Arquivo da categoria: BRASIL

BRASIL. CEARÁ. Fortaleza: Hotel Praiano


IMAGEM DESTACADA:

Nossa reserva era apenas por um noite – estávamos de passagem por Fortaleza, de onde embarcamos para Amsterdam.
Moramos no Rio de Janeiro, mas é do Nordeste que temos saído rumo à Europa.
Qual a vantagem? Encurtar 3 horas de voo. E como é prá frente que se anda, sair de São Paulo, digamos, quando o destino é o exterior, é permanecer voando por mais horas, ter que suportar barulho de turbina por mais tempo, além daquele ar refrigerado incômodo que me deixa mais enrugada do que já estou e me sentindo como uma “passa” – seca por dentro e por fora. E mais: não consigo dormir em  avião por mais conforto que tenha – não tem jeito.
Daí corremos para o Nordeste, passamos uma noite em algum hotel e dia seguinte seguimos viagem.
Desta vez o eleito foi o Praiano Hotel, na Praia do Meirelles, em frente a um ponto tentador para os consumistas: a Feira de Artesanatos da Av. Beira Mar, montada diariamente, há 26 anos, com ou sem chuva.
As barracas começam a ser montadas à tarde e fecham em torno das 23.00 horas.
Apesar dos preços atraentes, há melhores ofertas no Mercado Central. Vai daí que convém negociar o preço das mercadorias.
A variedade de artigos é imensa; portanto, prepare-se para andar e não se esqueça de pedir o cartão da barraca onde se interessou por alguma coisa que é para depois não se perder.

O HOTEL PRAIANO
é bem localizado, bem aparentado e conta com recepção simpática e de boa vontade para ajudar no em que for necessário. Até da impressão de nossos cartões de embarque as jovens funcionárias cuidaram e não pouparam esforços para dirimir nossas dúvidas.
O jovem encarregado de cuidar das malas o faz com maestria e rapidez – pratica uma técnica própria para lidar com malas, e rapidinho chega a seu apartamento.
Trata-se de outro funcionário simpático, risonho e que trabalha com a maior boa vontade.

No varandão funciona a Capri pizzaria e a Creparis – uma creperie que deixou a desejar no preparo da massa: extremamente fina e por isso totalmente quebradiça (virou um biscoito), impedindo de saboreá-la junto com o recheio. Virou farinha.
O espaço também trabalha com sorvetes.

A foto não deixa dúvidas a respeito da espessura da massa do crepe. Conforme citei acima, virou farelo. Não recomendo.

O Espaço destinado à criançada é bem municiado de brinquedos. Quanto à piscina infantil, o aviso deixa bem claro a quem pertence a responsabilidade sobre os pequenos.

Cuidados especiais com os hóspedes na área descoberta – excelente idéia.

N.B.:  foto idêntica a esta consta no site do hotel designando o quarto como pertencente às categoria luxo e standard. Não entendi!…
Outra observação: quarto de hotel de categoria 4 estrelas e sem graça desse jeito? Nem colcha tem! Não consigo aceitar esse tipo de tapeação. Uma colcha faz diferença? Faz porque impede que o lençol com que o hóspede poderá se cobrir não pegue poeira…

O quarto é espaçoso, bem composto com frigobar, cofre, colchões e travesseiros confortáveis, ar condicionado, e da janela vislumbra-se bela vista. TV tem pouquíssimos canais e a imagem deixa a desejar.

A sala de estar do Praiano leva o futuro hóspede a pensar que os quartos têm aparência caprichada, mas… não é bem assim.

No Thames Restaurante, do próprio hotel, saboreamos dois pratos muito bons: peixe acompanhado por purê de batata doce e arroz de alho.

O prato de meu fiel escudeiro foi camarão com champinhons e alcaparras, acompanhados por arroz e batatas. Ambos, excelentes.

Outro detalhe importante que falta no hotel: computador à disposição dos hóspedes com direito à utilização de impressora, desde que haja número limitado para impressão.
Evidentemente que, a fim de evitar abusos, o melhor lugar para a impressora seria a recepção, pois estaria sob o controle dos funcionários. A cobrança das impressões seria justa, e ficaria confortável para hóspedes e hotel.
Em caso de impressão de cartão de embarque, por exemplo, não haveria a necessidade de o hóspede ter que passar os dados de seu voo para o e.mail do hotel.
Trata-se de recurso que não pode faltar em hotel de categoria “4 Estrelas”, dentre melhorias acima citadas.
———————————————————————————–

 

 

BRASIL. CEARÁ: Sirigado, Centro das Rendeiras em Aquiraz, Passeio das Três Praias (Morro Branco, Fontes, Diogo e Lago de Uruaú). Canoa Quebrada. Engenho O Bari.


IMAGEM DESTACADA: Lagoa de Uruaú.

Após 22 dias viajando pela Europa desembarcamos em Fortaleza onde permanecemos por 4 dias antes de voltarmos ao Rio.
Hospedamo-nos no Hotel Villa Mayor e, ao saímos para almoçar com o endereço do restaurante anotado em um pedaço de papel, esqueci-me de olhar o mapa antes de sair do quarto para saber qual direção tomar quando chegássemos à Av. Beira-Mar: direita ou esquerda?
Bastaria que olhássemos os números dos quarteirões indicados nas placas da avenida e começar a andar! Mas, aconteceu que não percebemos essas indicações (esse tipo de distração é comuníssimo na velhice) e rumamos para a esquerda. Da rua!!!
Acredito piamente que nada acontece por acaso. Andamos um pouco e nos deparamos com um senhor uniformizado, parado em frente a uma bela fachada de um hotel.
Vimos pela logomarca estampada na camisa do jovem senhor, que tratava-se de um de seus funcionários e, com toda certeza, ele saberia nos dizer prá que lado ficava o tal famoso restaurante.
Não sabia! Não sabia, mas chamou quem o conhecia: um taxista que faz ponto em frente ao dito hotel.

O jovem educado e muito simpático disse-nos que o restaurante estava fechado por conta de obras na avenida, mas, se um bom prato de peixe fosse nosso objetivo, ele indicaria o Sirigado para almoçarmos – restaurante simples, mas de comida saborosa.
Embarcamos em seu táxi e lá fomos nós.
Papo vai, papo vem, o jovem chamado Marcos Rezende apresentou-nos uma programação turística interessante, e havia uma, em especial, que estava em nossa mira: Canoa Quebrada, lugar que pretendia rever antes de voltar ao Rio.
Marcos é muito organizado e é do tipo de profissional que corre atrás.
Não perdeu tempo e prontamente mostrou-nos um álbum com fotos excelentes a respeito dos roteiros que executa em parceria com amigos.

Pois bem, no caminho para o Sirigado já havíamos acertado o passeio para o dia seguinte. Simples e rápido.

SIRIGADO
(Av. Br. de Studart, 825 – Aldeota, Fortaleza – Tel.: (85) 3261-7272.
De Segunda a Domingo de 11.00 h à 00.00 h.

