinte:

“Oi, Marilia!
Obrigada pelo seu retorno!
Nossa, foi realmente uma situação que eu nunca imaginaria passar! Foi horrível!
Você acredita que eu ainda estou tendo sequelas? Foi uma descarga tão forte de adrenalina que semana passada comecei a ter uma crise repentina de labirintite. Conversei com o meu médico e ele disse que com certeza foi do forte stress que passei e o organismo está colocando para fora.
Obrigada pelo seu retorno e empatia com a situação. Fique à vontade em publicar onde puder. Achei muito frustrante o Booking.com não publicar. Agora não confio mais nas avaliações deles, vou checar sempre no Trip Advisor: eles publicaram.
Obrigada por me ajudar a divulgar!
Um abraço,

Katia D.


N.B. : Sou eu quem lhe agradece pela oportunidade de propagar um fato que servirá de alerta para quem viajar para Sault, bem como chamar atenção para que não se detenham em apenas uma fonte de opiniões – neste caso, o site de busca de hotéis.
É preciso pesquisar também em sites especializados em reclamações.

BRASIL. CEARÁ. FORTALEZA: Mercado dos Peixes de Mucuripe.


IMAGEM DESTACADA: Praia do Mucuripe.

O Mercado dos Peixes, revitalizado em 2013, foi inaugurado na década de 60 com o objetivo de centralizar a venda de pescados e frutos do mar, a fim de evitar que esse tipo de comércio fosse praticado nas vias públicas.

Em uma das paredes do mercado, uma bela homenagem ao valente pescador Tatá.
Mercadorias sem preço, o que me leva a crer que a cobrança leva em conta a cara do freguês.

O lugar é bastante aprazível. Mas o cheiro…

É nesse trecho da Praia do Mucuripe, que comerciantes e moradores adquirem seu pescado fresco. O início das vendas começa em torno de 5 da manhã e segue até às 17.00 horas.
Após esse horário, barracas e cadeiras são armadas nos fundos do mercado (na beira da praia), a fim de atender os desejosos de comer o pescado de sua escolha frito na hora.
O interessado percorre o mercado, escolhe o que pretende comer, paga e leva para um dos boxes que trabalha somente com o preparo e fritura de seu pescado.
Desculpem-me, mas… quando vi a cor do óleo em que mergulham as frituras, mô-quirido… Óleo pronto para o descarte. Sem contar o cheiro de gordura que paira no ar e o impregna da cabeça aos pés.
Essa atividade funciona até as 22.00 horas. E mais: os preços praticados são tidos como convidativos, mas não foi isso que vi.


“Um dia é preciso parar de sonhar e, de algum modo, partir.”(Amyr Klink)


CONTATO:

 

BRASIL. CEARÁ . ROTA DAS EMOÇÕES – Onde Não Se Hospedar em Fortaleza.


IMAGEM DESTACADA: A FACHADA ENGANADORA – instalações que deviam ser condenadas! pela Saúde Pública.

NOSSO ROTEIRO
10º Dia na Rota: De Jericoacoara a Fortaleza.

Na saída da Vila tivemos a sorte de passar por um ninho de caburés. Como era de se esperar, os filhotes estavam devidamente protegidos pela melhor das sentinelas: a mãe. Cena mais fofa na qual nos demoramos por alguns segundos. Foi uma bela despedida de Jeri.

Em Fortaleza, Paulo (Off-Road Jeri ) nos deixou na porta de um dos piores hotéis (?) por onde já passei na vida.
Nem vou me estender em considerações, porque as fotos mostram fielmente o estado repugnante do quarto bem melhor do que qualquer argumento.
No primeiro apartamento que nos foi designado, a única coisa que se aproveitava era a vista:

A fachada engana. E muito! Recepção e corredores estão em condições habitáveis e é só.

Porém, os quartos…
A primeira surpresa: o quit de banho em cima da cama, com preço!