Neste restaurante pedimos um prato que, segundo o jovem que nos atendeu, daria para os dois e até para três – dependendo da fome. E dava para três famintos, tranquilamente.

Abrimos nosso trabalho com uma porção de unhas de caranguejo. Iniciamos nossos trabalhos com unhas de caranguejos. Quase almoçamos outra porção, mas optamos pelo prato de peixe (e que não foi o sirigado) com molho de camarões, saborizado com abacaxi frito e alcaparras.
O impacto ao vermos o prato foi tão grande que dispensamos a travessa de arroz. Como diz meu mano, “arroz eu como em casa”. Tá coberto de razão. Imagine! O prato já estava muito bem acompanhado pelas batatas… Arroz, prá quê?

Pelo tamanho do restaurante, número de mesas no salão, espaço para a criançada brincar e ainda a área para estacionamento, sentimos que a cozinha atrai um bom público.

O salão fica nos fundos desse corredor. O espaço à direita é destinado às crianças.

A foto não nos permite imaginar o tamanho do salão.

Inesperadamente, um pianista de repertório atualizado estava incluído no cardápio. Foi bom demais.

O estacionamento tem o dobro do tamanho que aparece na foto.

O espaço para as crianças brincarem é grande e bem protegido.


NOSSO PASSEIO
= Pela ordem: Parada em AQUIRAZ no CENTRO DAS RENDEIRAS. Circulando beira-mar pelas TRÊS PRAIAS: MORRO BRANCO. FONTES. DIOGO. Lagoa do URUAÚ. CANOA QUEBRADA. ENGENHO O BARI.

Já havíamos cumprido esse trajeto, em 18/8/2010, trafegando sempre que possível pela beira do mar desde a saída da Praia do Futuro.

Foto clicada às 8.03 h da manhã de 18/8/2010 – O motorista e guia ajeitando a valente para enfrentar o roteiro.

Chegamos à barraca Chega Mais após encararmos mais de 160 km de beira de mar e estrada, e por lá ficamos.


Canoa Quebrada ainda não era atração turística e a barraca era, literalmente, um abrigo de telhado simples, mesas e cadeiras pé na areia, uma boutique bem acanhada de roupas de praia, banheiro e cozinha. O camarão que comemos na Chega Mais foi tão fantástico, que até agora não foi esquecido.
Em frente a barraca, em uma carrocinha puxada por burro, um casal vendia sorvetes, e isso era tudo.

Visitando as falésias, só nós quatro: eu, fiel escudeiro, mano e sobrinha.

Ninguém no pedaço, a não ser esse senhorzinho que nos seguiu a certa distância, sem que percebêssemos. Ao chegamos ao alto das falésias ela se aproximou perguntando se gostaríamos que explicasse a respeito do lugar…coisa e tal… Aquela conversa de cerca Lourenço cuja finalidade $abíamo$ qual era.
Esforçou-se para nos passar aquela tradicional decoreba de antigamente, que valeu pela boa vontade de ambas as partes.
O discurso foi breve, mas houve um fato que nos chamou bastante atenção: ele retirava sucessivas porções de areia das falésias para nos mostrar que esse tipo de vandalismo não era permitido! Rimos muito e logo pensamos no seguinte: caso continuasse na atividade e tivesse bom público, talvez não restasse pedra sobre pedra…

Neste ano, 2010, nos hospedamos na Praia do Futuro e foi de lá que partimos para o que seria, para a época, uma aventura .
Desta vez, em 03/5/2019, fomos no carro de Marcos Rezende para cumprir o roteiro conhecido como Três Praias, que inclui: Morro Branco, Praia das Fontes, Praia do Diogo e Lagoa Uruaú. Em Morro Branco passamos para o bugre de Neto, parceiro de Marcos.
Neto
é outro jovem simpático, educado e de boa vontade, que também honra sua profissão como condutor e guia turístico. Com Neto trafegamos pela beira da praia até a Lagoa de Uruaú, que não chegamos a conhecer em 2010 (fotos mais adiante).

Em AQUIRAZ
Marcos
fez uma parada em um lugar perigosíssimo para quem é consumidor e aprecia a arte nordestina em geral.
O destaque fica por conta dos bordados e das rendas de bilro a preços “de fábrica”.
Objetos decorativos em barro, casca de côco, madeira e couro… Bonecas de pano de vários tamanhos, bijuterias, brinquedos e material escolar também se destacam entre as diversas peças bordadas e rendadas de beleza ímpar.

No alto da parede desse box onde tecem a quilométrica renda, le-se o seguinte:

“No dia 25/01/2006 foi iniciado no Complexo Artesanal de Aquiraz a renda da grega com o intuito de ser a maior renda do mundo e entrar no Guiness Book.
Esse trabalho é um objetivo onde todas as rendeiras trabalham em parceria, para juntas conquistar uma referência no artesanato.”
A imagem fala por si.


Deixamos o município de Aquiraz e fomos para Morro Branco, no município de Beberibe, onde Neto nos aguardava.

Na foto acima, da esquerda pra direita: meu fiel escudeiro, Neto e Marcos.

O que significa o selo que se destaca no capô do bugre?
Neto
 pertence à ABMBAssociação dos Bugueiros de Morro Branco. Mas o que isto quer dizer?  Quer dizer que esse profissionais são registrados na Secretaria de Turismo e por este motivo são autorizados a circular com placa vermelha, além de serem identificados pelo selo da associação.
O roteiro proposto por Marcos, que constitui a trilha tradicional, foi definido pelos próprios bugueiros, com permissão da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) e do Departamento Estadual de Trânsito (Detran).
O passeio oficial, repito, visita a Praia das Fontes, Morro Branco, Fonte da Juventude, Praia do Diogo e Lagoa do Uruaú. Passeio de aproximadamente 2 horas, apenas nestes pontos turísticos!

CAPACIDADE DE PASSAGEIROS NO BUGRE
A ABMB orienta que a capacidade do bugre é para 5 pessoas, incluindo o motorista. Caso haja alguma criança com menos de 5 anos, a lotação poderá ser de 6 pessoas – mais que isso é proibido!
E mais: alerta os bugueiros para não trafegarem em meio a banhistas, não circularem em alta velocidade, e não praticarem manobras “com emoção”.
Acidentes com mortes acontecem vez ou outra por conta de bugueiros não credenciados; ou seja: sem os conhecimentos fundamentais para a execução de um trabalho seguro para ambas as partes (bugueiro e passageiro), e, ainda por cima, praticantes de manobras ousadas em locais totalmente fora da trilha: determinadas dunas, por exemplo.

O bugre de Neto está inteiro, é limpo, e super bem conservado. Estofamento da garupa bem matelassado – Nota 10!

MORRO BRANCO – Beberibe.
está a 91 km de Fortaleza e a 5 km do Centro de Beberibe,  município ao qual pertence.
É conhecido por suas falésias coloridas, passeios à beira-mar e praias atraentes para banho.
Suas areias coloridas servem de matéria prima para a elaboração de peças decorativas. Os trabalhos, ricos em minúcias, revelam  a paciência e a determinação dos artesãos especializados nessa técnica chamada silicografia (desenhos feitos com areia).
Importante esclarecer que os artesãos que trabalham com essa técnica retiram a areia de áreas autorizadas para essa finalidade.