O primeiro quarto que nos destinaram era um horror! A madeira podre que servia de porta do banheiro estava quebrada e por isso não fechava.
Solicitamos outro quarto e nos ofereceram esse que você vê nas fotos, no primeiro andar. Não soubemos dizer qual o pior.


Neste, a janela tinha a fechadura quebrada, o ar condicionado quebrado e sem o controle! Todas as vezes que a vítima desta pocilga quisesse alterar a temperatura, tinha que chamar alguém da recepção para levar o controle até seu quarto nojento.

Nem a imagem da TV presta!

Paredes imundas, quebradas e com infiltrações. Nada no frigobar, a não ser a água que compramos.


Lixeira sem tampa… Vaso sanitário com acabamento de plástico flexível, vagabundo demais, estava sem um parafuso de ajuste.

REJUNTES IMUNDOS!
BANHEIRO NOJENTO!


Portas e alisares podres!


Quem pode confiar em uma tomada dessas?

Café da manhã bom – total contraste com o deplorável estado de conservação dos quartos e banheiros. Foi o que escapou além da vista do primeiro quarto que nos destinaram.

Para encerrar o alerta, observem o horário de encerramento da diária: 11.59 horas. Só pode ser piada!!! Passou desse limite, istepô, vai pagar outra diária.

Isto significa, mô-quirido, que antes de você entrar neste quarto repugnante, acerte seu relógio. Caso contrário…, amargará o valor de outra diária.

O acabamento da caixa d’água que chamam de piscina.
Decomposição do que anunciam como “hotel”.
Como o elevador demora séculos para fechar a porta, a solução foi retirar o botão acelerador de fechamento.

NOTA: Os hóspedes sobreviventes a tanta insalubridade é que deveriam ser indenizados pelo Samburá Praia, por terem sido expostos a ambientes excessivamente contaminados por fungos e bactérias.

Onde estão os ÓRGÃOS OFICIAIS do TURISMO, que admitem uma biboca patógena como essa a funcionar como hotel?

CONTATO:

 

 

 

 

BRASIL . MARANHÃO . BARREIRINHAS – A Decepcionante e Mal Cuidada Pousada d’Areia.


IMAGEM DESTACADA: Placa da Pousada (para não deixar o item em branco)

Em 2010 tratava-se de uma pousada simples, mas muito boa e confortável para os padrões da época: quartos grandes, bons colchões e travesseiros, varanda com rede, bom café da manhã. Continuar lendo BRASIL . MARANHÃO . BARREIRINHAS – A Decepcionante e Mal Cuidada Pousada d’Areia.

BRASIL . MARANHÃO . ROTA DAS EMOÇÕES COM PAULO OFF ROAD JERI (6º Dia: Barreirinhas e Lagoas)


IMAGEM DESTACADA: Lençóis Maranhenses.

NOSSO ROTEIRO
6º DIA na ROTA: Rolê por Barreirinhas e Circuito Lagoa Azul.

A porta de entrada para os Lençóis Maranhenses chama-se Barreirinhas – uma localidade que deixa a desejar em aparência e onde a falta de respeito dos motoristas pelo pedestre é significativa em determinados pontos da cidade. Continuar lendo BRASIL . MARANHÃO . ROTA DAS EMOÇÕES COM PAULO OFF ROAD JERI (6º Dia: Barreirinhas e Lagoas)

ARGENTINA . El CALAFATE – Ponto de Partida Para Diversas Atrações da Patagônia (parte II)


IMAGEM em DESTAQUE: Trecho da RN11 – El Calafate/Cerro Frias.

Voltei. Desta vez, acompanhada pela família – pessoas festeiras, de bem com a vida, que não reclamam de nada. Nem do frio patagônico. Também, para quem Continuar lendo ARGENTINA . El CALAFATE – Ponto de Partida Para Diversas Atrações da Patagônia (parte II)

ARGENTINA . BUENOS AIRES: CUIDADO AO PAGAR SUA CONTA no CYAN RECOLETA HOTEL.