PRAIA das FONTES – Beberibe.
Águas de chuvas filtradas pelas paredes das falésias somadas às de fontes naturais formam pequenos lagos tais como esses que vemos nas fotos abaixo. Dezenas dessas fontes deram nome à praia.

Gruta da Mãe d’Água.

Foto de autoria de Marcos Cezar Rezende.

Fonte da Juventude e dos Carecas.

PRAIA DO DIOGO – Beberibe
localizada a 93 km distante de Fortaleza pela CE-040, a Praia do Diogo faz parte do circuito intitulado “Passeio das Três Praias + Lagoa do Uruaú“, executado sob a batuta de mestre Marcos Cesar.
Segundo nosso guia Neto, na Praia do Diogo é preciso observar o movimento da maré quando o objetivo é dar aquela refrescada no corpitcho com um mergulho estiloso à moda de Ester Williams.
Isto porque há um cordão de pedras paralelo à praia, que a acompanha por longos metros, que oferece perigo para os menos atentos.

LAGOA URUAÚ – Beberibe.
Seguimos até à Lagoa Uruaú, onde nos deliciamos com um banho refrescante em águas puras, tépidas, e cercados por um cenário paradisíaco.
Neto deixou-nos à vontade para que permanecêssemos o tempo que quiséssemos na lagoa. Mas, como ainda iríamos almoçar na barraca Chega Mais, e depois seguiríamos para Canoa Quebrada, nosso banho durou apenas alguns minutos – estávamos cientes da distância que ainda teríamos que percorrer até chegarmos a Fortaleza e por isso não abusamos.
Montamos na garupa do bugre e partimos em direção à Sucatinga. Lá nos reencontramos com Marcos para cumprirmos nosso roteiro.
No caminho, uma parada rápida para cumprimentar um pescador pelo resultado de seu trabalho.

Passamos por Uruaú...

… e chegamos a Sucatinga onde Marcos nos aguardava.

BARRACA e RESTAURANTE CHEGA MAIS

ERA ASSIM…

e ficou deste jeito que você verá nas fotos seguintes.


Levei um susto. De barraca, não encontrei mais nada.
O que encontramos foi, praticamente, um clube com amplo restaurante/platéia, palco, estacionamento, piscina, boutique, barracas de praia estrategicamente colocados sob uma área de coqueiros implantados, e ainda mesas sob o pergolado da piscina, onde almoçamos. Na saída, o sistema de pagamento totalmente informatizado evita os incontáveis beiços que o proprietário Luiz Costa Nogueira levou ao longo de anos.
A História (com H maiúsculo, sim senhor!) sensacional do empresário está contada em pormenores neste site.
Garanto que você vai aplaudir o jovem que aos 18 anos de idade não deixou passar a oportunidade de montar uma barraca na beira da praia, cresceu como empresário, e venceu todas as dificuldades que vieram a seu encontro, decorrentes de proteções ambientais não existentes no início de sua atividade. E que não foram poucas!

Nosso almoço constou de um “sanduíche” composto por dois peixes recheados com camarão, e cobertos por molho bechamel. Carocinhos de castanha de caju serviram de enfeites.
E como quem vê cara não vê coração, na hora em que partimos esse bolo de três camadas dispensamos de imediato o arroz, o feijão e a salada, e ficamos apenas com algumas batatinhas.
Originalidade no lavabo e adesivos aplicados na parte interna das portas dos banheiros, lembram os frequentadores da necessidade de se economizar água, e de que reciclar é preciso. Sermos complacentes com o planeta em que vivemos, lucramos nós e a Mãe-Terra.

CANOA QUEBRADA
foi o objetivo desse passeio, mas, infelizmente, não foi possível permanecer na cidadezinha para apreciá-la à noite.
Conforme disse acima, fizemos um pit-stop em Fortaleza só a fim de esticar as pernas e recompor o esqueleto, para depois então continuarmos nossa viagem até ao Rio.

COMO CHEGAR
1- de ônibus, saindo de Fortaleza: a média é de 3 horas e meia de viagem e você poderá adquirir os bilhetes de ida e volta clicando aqui para acessar o site de vendas de passagens.
2- contratando um serviço de turismo particular – o anunciado aqui na postagem, com Marcos César, por exemplo, ou…
3- por intermédio de empresas de turismo.
4- na melhor das hipóteses, alugando um carro.

O mapa abaixo indica duas opções de trajeto.

A BROADWAY
cearense é uma rua charmosa repleta de Cafés,  restaurantes e boutiques, que na alta temporada fica mais movimentada.
Vamos por partes: de junho a agosto é o período de férias no Hemisfério Norte.
Nessa época, a turistada aproveita para tirar o mofo, se esticando em praias, em gramados de jardins públicos, sentados em bancos de praça e até em cima de pedras à beira-mar – cansei de ver essas cenas.
Europeus viajam prá valer pelos países vizinhos e pelos EEUU, e americanos aproveitam o período para voltar para casa (normalmente os jovens estudam em outro Estado), para viajar para a Europa, ou, fazer como os europeus: voar para o Brasil.
Ué, mas viajar para o Brasil nessa época?
Esse período de férias dos branquelas coincide com o Inverno brasileiro, é fato, mas é bom lembrar que nosso Nordeste lindo e maravilhoso está próximo da linha do Equador! Hááá!!!
E aqui, môquidu, pelas principais atrações do Ceará, do Maranhão e do Rio Grande do Norte, o que mais você ouve é italiano e francês. Inglês ouve-se por tabela, e alemão… bem pouco.
E ainda lhe digo mais: muitos vêm atrás dos ventos para curtir kite-surf (Preá, ao lado de Jericoacoara é a cidade mais procurada do Ceará) e muitos acabam ficando, casando e constituindo família – mas só vieram “atrás dos ventos”, entende?

O movimento acontece à noite – hora de beliscar alguma coisa (ou alguém), ou encontrar os amigos para um gostoso bate-apo.

Ávidos para tomar um cafézinho, tivemos a sorte de entrar nesta creperia/pizzaria.

Ambiente simpático, limpo e tão acolhedor quanto as jovens que nos atenderam e com quem trocamos idéias e batemos um gostoso papo.

A creperie e pizzaria IBIZA ainda disponibiliza um espaço ao ar livre e montou um pequeno palco para artistas se apresentarem.

A programação elaborada por Marcos Cesar foi bem variada.
Imaginávamos sair da Broadway e voltar direto para Fortaleza, mas não foi assim. Marcos parou em outro lugar perigoso para consumidores: parou no…

ENGENHO O BARI – localizado no Km 40 da CE-040.

Parece um caixão de defunto, mas trata-se da maior rapadura do mundo.

Mas, não é só rapadura que o engenho produz. Dê uma olhada na variedade de produtos prá mexer com seu bolso.

Amostra de rapaduras saborizadas com frutas e condimentos – são fantásticas!

De lá retornamos para Fortaleza, já deixando Marcos incumbido de nos pegar no dia seguinte e nos levar até ao aeroporto.
Agradecemos a Deus por esses momentos lindos, à boa vontade e ao trabalho de Marcos Cesar e de Neto.

“Marcos Cesar – Sua Viagem e Passeio Com Qualidade e Conforto.
Contatos: (85) 9-8793.6352 / (85) 9-9929.5232/ (85)9-8116.3359″.

Saiba mais a respeito da História de Morro Branco e de sua “logomarca” clicando aquiMorro Branco tem logomarca? Ora, se tem!


“Somos todos viajantes de uma jornada cósmica – poeira de estrelas, girando e dançando nos torvelinhos e redemoinhos do infinito. A vida é eterna. Mas suas expressões são efêmeras, momentâneas, transitórias.” – DEEPAK CHOPRA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BRASIL. Rio de Janeiro. Leblon: Quando Seu Paladar Necessita de Um Gostoso Abbraccio.


IMAGEM DESTACADA: Foto da Capa do Cardápio.

Já estivemos no Abbraccio algumas vezes e em todas saímos super satisfeitos com tudo.
O salão é muito espaçoso – composto por vários ambientes – , limpo, bem decorado, bem iluminado e há espaço suficiente entre as mesas para que as pessoas sintam-se confortáveis.
O atendimento é cortês, simpático e surpreende pela rapidez.

O restaurante ocupou um espaço antes destinado para estacionamento. Não faz parte da Praça de Alimentação, está um pouquiiiiinho afastado desse movimento – fica no corredor à esquerda da entrada dos cinemas -, mas faz um sucesso danado. Acho essa localização uma regalia.

Um dos salões do Abraccio que estacionou no Shopping do Leblon. Este espaço, antigamente, era destinado a vagas de automóveis. Santa transformação!

Esse saboroso Abbraccio privilegia as cidades de São Paulo, Campinas, Brasília e Rio de Janeiro.

O esquema do cardápio é muito interessante: consta de uma entrada, um prato principal e um acompanhamento.
Atente para o seguinte: é o prato principal que define o valor que o cliente pagará, independentemente do que ele pedir como acompanhamento ou entrada. Bebidas pagas à parte, como convém.
Exemplificando: na lista dos pratos de R$49,50, é este o valor que será cobrado pelo prato que você escolher dentre essas opções, incluindo ainda uma entrada e um acompanhamento, ambos sugeridos no cardápio.

A festa começa com um pãozinho crocante e quente para você molhar no azeite incrementado com ervas que é simplesmente divino. Clique abaixo e veja em segundos como lhe será servido.

A sopa do dia estava deliciosa – veio muito bem acompanhada por uma baita lasca de pão de alho -, mas a estrela da festa foi mesmo o Ravioli Al Formaggi- perfeito no tempero, na textura, na quantidade de molho, e  no melhor de tudo: continha recheio! como você pode ver na foto.

É pra ninguém botar defeito. Há de se ter muita personalidade para reclamar de alguma coisa.

“Nossa vida faz mais sentido quando sentimos fome e não quando nos alimentamos. O que nos movimenta não é o alimento, é o apetite…” Leonardo R. Pessoa

BRASIL. SANTA CATARINA. FLORIANÓPOLIS – Café Cultura Primavera.


FOTO DESTACADA: A fachada do Café.

Para início de conversa todas as casas primam por ambientes espaçosos, bem decorados, limpos e, acima de tudo, muito bem localizados.

A filial Primavera une todo esse bom gosto em um espaço muito especial onde primeiro se instalou a Primavera Garden Center – um galpão imenso, bem arrumado, onde você encontra mudas de frutíferas e plantas ornamentais de muitas espécies, artigos para decoração, sementes, ferramentas para jardinagem, e ainda um Café.

Na lateral há vários restaurantes um ao lado do outro, mas o Café Cultura não faz parte desta pequena avenida – está em destaque, de frente para a SC-401.
São muitas filiais espalhadas por toda Florianópolis e em outras cidades próximas. Ah! E até no Aeroporto Hercílio Luz ele já aterrissou. O estacionamento no local é muito bem organizado – entrada por um lado, cancela, guichê de pagamento na saída… Tudo arrumadinho.

Para que você tenha uma idéia, separei algumas sugestões.

Na página do menu acima, observe que o suco de manga também pode ser incrementado com gengibre, e a limonada suíça pode ser adoçada com leite condensado.
Dos sucos misturinhas experimentamos quase todos.

Os cafés são apresentados de acordo com técnicas de preparo diferenciadas. Aonde, confesse, que você encontra tanto esmero em um cardápio? Essa página aqui de cima trata-se apenas do intróito; agora…, nesta aqui de baixo, môquiridu…

As boas idéias estão em todo o cardápio. Dê só uma olhada no título “Para Acompanhar o Café”.

E mais: cafés de sabores únicos e maquininhas porretas para você se dar ao prazer de prepará-los em sua própria casa estão à venda, bem como chás, cervejas, vinhos…

Os pratos dispensam comentários. Todos feitos na hora – fresquíssimos e deliciosos. Almocei muitas vezes lá.

Revistas e jornais? Basta lançar mão e levar para sua mesa.

Nada melhor para terminar a refeição que um cafezinho. Incrementado então…

O conforto dispensa comentários.
Ficou faltando ressaltar o atendimento simpático e gentil de todos: transbordam boa vontade e sorrisos.
Para mim, é ponto obrigatório quando estou em Florianópolis. Adoro!

Endereço: SC 401, Km4 – Espaço Primavera Garden
De segunda a sábado das 09:00 as 20:00 e aos domingos das 9:00 as 19:00 horas. (048) 3307-9350
Florianópolis, Santa Catarina.

BRASIL. SANTA CATARINA. FLORIANÓPOLIS – Casa da Alfândega: Onde Comprar Artesanatos Catarinenses.


IMAGEM em DESTAQUE:

UM POUCO DE HISTÓRIA
A notícia que se tem é a de que a primeira Casa da Alfândega, construída em local distinto de onde ergueram a que conhecemos no Centro de Florianópolis, explodiu inexplicavelmente, em 1866.
A explosão, de proporções gigantescas, chegou a atingir os alicerces do prédio!, abalou construções próximas e matou 10 pessoas.
Dez anos mais tarde foi construído um prédio em estilo neoclássico que serviu ao porto de Florianópolis até 1964, ano em que as atividades portuárias terminaram e a alfândega foi desativada.
Era lá que minha avó paterna embarcava no navio Carl Hoepcke rumo ao Rio de Janeiro, a fim de passar temporada com parte da família.
O prédio abriga o Centro da Cultura Popular e a Galeria do Artesanato.
A exposição e venda permanente dos trabalhos de centenas de artesãos tem como objetivo a preservação e o incentivo à cultura popular. Lá o visitante encontra milhares de opções para presentes, decoração, além de tomar conhecimento dessa herança artística fantástica do catarinense.

Este prédio foi construído no antigo Largo do Príncipe, atual rua Conselheiro Mafra.

Até a década de 70 o mar banhava o histórico prédio neoclássico.
Com o aterro que conhecemos como Baía Sul, uma grande praça foi criada na área, o Largo da Alfândega.

Nesse espaço, por demais convivial, os amigos marcam encontro, as pessoas fazem uma pausa para descanso, ou apreciar o movimento. Mas a ocupação maior se dá quando músicos se apresentam no largo, ou quando, em época de Carnaval, blocos e escolas de samba ensaiam suas performances.

Tudo encanta nesse lado do Centro de Florianópolis: o prédio da Alfândega, inaugurado em 27/7/1876…, o largo…, o Mercado Público, bem pertinho, e, claro, tudo que a Loja de Artesanato Catarinense oferece.

Nesta foto, fachadas bem conhecidas tais quais as casas do Ribeirão, do Mercado Público, do Palácio Cruz e Souza, e do mais representativo prédio de Blumenau, são bastante decorativas.
Peças em cerâmica com toques de pintura indígena são bem diferenciadas.
Colares, castiçais e porta incensos.
A bela escultura de São Francisco dispensa comentários.

As bruxinhas que justificam o título de Ilha da Magia à Ilha de Santa Catarina não poderiam faltar.

Tapetes artesanais, toalhas de lavabo valorizadas pela trabalhosíssima e complicada arte da fabricação da renda de bilro são destaques pela delicadeza. Panelas de barro, cachaças, bruxinhas de pano, essências, lamparinas para iluminar jardim…

… e as maravilhosas flores confeccionadas com escamas de peixe. São trabalhos belíssimos que deixam o comprador em dúvida: o que levar?!

E a delicadeza das caixas enfeitadas com flores de palha de milho? E a rosa de escama de peixe, com dobraduras e transparência?

Peças de vestuário também não faltam na loja, bem como…

… as bolsas confeccionadas com lacre de latas de alumínio.

Trata-se de uma das atrações turísticas de Florianópolis das mais interessantes para você visitar: não só pelo conjunto de valores que representa, mas pelo colorido e pela beleza.
Não deixo de passar por lá todas as vezes que estou na ilha.

BRASIL. RIO DE JANEIRO. IPANEMA: Cantina da Praça – Café, Restaurante & Comida Para Levar.


IMAGEM em DESTAQUE: Parte Externa da Cantina.

Na esquina da Jangadeiros com Visconde de Pirajá – mais precisamente no quadrilátero da General Osório e bem em frente à estação General Osório do Metrô –, foi inaugurada em agosto de 2017 a Cantina da Praça, cujo proprietário também inaugurou a Mercearia da Praça um pouco antes, quase ao lado.
Dias após já estávamos aboletados em uma mesa do mezanino para conhecer a novidade.

Ambientes também descontraídos atraem os desejosos de tomar um bom e sortido café da manhã, bem como os que apreciam saborosos pães de receitas italianas elaborados na própria casa com ovos caipiras. Massas frescas, molhos diversos, tortas salgadas e doces, saladas, salgadinhos e sanduíches também estão nas vitrines fazendo psiu prá quem passa. E para quem saiu de casa ávido por degustar “aquele prato de massa” quentinho e preparado com esmero, a seleção que a casa oferece no cardápio não decepciona. Não há como não gostar.

Os ambientes são aconchegantes, bem refrigerados e o deixam muito à vontade. Atendimento simpático e cortês caracterizam ambas as casas.

Um lugar mais particular, para você comemorar – e “bebemorar”, claro -, um momento importante acompanhado de um bom vinho? Também tem. Dê uma olhada na foto acima!…

As massas e os molhos que dão água na boca só em olhar.
Pães, pizzas ou mesmo aquele cafezinho rápido? A cantina também serve.
Salgados, tortas salgadas e sanduíches.
…a vez dos doces…

Creio que pelas fotos você possa, perfeitamente, imaginar os aromas que evolam desses pratos… E os sabores? Como dizia a famosa apresentadora de TV, é prá chamar os cachorros!… Será difícil você não sair de lá com um embrulhinho embaixo do braço.


Endereço:  Rua Jangadeiros, 28 – Ipanema, Rio de Janeiro.
Tel: (21) 3258-9540.
Horário de Funcionamento: de 2ª à 5ª: das 8.00 h às 00.00 h; 6ª e sábado: das 8.00 h à 1.00 h. Domingo: de 8h às 00h.
Cartão de Crédito e Débito: todos.


“O prazer da comida é o único que, desfrutado com moderação, não acaba por cansar.” – Brillat-Savarin , Anthelme

 

BRASIL. Rio de Janeiro. Satyricon, em Ipanema – Dica Para Quem Aprecia Um Bom Restaurante.


IMAGEM DESTACADA: O Jardim de Inverno do Restaurante.

O RESTAURANTE
se destaca por sua qualidade de serviço e culinária há quase 40 anos.
O forte são os pescados conservados à vista do cliente, que o escolhe e solicita seu preparo de acordo com as opções oferecidas no variado cardápio.
Até mesmo um tanque para conservação de vieiras e ostras, o Satyricon providenciou para mantê-los frescos.

O bar prima por variedade de bebidas, o que resulta em mais uma atração no considerável espaço ocupado pelo restaurante de Ipanema.
Outro destaque vai para a ambientação: o cliente pode optar por sentar-se a u’a mesa em um espaço mais descontraído próximo ao jardim de inverno bem iluminado, ou…

…escolher um cantinho mais aconchegante para bater um papo mais íntimo.

Grupo de amigos não foram esquecidos e poderão se reunir em torno destas mesas mais adaptáveis ao número de comensais.

Em algumas paredes vê-se fotos dos proprietários – Marly e Miro Leopardi -, bem como condecorações oferecidas por jornalistas renomados, especializados no assunto culinária.

O cardápio não decepciona e oferece diversos pratos de carnes vermelhas e brancas, além de pescados e frutos do mar.  As propostas para sobremesas também são variadas.

Farfalle com Molho Cremoso de Salmão Defumado.

Peixe, funghi e camarão. Combina? Combina!
Salmão norueguês no carpaccio.
O simples, mas delicioso camarão com arroz e pirão – opção para os mais conservadores.

RESERVAS:

SATYRICON IPANEMA: 
Dias úteis: De  2ª à 6ª das 9:00 h às 23:00 h.
Sábados, Domingos e feriados: Das 11:00 às 23:00 h

O restaurante aceita reservas por e-mail, que serão respondidas em horário comercial de 2ª feira à 6ª feira.
reservas.ipanema@satyricon.com.br

SATYRICON BÚZIOS
Reservas: Diariamente, das 14:00 h às 23:00 h
reservas.buzios@satyricon.com.br

*****

 

BRASIL. PARANÁ. ANTONINA – Camboa Capela Hotel, e Ainda: Como Chegar à Antonina, ao Pontal do Paraná, à Paranaguá e ao Pontal do Sul – O Melhor Lugar Para Se Atravessar Para A Ilha do Mel.


IMAGEM em DESTAQUE: A Entrada Principal do Hotel.

COMO CHEGAR: 
De carro, saindo de Curitiba, você conta com duas opções:
1– Uma delas é seguir pela BR-277, direção Paranaguá e depois seguir pela PR-408,  passando por Morretes. Depois basta seguir as indicações até Antonina.

2- Outra opção, saindo também de Curitiba, é pegar a BR-116 (Régis Bittencourt) e trafegar até a PR-410 – onde está o Portal da Graciosa. Atravesse-o e comece, imediatamente, a admirar a rodovia que faz jus ao nome que tem.

3–  Informação quente me concedeu o simpaticíssimos funcionário do hotel, o Duanw: a Viação Graciosa cobre vários trajetos no Paraná, incluindo, claro, Antonina, Paranaguá e Morretes.
Todos os roteiros, incluindo as praias paranaenses – Matinhos, Guaratuba etc.-, incluem Curitiba.
Informações de horários e trajetos clique aqui.
4Para quem vem do Norte (São Paulo, Rio de Janeiro etc.) a melhor opção é a Estrada da Graciosa, sem sombra de dúvida. Você unirá o Belo ao agradável além de cortar caminho.

5- Para que vem do Sul e não deseja ir até Curitiba, pode optar por outro caminho que já fizemos e também gostamos muito: trafegar pela BR-101 em direção à Garuva.
Um pouquinho antes, em frente à Marcegaglia do Brasil – fábrica de grande porte de peças de aço -, você encontrará uma placa indicativa da entrada para Guaratuba – é só dobrar à direita.


Trafegue por um trecho chamado de Contorno Sul até chegar à SC-415 e logo depois cair na PR-412. Siga até à balsa e atravesse o rio. Fora da temporada é tranquilo, e com tempo bom também.
A PR-412 continua do outro lado. Siga em direção à Matinhos ou Pontal do Paraná, um pouco mais adiante. Por ambas você acessará a BR-277.
Saindo de Matinhos será pela pela PR-508. Saindo do Pontal do Paraná trafegue pela PR-407. Acessou a BR-277, vire à esquerda em direção à Morretes (PR-804; PR-408) e siga até Antonina.

CASO TENHA INTENÇÃO de CONHECER A ILHA do MEL
…você poderá optar por dois caminhos:
1- basta seguir para Paranaguá – de onde você poderá sair para a ilha…
2- …ou continuar pela PR-412 e sair do Pontal do Sul.
É bom alertar para o seguinte: Paranaguá conta com um hotel excelente para você se hospedar – o Camboa Hotéis Paranaguá, do mesmo proprietário do Camboa Capela de Antonina. Ah! E quase ia me esquecendo: fica bem em frente à Casa do Barreado de Dona Norma.
No Pontal do Sul não conheço nada em termos de hospedagem, mas posso dizer que quando andei pesquisando – era nossa intenção  visitar a Ilha do Mel em um dia apenas -, acabei desistindo.

O HOTEL CAMBOA ANTONINA
ocupa um dos prédios de época da cidade. É muito bem cuidado, limpo e todos os funcionários são simpáticos e atenciosos.

A entrada é pela porta modesta que se vê na foto em destaque. Fica na lateral do prédio.

A recepção e a boutique ficam neste amplo ambiente de teto de vidro.

Decoração bem informal e ambientes coloridos proporcionam descontração e aconchego aos hóspedes. Some-se a isso a receptividade dos funcionários e você se sentirá como se estivesse em sua casa. Sentí-me bem à vontade no hotel.

Os quartos são amplos; camas e travesseiros confortáveis. Tv, ar condicionado e frigobar estão à disposição.

Banheiro igualmente amplo, limpo e chuveiro com boa queda d’água.

O clarão amarelado que se vê à esquerda provém da iluminação da Igreja de N. S. do Pilar (abaixo), que não tivemos a oportunidade de visitar por estar fechada durante o breve período em que permanecemos em Antonina.

O atendimento no restaurante foi ótimo: cardápio à la carte, o que significa que nosso pedido veio quentinho para a mesa.
Enquanto esperávamos nosso prato batemos um senhor papo com o funcionário Duanw, que joga em todas as posições no hotel.

O restaurante – simples, mas arrumado e limpo.

Na manhã seguinte à de nossa chegada foi que demos uma volta no hotel para conhecer suas dependências.

Estacionamento descoberto nos fundos do hotel.

O local onde é servido o café da manhã impressiona. Tal qual o Armazém Macedo, localizado quase em frente, lembra um armazém. As paredes foram erguidas por cima de pedras – a coloração marrom e verde que se vê na foto.
Segundo nos conta Duanw, não há documentação a respeito do lugar. O que se sabe é que talvez tenha sido um depósito de mercadorias, ou um lugar que pertencia à igreja e onde freiras catequizavam os fiéis.

 

 

 

 

BRASIL. RIO DE JANEIRO, RJ. PETRÓPOLIS – Museu Imperial em Companhia de Alex Brando.


IMAGEM EM DESTAQUE: Fachada do Museu Imperial

Foi com Alex Brando (leia-se Alex Tour Viagens) que visitamos o glamouroso Hotel Quitandinha e o Museu Imperial.
Foram duas visitas bem diferenciadas, bem marcantes, e ambas na mesma atraente e histórica cidade de Petrópolis. Popularmente falando, matamos dois coelhos com uma só cajadada.
Cada um desses monumentos deixou sua marca no tempo: um passado vivenciado por quem teve o privilégio de conviver nesses monumentos que alcançaram o futuro, nosso presente.

A VISITA AO MUSEU
requer o cumprimento de algumas medidas preventivas e uma delas é a utilização das pantufas – responsáveis pela conservação dos mármores pretos belgas e de Carrara (vestíbulo), além das madeiras nobres dos pisos (cedro, pau-cetim, jacarandá, pau-rosa e vinhático).

Foto: www.conhecendomuseus.com.br

A exceção do uso das pantufas vai para os idosos por motivos óbvios.
Além disso, visitantes estão proibidos de circular com bolsas, mochilas e assemelhados.
Faz sentido porque esses acessórios normalmente são volumosos; e como há espaços muito apertados pelos quais os visitantes transitam, esses volumes podem causar inconvenientes para outros visitadores e/ou para o museu – os corredores são decorados com móveis e adornos que podem ser derrubados por esses acessórios.

Foto: passeios.tripod.com/petropolis.htm

O uso de filmadoras e máquinas fotográficas também é vedado.
Não entendo essa proibição que segui quase à risca. As fotos publicadas aqui no blog foram copiadas de visitantes que fotografaram dependências do museu…

LOGO NO INÍCIO
da visita Alex Brando alertou o grupo para um fato muito interessante: o mobiliário não fazia parte do patrimônio desta casa – o museu, residência de Verão preferida de Dom Pedro II, originariamente chamada de Fazenda Córrego Seco.

PARA QUEM GOSTA DE HISTÓRIA
A propriedade foi adquirida por 20 contos de réis por seu pai, Pedro I, que imaginou transformá-la no Palácio da Concórdia. D. Pedro II a herdou.
O mobiliário foi transferido do Palácio São Cristóvão, onde nasceu D. Pedro II, para Petrópolis.
Este palácio, o Museu Nacional de Antropologia e Arqueologia, mais conhecido como Museu da Quinta da Boa Vista, foi o que sofreu um incêndio de proporções gigantescas em 02/9/2018.
Alex Brando nos conta que, por ocasião da partida de D. Pedro II para o exílio, seus bens foram leiloados e muitos lotes foram adquiridos por pessoas ligadas à côrte; essas peças foram devolvidas e são as que fazem parte do acervo do Museu Imperial.

Quando fotografei esta sala, logo à esquerda de quem chega à residência, ainda não sabia da proibição para filmar e fotografar…

NA SALA DE JANTAR
o destaque vai para o teto decorado com imagens de frutas e para os  motivos dos quadros.
Mesa para 6 pessoas: Imperador D. Pedro II e Imperatriz  Tereza Cristina ocupavam as cabeceiras.
Todo o mobiliário, óleos e cristaleria denunciam que era o lugar onde a família fazia suas refeições.

Foto: https://viagemeturismo.abril.com.br/atracao/museu-imperial/

Por questões óbvias, mas não comprovadas, os demais lugares à mesa seriam ocupados pela filhas e respectivos maridos.
A mais velha, Isabel, casou-se com o Conde de Orléans, o Conde d’Eu; e a filha mais nova, Leopoldina do Brasil, casou-se com Luiz Augusto de Saxe-Coburgo-Gota, austríaco com quem ela parte para a Europa.
Do casamento de Leopoldina nascem 7 filhos, sendo que o mais velho, Pedro Augusto, foi considerado até seus 9 anos de idade como o futuro Imperador do Brasil, idéia que ele acalentou até a Queda do Império, em 1889.
Foi preterido pelos filhos da tia Isabel e, na luta frustrada em prol da subversão da Constituição do Império, foi considerado como o Príncipe Conspirador por conta de ter reunido partidários em seu favor e contra um terceiro reinado encabeçado pela tia.
Este episódio lhe valeu transtornos mentais que o acompanharam até a morte.

A COZINHA
não fazia parte do contexto desta residência: ficava em outro prédio onde os alimentos eram preparados, embalados em caixas fechadas, e conduzidos até ao local de onde eram levados até à sala de jantar.
Louças, cristais e prataria eram importadas. O Brasil produzia apenas as madeiras nobres (jacarandá e peroba dentre outras) com as quais faziam as mobílias.
Os ambientes eram iluminados com lustres à vela.
Nesta época, as refeições eram programadas de acordo com o nascer do Sol.
Caso a alvorada fosse às 5.00 horas, o café da manhã era servido algum tempo depois. Almoço às 10.00 h, lanche da tarde às 15.00 h e jantar às 19.00 h. Todos se recolhiam muito cedo.
Hoje em dia controlamos nosso tempo pelo relógio…
Iluminação por clarabóias e pé direito alto nos corredores eram recursos utilizados para manter o frescor.

EM OUTRA SALA
a decoração indica tratar-se de um ambiente onde se discutia assuntos referentes ao Reinado.
Aqui há um quadro famoso: A Fala do Trono, de autoria de Pedro Américo de Figueiredo e Melo (1872), também conhecido como Dom Pedro II na Abertura da Assembléia Geral.

Neste quadro – imagem obtida no site do Museu Imperial – também foram retratados políticos importantes do Império. 

Na tribuna estão:  a Imperatriz D. Teresa Cristina, mulher de D. Pedro II, sua filha, a Princesa Isabel e seu marido o Conde d’Eu; ao fundo, Joaquim Marques Lisboa, o Marquês de Tamandaré.

Duas vezes por ano o Imperador reunia o Senado e a Câmara dos Deputados do Império, ocasião em que portava coroa, cetro e o traje majestático. O colar avermelhado é de penas de tucano.

http://blogespetaculosas.blogspot.com/2010/03/conheca-o-museu-imperial.html

Nos discursos de abertura D. Pedro II abordava assuntos referentes à política, aos problemas enfrentados pelo Império e sugestões para resolvê-los. No encerramento, fazia um balanço geral e as medidas adotadas pelo governo imperial.
A indumentária completa você poderá apreciar no museu.

ENCONTRO DAS NOBRES SENHORAS
Na residência imperial havia uma sala destinada para o encontro das senhoras nobres, cuja finalidade era apenas costurar e bordar. Mulheres não participavam de assuntos administrativos – serviam apenas para cozer, bordar e parir.
Na foto abaixo, vemos a sala de visitas da imperatriz.

OS CASAMENTOS
na família imperial, desde D. Pedro I, foram marcados por relações extra-conjugais – por parte dos imperadores, obviamente.
E quem conhece esses encontros furtivos mas-nem-tanto com riqueza de detalhes é Alex Brando.
Suas pesquisas foram profundas e ele acabou sabendo de pormenores cabeludos que nos revelou no dia da visita ao museu. Detalhes que nada têm a ver com bocas de Matildes, mas com a realidade.

D Pedro I, por exemplo, extrapolava. Sua grande paixão, todos sabem, era a Marquesa de Santos (Domitila de Castro Canto e Melo). Só que o imperador ampliou este “círculo familiar” e passou a cortejar a irmã mais velha da amante, a Maria Benedita.
Daí você poderá se perguntar: – Será o Benedito? Não! Foi a Benedita mesmo…, agraciada com o título de Baronesa de Sorocaba – uma senhora que, tudo indica, não trabalhava na “casa da luz vermelha”, mas era muito assediada pelo imperador. Uma cortesã, para ser mais requintada.
Cartas de conteúdo fogoso eram trocadas e até mesmo alguns pelos pubianos o safado enviou devidamente envelopado para sua amante. Mimos como estes eram devidamente acompanhados por palavras bem “ardentes”.

Muito religioso, D. Pedro I saía do Outeiro da Glória, onde assistia à missa, e depois ia praticar sua fé na casa da Bené.
O barraco foi grande quando a Marquesa de Santos descobriu a traição e mandou matar a própria irmã!
O romance foi tão tórrido, que a recatada senhora Bené teve um filho de Pedro I, reconhecido em testamento pelo imperador. Este jovem foi educado na Inglaterra.

QUE HERANÇA!
D. Pedro I
, por seu comportamento nada exemplar, deixou significativa herança de desabonos a ponto de prejudicar o próprio filho D. Pedro II na busca por uma Imperatriz. Suas peripécias atravessaram mares e continentes!

O papel de cupido coube à Bento da Silva Lisboa, o 2º Barão de Cairu.
Cansado de peregrinar em busca de uma deusa, mas só acumulando fracassos, o cupido encontra Vincenzo Ramírez, embaixador das Duas Sicílias no Império Austríaco, e ambos acertam (?) a vida de Pedrão – 1,90 m de altura, louro e de olhos azuis -, o Robert Redford da época.
A futura imperatriz consorte era a Princesa das Duas Sicílias, nascida em uma família numerosa e, por conta disso, com direito a apenas um dote; não havia como escolher muito.
Diante desse quadro, Vincenzo Ramírez passou por cima da má fama de D. Pedro I – consolidada nos quatro cantos do planeta – e propõe a mão da princesa ao jovem imperador, que a aceita baseado em um lindo desenho da imagem da candidata. Coitado! Não sabia de nada.

O DESEMBARQUE
da mulher de D. Pedro II ( casaram-se por procuração) só não foi mais trágico, porque o jovem conseguiu se recuperar do piti que teve na Praça Mauá (logo aonde!…) no desembarque da consorte gordinha e desprovida de beleza, mas um amor de criatura.
Por ter pernas arqueadas seu andar era que nem o balanço de um barco vazio em dia de mar agitado.
Ela, que não era boba nem nada e sabia o que era bom, apaixonou-se imediatamente pelo noivo com então 17 anos de idade.
Ele, franco como todo sagitariano, e ainda por cima … da vida, não escondeu sua decepção e revolta.
O desenrolar dessa história quem sabe é Alex Brando, bem como as diferenças existentes entre os romances de Pedro I e Pedrão.

A SALA DE MÚSICA,
tal qual a sala de jantar, está definida pela pintura de liras no teto.
Arpa, violino, espineta, cravo e piano ficavam à disposição dos convidados.

vanessapaolarojasfernandez.wordpress.com

Foi na escadaria da varanda que acessa esta sala, que a família imperial se deixou fotografar na véspera de sua deportação.

Da esquerda para a direita: a imperatriz Dona Teresa Cristina, D. Antônio, a Princesa Isabel, o imperador, D. Pedro Augusto (sobrinho da Princesa Isabel, D. Leopoldina, Duquesa de Saxe), D. Luís, o conde d’Eu e D. Pedro de Alcântara (príncipe do Grão-Pará).
Origem da foto: clique aqui e saiba mais.


A visita não parou aí, evidentemente. Visitamos os aposentos do andar superior onde ficava a parte mais íntima da casa – quartos do casal, das princesas e quarto de estudos do imperador.
Neste pavimento estão o berço de ouro – presente de Pedro II ao filho de Isabel -, e ainda o toucador, onde vemos um “trono”- um pinico acoplado a uma cadeira de braços em forma de trono.
Que criança de antigamente não fazia suas necessidades em um troninho? Eu mesma tive um; simplicíssimo, mas tive. A origem está justamente nessa peça.


E no final Alex nos deixou livres para visitarmos a exposição de liteiras, a locomotiva e as carruagens.
De lá partimos para um bonito lanche no Duetto’s Bistrô e Café (ainda nos limites da propriedade do museu), onde o papo a respeito do museu e dos Pedros & famílias rolou mais solto, e… encerramos nossa visita.

INFORMAÇÕES
a respeito de dias, horários de visitas e programação do museu clique aqui: espetáculos de luz e som, saraus, biblioteca, visitas agendadas…

Sei não, mas acho bem mais fácil você clicar aqui no nome de Alex Brando e fazer essa visita de modo bem mais confortável.


“Andar na direção do outro é também fazer uma viagem. Mas não leve muita coisa. Não tenha medo das ausências que sentirá. Ao adentrar o território alheio, quem sabe assim os seus olhos se abram para enxergar de um jeito novo o território que é seu. Não leve os seus pesos. Eles não lhe permitirão encontrar o outro. Viaje leve, leve, bem leve. Mas se leve.”
Pe Fábio de MeloRefletir Para Refletir


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BRASIL. RIO DE JANEIRO, RJ. PETRÓPOLIS. Natal Imperial – Para Quem Não Conhece O Natal Luz de Gramado…


IMAGEM DESTACADA: Rua da Imperatriz.

Vi a chamada para o Natal Imperial na internet e pensei de imediato que não precisaria mais viajar para o Sul para assistir àquele espetáculo natalino surreal, que a cada ano atrai mais público e o surpreende com apresentações cada vez mais belas – o Natal de Gramado. Fiquei curiosa e subimos a serra logo no primeiro dia da programação, que incluía a inauguração da iluminação da cidade dentre outras “atrações”.
QUE DECEPÇÃO!!!

Para quem não tem idéia do que seja o Natal Luz de Gramado acredito que gostará, principalmente as crianças. Mas, para quem já assistiu às festividades natalinas na serra gaúcha algumas vezes, a decepção é certa.
Cobriram todas as árvores do Centro de Petrópolis com micro lâmpadas, iluminaram o Rio Piabanha (ou Quitandinha?) e foi o que valeu.

Da catedral esperava-se iluminação mais exuberante e não essa, como a de uma vela que parece se apagar.

A ENCENAÇÃO
que antecipou a iluminação da cidade foi de uma pobreza de dar dó, a começar pelo que chamaram de palco – um caixote tombado e mal feito. Desculpem, mas não posso deixar passar.

A RUA 16 de MARÇO,
bem próxima do tal caixote, também foi enfeitada com micro lâmpadas e algumas pequenas esculturas que espalharam nas calçadas.

Por se tratar de uma das ruas de grande movimento do Centro da cidade, e a organização do Natal Imperial não ter atentado para locais mais adequados para receberem as alegorias natalinas, algumas  ficam inconvenientemente próximas à coletores de lixo!
Na foto abaixo, observe o painel do boneco de neve colocado em frente à portaria do edifício: acabou ficando tão mal colocado, que impede a aproximação de qualquer interessado para clicar uma foto.

Alguns prédios notáveis ganharam iluminação especial tal qual o Palácio Amarelo, que abriga atualmente a sede da Câmara Municipal de Petrópolis. Iluminação capenga, diga-se de passagem.

O PALÁCIO de CRISTAL
anunciou algumas apresentações, teve a grama enfeitada com uma bengala aqui… outra acolá…, e seu entorno foi transformado em uma praça de alimentação com direito a mesas e cadeiras.

Para comer, havia “de um tudo”… Ofertas variadas a preços bem convidativos.

Uma das barraquinhas chamou-me bastante atenção pelos pratos de origem alemã oferecidos; pensei em experimentar um deles, mas a falta de apetite naquele momento me impediu.

Para quem aprecia o babado, trata-se de uma baita refeição.

Não faltou a chamada para o Pão de Alho, a R$5,00, a Salsicha a R$6,00 e os doces portugueses, os meus preferidos, de acordo com a tabela abaixo.
Ai, meu Diabetes Mellitus!… Literalmente, uma doença que é o diabo! Diabo, não; diabetes.

A PRAÇA DA LIBERDADE
também recebeu iluminação semelhante à de seu entorno e só.

Alguns hotéis, como o Casablanca, entraram no clima e fizeram sua parte.

Petrópolis tem potencial para apresentar belos Natais – espaços não faltam. Trata-se de uma questão de tempo, investimento e criatividade.
Por enquanto…, Natal Luz continua sendo o de Gramado.