IMAGEM EM DESTAQUE: Recoleta, vista parcialmente do hall de elevadores do Cyan Recoleta Hotel.

O objetivo desta postagem é alertá-los, sem rodeios, para o fato desagradabilíssimo em que uma funcionária do Cyan Recoleta Hotel me envolveu em março último. Continuar lendo ARGENTINA . BUENOS AIRES: CUIDADO AO PAGAR SUA CONTA no CYAN RECOLETA HOTEL.

ARGENTINA . BUENOS AIRES – Bar EL FEDERAL, Decadente “NOTÁVEL” e Atração da Cidade.


IMAGEM em DESTAQUE: Balcão do El Federal.

De 18/9/2011 a 27/3/2018 muita coisa mudou – e prá pior – no El Federal, bar incluído na relação dos 50 Notáveis de Buenos Aires. Continuar lendo ARGENTINA . BUENOS AIRES – Bar EL FEDERAL, Decadente “NOTÁVEL” e Atração da Cidade.

ARGENTINA . EL CALAFATE – Aviso Aos Navegantes. Literalmente!


FOTO em DESTAQUE: Glaciar Spegazzini.

AVISO AOS NAVEGANTES!

1- PARA QUEM PARTE DE EL CALAFATE:
Sabemos que as principais atrações desta cidade incluem navegação  e por isso gostaria de chamar atenção para o que oferecem as empresas de turismo. “Foca em mim!” Continuar lendo ARGENTINA . EL CALAFATE – Aviso Aos Navegantes. Literalmente!

ARGENTINA . BUENOS AIRES: Restaurante El Desnível . É o Próprio, Em Todos Os Sentidos.


IMAGEM DESTACADA: Fachada do Prédio.

Os comentários são ácidos, mas… não pude me furtar: literalmente, o restaurante faz jus ao nome. Sim! Trata-se de um desnível sob diferentes aspectos.

As fotos não mostram a realidade. Assim que entramos não gostei da aparência. O restaurante é enfeitado, colorido, mas, deixa a desejar em limpeza. Estava cheio como se vê na foto – cheio de cadeiras vazias.

Abro e cardápio e vejo o aviso seguinte: aos domingos, de 12.00 h às 20.00 h, o restaurante só aceita dinheiro.
Até que faz sentido e acho que sei o porquê: aos domingos acontece a famosa e imensa feira de Sant Telmo e é nessa ocasião que o Desnível deve faturar.

Dentre as sugestões do cardápio, eu optei pelo peixe com purê de abóbora, outro desnível.
O peixe não tinha gosto nem de maresia! Prá ser sincera, não foi temperado nem com sal – comum na culinária portenha. E o purê de abóbora… acompanhou, literalmente, o peixe: sem “it” nenhum, como se dizia antigamente.

Meu fidelíssimo escudeiro pediu um Ravioli ao Molho Pesto, salvo pelos molho e queijo. Escapou.

O Desnível deveria ter ficado por conta da rampa que lhe deu o nome, mas ousou e foi bem além.

Desnível nas paredes que precisam urgente de uma limpeza…,

… na péssima aparência do bar que fica logo na entrada – o cartão de visitas da casa.

Os talheres da Tramontina e o suco de laranja vão para o trono.

Até nós cometemos um baita desnível: esquecemos do fantástico restaurante italiano Amici Miei, que já conhecemos de longa data e bem em frente à Praça Dorrego. Bastava seguir um pouquinho mais à frente. Se burrice matasse…

Qual o lado positivo desse tropeço? É errando que se aprende. Serviu para ficarmos espertos e na próxima vez não passarmos nem pela porta!

Ah! E antes que me esqueça: na também indicada Brasserie Pétanque já nos serviram um prato de massa que era pura enganação. Reclamei, o garçom veio com aquela conversa de cerca-lourenço, muito blá, blá, blá, coisa e tal, mas não colou.
Para disfarçar minha radicalidade, aí vai a desculpa: era dia de feira. Tá! Mas cá prá nós, também não ouso voltar.  

CONTATO: